“Cada consciência está num estágio de complexidade e interpreta a realidade de maneira diferente dos demais”. Hélio Couto


* * * 

PARA OBTER EXPANSÃO DA CONSCIÊNCIA, CRESCIMENTO ACELERADO E ILIMITADO EM TODAS AS ÁREAS DA VIDA, ACESSE: 


"Quando todos pensam igual é porque ninguém está pensando". Walter Lippman


"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu. Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito. Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos. Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade. Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração. Mas depois de muita análise e observação, se você vê que algo concorda com a razão, e que conduz ao bem e benefício de todos, aceite-o e viva-o".  Buda


"Faça todo o bem que puder, 
Usando todos os meios que puder,
De todas as maneiras que puder,
Para todas as pessoas que puder,
Durante o maior tempo que puder".

- John Wesley - 

Neste espaço, você leitor ou buscador, encontrará um universo de possibilidades, cujos conhecimentos, sejam eles empíricos, teológicos, filosóficos ou científicos; nos conduz ao despertar, de diferentes realidades e caminhos.

Esteja receptivo a tudo que lhe é mostrado como novo, e faça suas escolhas de vida com consciência.

Não se convença de nada. Siga sempre o seu coração!

Muitas vezes um texto/site cai na nossa frente no momento certo, o que não significa uma "coincidência", mas Sincronicidade, porque estamos abertos à busca de alguma resposta para algo que procuramos e o Universo faz a sua parte buscando isso.

"Para ver coisas novas é necessário renovar o olhar..." 
Wagner Borges

"Mude a maneira como vê as coisas, que as coisas que você vê mudarão".
 - Wayne Dyer

"A dificuldade não está em aceitar novas ideias, mas em se libertar das velhas".
 John Maynard Keynes


"É fácil viver com os olhos fechados, entendendo errado tudo o que você vê".
 John Lennon



A VERDADEIRA FUNÇÃO DO HOMEM

Você e eu temos de nos livrar das causas que estão produzindo conflito em nós mesmos. E o centro do conflito é o “eu”, o ego. Entretanto, a maioria de nós não deseja ficar livre desse ego. Essa é a dificuldade. A maioria de nós gosta dos prazeres e das dores que o “eu” nos traz; e, enquanto formos controlados pelos prazeres e dores do “eu”, haverá conflito entre o “eu” e a sociedade, entre o “eu” e o coletivo; e o coletivo dominará o “eu” e o destruirá se puder. Contudo, o “eu” é muito mais forte do que o coletivo; então ele sempre dribla o coletivo, e tenta obter nele uma posição, expandir-se, realizar-se. Certamente, o libertar-se do ego, e, portanto, a busca da realidade, a descoberta da realidade e sua manifestação, é a verdadeira função do homem.
Por Krishnamurti
1. Quem sou eu? Resposta: "Eu sou o absoluto".
Somos eternos, não podemos morrer e nós não podemos ir a qualquer lugar, porque existimos em toda parte. Criamos tudo o que estamos experimentando agora e não há nada que não possamos lidar. 

2. Que horas são? Resposta: "A hora é agora"
Nada antes deste momento importa porque não podemos fazer nada para mudar isso. O futuro se desenvolve a partir do presente, de modo que não precisamos pensar nisso. Portanto, a única coisa a fazer é estar totalmente presente no momento do agora. 

3. O que eu preciso? Resposta: "Nada que eu já não tenha".
Nós não precisamos de qualquer coisa que já não temos porque se o fizéssemos, não estaríamos aqui! Nós sempre temos exatamente o que precisamos para ser nosso verdadeiro Eu. É somente quando estamos sendo o falso Eu que experimentamos falta ou perda. 

4. Por que estou aqui? Resposta: "Para se lembrar de quem eu sou"
Há apenas um verdadeiro propósito do universo e que é a experiência de quem nós somos - o absoluto. Cada momento revela isso para nós e não há absolutamente nada para fazer, além disso. 

Fonte: wakingtimes.com 

Você é um Ser Adormecido ou um Ser Desperto?
           
Segundo a obra Ser Consciente (*) existe dois níveis de consciência: o Adormecido e o Desperto.

ADORMECIDO é o indivíduo onde prevalecem as sensações fisiológicas, preso à saciação imediata dos desejos, às ilusões passageiras da matéria. É o homem que aparentemente está no presente, mas tem a mente no passado e no futuro, vive distrações da realidade, esquece do ser espiritual que é.

DESPERTO é aquele que participa com integral lucidez da vida ardente em suas múltiplas ocorrências. É o homem do presente, aceitando seu momento atual e atento ao seu desenvolvimento integral. O ser consciente é responsável, domina bem seu livre-arbítrio. Livre de algemas, liberto do passado, constrói hoje seu futuro, consciente. Assim, vive integralmente o hoje em todas as ações, todos os sentimentos, todas as aspirações.
Por Maryane Medeiros

(*) O Ser Consciente/ pelo Espírito Joanna de Angelis, psicografia Divaldo P. Franco – 10ª. Ed.
Salvador/BA, 2002, Editora Liv. Esp. Alvorada.

"Não há nada no mundo que o homem não busque: ele explora as montanhas e as colinas, aspira a conhecer o que se acha abaixo do mar e na superfície do mar, nos desertos mais remotos. No entanto existe uma coisa que o homem deixa de lado e não busca: a divindade que se encontra dentro dele". 

Rabi Tsadok H. Lublin


Se existe uma coisa aparente para todos os que estamos de algum modo interessados na faculdade da percepção, e que estamos acostumados a prestar atenção ao que acontece à nossa volta, é a dos graus diferentes de mentalidade que encontramos em toda parte, e os diferentes tipos de consciência entre os homens. 

Encontramos pessoas alertas, vivas, conscientes de tudo o que está acontecendo, profundamente conscientes, respondendo às correntes de pensamento de várias espécies nos assuntos humanos e conscientes de toda espécie de contatos; a seguir encontramos pessoas que parecem estar adormecidas; há, aparentemente, tão pouca coisa que as interessa; parecem estar totalmente alheias ao contato; estão ainda num estágio de inércia e não são capazes de responder a muitos estímulos exteriores; não estão mentalmente vivas. 

Nota-se isto também nas crianças; algumas respondem tão depressa, enquanto chamamos outras de retardadas. Realmente, uma não é essencialmente mais retardada que a outra; é simplesmente devido à etapa de evolução interior da criança, as suas encarnações mais freqüentes e ao período maior que tem utilizado para se tornar consciente.

Fonte Livro, A Consciência do Átomo - Alice A. Bailey

O SER CONSCIENTE E O ESTAR CONSCIENTE

Apesar de muitas vezes empregado com o mesmo sentido, o termo Ser consciente não significa o mesmo que Estar consciente, muito embora haja uma estreita interdependência entre ambos.

Na ótima definição de Ana Beatriz Barbosa Silva no livro Mentes Perigosas, “Ser consciente refere-se à nossa maneira de existir no mundo. Está relacionado à forma que conduzimos nossa vida e, especialmente, às ligações emocionais que estabelecemos com as pessoas e as coisas no nosso dia a dia”. Permito-me acrescentar que Ser consciente é também se relacionar de forma ética com toda e qualquer forma de vida que habita este Planeta, reconhecendo, respeitando, sustentando e aceitando suas necessidades e características únicas, garantindo, assim, o seu direito de existir e de se realizar enquanto espécie. 

Ser consciente é amar, sem condições e sem reservas, toda expressão de vida! 

Já Estar consciente é ter ciência e capacidade de raciocinar e de processar os fatos que vivenciamos bem como, nossas reações físicas e mentais. Não se trata apenas de estar alerta ou lúcido, mas, muito mais do que isto, Estar consciente significa estar atento aos próprios pensamentos e aos sentimentos e emoções que determinam nossos comportamentos e atitudes, no exato momento em que elas acontecem. Em uma frase: Estar consciente é desligar o “piloto-automático”.

Não há quem não saiba o quanto é difícil este Estar consciente. Na maioria das vezes reagimos automaticamente aos fatos que julgamos ameaçadores, nos defendendo ou atacando, e fazemos isto sem de fato parar e avaliar se o perigo realmente existe ou é uma mera  percepção distorcida.

Este tipo de atitude leva à conclusão errônea de que tudo que importa vem de fora e, portanto, somos vítimas das circunstâncias e das pessoas. Na verdade não nos passa pela cabeça que nós próprios podemos ter criado, com nosso comportamento e atitude, tais ameaças ou então, que não  percebemos com clareza, em virtude dos nossos condicionamentos, o que de fato acontece.

Sem Estarmos conscientes, não assumimos a nossa auto responsabilidade, não reconhecemos o que temos que mudar em nós, não nos aceitamos como somos e, portanto, não mudamos. Sem mudança, o mundo exterior continuará ameaçador, viveremos numa luta constante pela sobrevivência, concorrendo por posições e reconhecimento, competindo por espaço, lutando permanentemente uma luta inglória de vida e morte.

Não Estar consciente inviabiliza o Ser consciente, e cria um círculo vicioso que retro-alimenta a confusão, o estresse, o medo, a dor e o sofrimento.
Por Ricardo Porto
O SER DESPERTO

O ser desperto é aquele que conseguiu transcender toda a dualidade e enxerga o universo como a perfeição da unidade. Este despertar ocorre quando o chacra do coração tem sua abertura completa e irradiamos o amor e beatitude da conexão com Deus.

A partir deste estado sublimado, nosso autoconhecimento nos permite dominar conscientemente as energias sutis, e transmutar todas as vibrações inferiores, do materialismo, dos excessos sexuais, dos desejos e apegos do ego. Estas energias transmutadas pelo poder do amor incondicional tornam-se a principal energia para tarefas de cura e esclarecimento.

O amor é a verdadeira fonte do universo, da vida, portanto está presente até mesmo nas energias mais densas, apenas obscurecido pela inconsciência de sua presença.

O ser desperto consegue observar o amor como elemento que permeia todas as realidades. Consciente de sua condição evolutiva, vivenciando a completa neutralidade, o desperto entrega-se completamente ao serviço do amor, pois sabe que sua libertação final será a conseqüência de ações desinteressadas, baseadas nos verdadeiros princípios de fraternalismo e cosmoética.

O amor transcende todos os limites, todas as condições, todas as turbulências, todas as mudanças e transformações. O amor é a nossa verdadeira essência, nosso verdadeiro SER. Por isso Jesus Cristo nos deixou seus maiores mandamentos, amar a Deus (SER) acima de todas as coisas, e amar ao próximo como ele nos amou. Estes ensinamentos refletem o caminho, a verdade e a vida, e quando entendemos esta verdade universal estamos prontos para nos entregar ao plano divino e a vontade maior, que é o amor que Deus emana à toda a criação. 

Precisamos aprender cada vez mais a enxergar este amor eterno e compreender com discernimento que todas as dores e sofrimentos, são causados pela ilusão que a desconexão com a percepção deste amor ocasiona. Quando compreendemos isso acabam as buscas, as incoerências, as ansiedades, os conflitos, as confusões e ilusões. Quando nos entregamos ao Cristo, vivemos a unidade do amor com Deus e toda a realidade manifesta. Este é o caminho, a verdade e a vida, O Cristo, o amor incondicional.

Incentivamos a autopesquisa e o despertar coletivo. Como seres informados deste conhecimento, devemos assumir o compromisso de transcender a dualidade, e realizar as mudanças necessárias para SER desperto.

O SER é o Supremo Estado de Realização, o contato verdadeiro com a Consciência eterna que somos, a manifestação divina do CRISTO, o filho único de Deus. Esta Consciência unitária, crística, habita em todos os seres e realidades, e permanece muitas vezes oculta pela ignorância das leis divinas.

A partir do momento que somos iluminados com o conhecimento divino, devemos agir instantaneamente de acordo com o propósito de amor e praticar todo o conhecimento recebido. Assim aumentamos nossa chama interna de sabedoria, e aprendemos a neutralizar conscientemente todos os efeitos da dualidade. Esta é uma chave fundamental para a concretização do plano do despertar coletivo. Devemos colaborar conscientemente para a evolução da humanidade, com a finalidade de estar cada vez mais feliz e realizado, por cumprir sua parte na manifestação da vida.

Segundo muitos estudiosos o que caracteriza um SER desperto é sua completa consciência sobre seu estado multidimensional, e seu controle sobre os veículos de manifestação. Neste caso considera-se que um desperto é capaz de realizar a projeção de consciência contínua sempre que tiver vontade ou for necessário. Esta projeção é a mesma que ocorre durante o sono, porém é chamada de consciência contínua, pois é feita totalmente consciente, através da vontade e intencionalidade.

Esta projeção de consciência contínua é a principal ferramenta dos yogues crísticos que entram em meditação profunda e visitam diversas dimensões conscienciais ao mesmo tempo. Na capacidade suprema de um SER desperto ele pode se tornar um Mestre Ascenso que realizou a completa transmutação da matéria e assumiu o comando consciente dos elementais físicos e cósmicos, da matéria e anti-matéria, livres por toda a eternidade da dualidade. Nesta ascensão ocorre a completa transcedência e domínio das leis materiais e libertação do ciclo de encarnações.

Fonte Livro Chaves do Despertar - Manifestando os sete raios (Mautama Krishnarabi)
  

O DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA

“Ó tu, que dormes, desperta e levanta-te de entre os mortos, que Cristo te iluminará”. (Efésios, 5:14.)

Encontramos em muitas passagens do Novo Testamento as expressões “despertar”, “acordar”, “levantar”, todas referindo à questão do “adormecimento” característico dos seres humanos. O processo da evolução se faz da inconsciência para a consciência, do estar para o ser, da razão para a intuição, do transitório para o permanente.

O eminente Léon Denis afirmou que o ser dorme no mineral, sonha no vegetal, move-se no animal, desperta no hominal e sublima-se no angelical. Esse pensamento filosófico, relacionado com evolução/eternidade, é de fundamental importância para a compreensão de nosso progresso espiritual. 

As admoestações de Jesus Cristo, aos que não ouviam nem enxergavam, para que tivesse olhos de ver e ouvidos de ouvir, nada mais era do que a mensagem do despertamento para a Vida Maior.

Quando Paulo disse aos efésios “Ó tu, que dormes, desperta”, não estava apenas conclamando as criaturas ao erguimento do corpo físico, mas também ao da visão interior de todas as almas imortais, com vistas a expansão da consciência de cada uma delas.

Não podemos exigir que todos tenham a mesma visão, que todos tenham a mesma audição, porque entendemos a diversidade de compreensão humana.

Somos alma com traços de caráter ainda diminutos em relação à autoconsciência, porém destinadas a uma lucidez interior cada vez maior rumo aos mundos superiores espalhados pelo Universo.

Não nos esqueçamos, todavia, de que no homem se encontra o microcosmo que, em síntese, é o retrato do macrocosmo. Tudo está em tudo, e todas as partes unidas fazem o todo. 

“Levanta-te de entre os mortos, que Cristo te iluminará”, quer dizer: não devemos voltar nossa atenção para modificar as coisas de fora, mas para acordar e aprimorar as coisas de dentro.

Saiamos, portanto, do estado de dormência, inconsciência e imobilidade espiritual em que transitamos e despertemos nossos potenciais internos. Quando despertarmos nossa consciência, transformaremos o mundo em nós e, então, perceberemos que não eram propriamente nossos conflitos que nos incomodavam, e sim a nossa maneira de vê-los.

Por Francisco do Espírito Santo Neto, ditado por Hammed


VOCÊ ESTÁ NO 'EU' OU NO 'SER'?

“Onde você se encontra? Na mente ou na essência? No externo ou no interno? Na falta ou na abundância?

Passamos a vida inteira em busca de algo. Vivemos sempre nos identificando e nos alimentando diariamente com alguém que precisamos ser, com algo que precisamos ter, com coisas que necessitamos fazer, e com tudo que precisamos amar, e nos esquecemos de que tudo isso está na mente, não na essência. Está no EU, não no SER. Vivemos constantemente no 'EU QUERO', 'EU DEVO', 'EU PRECISO', e deixamos de lado uma das questões primordiais para nossa paz, nosso real 'descanso', o 'integral', que é o 'EU SOU'. O tão desejado alívio que sentimos ao dizer: 'UFA' !!!

Quando entendemos que 'NÃO TEMOS QUE' querer nada, 'NÃO TEMOS QUE' ser alguém, 'NÃO TEMOS QUE' fazer algo, 'NÃO TEMOS QUE' amar nada, nos deparamos com algo maravilhoso, que é a certeza, que vem junto com a paz, de que 'JÁ SOMOS' e 'JÁ TEMOS'.

Quando se chega a isso, nos conectamos com a fluidez natural do universo, com a integralidade da natureza, e tudo começa a acontecer apenas no 'AGORA', apenas no 'PRESENTE', que é onde tudo acontece de verdade, de forma real, fluídica, sem forçar, sem precisar, sem necessitar e sem querer. Simplesmente acontece, pois está fora da mente, fora do eu, onde tudo só acontece no passado e no futuro. O ser integral só existe no presente, onde tudo é real. Fora do presente só existe ilusão, prisão e expectativa.

No EU só existem faltas, pois existe a constante busca, e se buscamos algo, é porque está faltando algo. No SER tudo já existe e sempre existiu, e a busca se torna desnecessária.

No EU sempre queremos alguma coisa a mais, pois sempre acreditamos que temos menos. No SER, não existe nem o mais e nem o menos, pois já existe o tudo.

No EU precisamos viver nos auto afirmando dentro da necessidade de ser alguém. No SER não precisamos nos tornar nada nem ninguém, pois no SER, nós já SOMOS.

No EU existe a necessidade de amar e sermos amados. No SER, isso não é necessidade, é compartilhamento, pois já somos o próprio AMOR.

Abandone o EU e permita-se SER. Saia da mente por alguns momentos, uma vez por semana que seja, para começar, e perceba que na mente só existe a falta, a eterna busca e o incompleto, e sinta a essência, onde tudo existe e onde tudo é completo e integral. Seja paz, seja amor, seja completo, seja livre e seja simples, além da própria simplicidade. Sua mente sempre 'precisa' de alguma coisa, você não precisa de nada, você já É tudo!!! Então... experimente o SER!!!"

Mude seu jeito de ver e de pensar! 


Por Ricardo Prado

SEJA A MUDANÇA

Estamos embarcando numa época onde nos é oferecido o máximo de oportunidade para participar mais conscientemente nas mudanças que estão acontecendo no mundo todo.
A jornada para casa, conhecida como a ascensão, é se tornar totalmente consciente de quem você é e quem você representa.
Isto é aprendido através das experiências e situações que atraímos no nosso dia a dia, integrando e harmonizando tudo que vem no nosso caminho.
Você saberá pela sua reação às experiências o nível da sua consciência. Permitindo assim, fazer ajustes.
Não podemos evoluir sem transmutar, e o jogo agora é equilibrar desafios pessoais, bem como desafios sociais, educacionais e econômicos.
Tudo está voltando para ser transformado e amado novamente.
Amor é aquele incrível poder que cura tudo que parece estar quebrado.
Com o aumento das energias da Luz Cósmica, que estimula a mudança, muitos irão responder e começar a reconhecer e se reconectar com as habilidades que existem dentro de si.
Quando aprendemos a confiar em nós mesmos, entramos em contato com energias e qualidades que irão nos ajudar, e consequentemente ajudar a humanidade na preparação em se tornar civilizada.
É a nossa intuição que nos oferece a consciência destes processos, estimulando a compreensão, assim podemos encontrar novas formas de como nos relacionar uns com outros. Permitindo-se experimentar a natureza humana num nível superior. Desejando ajudar e auxiliar no redesenho das nossas verdadeiras intenções de vida.
Nossa condição humana é tal, que a forma como nos expressamos é pesadamente ofuscada pelos ideais culturais e crenças do passado.
Entretanto quanto mais pessoas se elevarem ao desafio de conectar-se com o aspecto espiritual do seu ser, elas logo evoluirão das ideias e valores do passado até o ponto onde irão experienciar a transformação e reconhecerão a todos como parte essencial do todo.
É claro que conforme despertamos nos tornamos conscientes da imensa corrupção no mundo todo, dos nossos líderes nos bancos, nos governos, e nas igrejas religiosas, e o controle e a manipulação em todo nível de existência. Tem sido assim por milhares de anos, mas agora muitos começam a ver e o despertar começou.
Isso tudo chama nossa atenção para ser purificado.
Quando fazemos uma respiração profunda a respeito destes desafios e focamos em produzir soluções dentro dos problemas que compartilhamos, o mundo alcançará a ascensão de uma forma suave.
Quando mais pessoas fizerem a escolha de se expressar com amor ao invés de medo, todas as diferenças se equilibrarão em harmonia.
Por Robert Happé
QUEM  É VOCÊ... REALMENTE?

Passamos a maior parte dos nossos dias dizendo a nós mesmos ou aos outros que nós somos alguém importante, alguém sem importância, alguém grande, alguém pequeno, alguém jovem, alguém de idade, nunca verdadeiramente questionando o pressuposto mais básico: Quem é você, realmente? Como você sabe: Isto é quem você é? Esta é a verdade? Realmente? Quando você se volta para a questão: Quem sou eu? Talvez você veja uma entidade que tem a sua face e seu corpo.

Mas quem está ciente de que entidade é essa? Você é o objeto, ou, você é a consciência do objeto? O objeto vem e vai. O pai, o filho, o amante, o abandonado, o iluminado, o vitorioso, o derrotado. Essas identificações todas vêm e vão.

A consciência destas identificações está sempre presente. A identificação errada de si mesmo como um objeto leva ao extremo prazer ou extrema dor e a ciclos de sofrimento intermináveis.

Quando você finalmente parar com a identificação errada e descobrir definitiva e completamente que você é a própria consciência e não estas definições impermanentes, a busca de si mesmo termina.

Quando a pergunta Quem? É seguido inocentemente, com pureza, todo o caminho volta para sua fonte, há uma realização enorme, surpreendente: Não existe identidade nenhuma! Há apenas o reconhecimento, indefinível ilimitado de si mesmo como inseparável de qualquer outra coisa.

Você é livre. Você é o todo. Você é infinito. Não há um fim para você, não há limites para você. Alguma ideia sobre si mesmo aparece em você e desaparece de volta em você. Você é conscientização, e conscientização é consciência.

Deixe todas as auto-definições morrerem neste momento. Deixe-as irem, e veja o que resta. Ver o que nunca nasceu e que não morrerá. Sinta o alívio de deixar ir o fardo de definir a si mesmo. Experimente a não-realidade do fardo. Experimente a alegria que está aqui. Descanse na paz infinita de sua verdadeira natureza antes de qualquer pensamento do Eu aparecer.

Fonte Portal dos anjos e das estrelas de avalon

QUEM É VOCÊ?

Muitas coisas podem ser importantes na sua vida, mas apenas uma tem importância absoluta. É importante vencer ou fracassar aos olhos dos outros. É importante ter ou não ter saúde, estudar ou não estudar. É importante ser rico ou pobre – certamente isso faz diferença na sua vida. Sim, tudo isso tem uma importância relativa, mas não absoluta. Existe algo mais importante do que todas essas coisas: é encontrar a essência do que você é para além dessa entidade de curta duração que é a noção personalizada do “eu”. Você não encontra a paz reorganizando os fatos da sua vida, mas descobrindo quem você é no nível mais profundo.
A reencarnação não ajuda se na próxima encarnação você continuar sem saber quem é.
Toda a desgraça do mundo vem de uma noção personalizada do “eu” ou do “nós”. Essa noção encobre a essência de quem você é. Quando você não se dá conta dessa essência interior, acaba sempre causando algum tipo de desgraça. É muito simples. Quando não sabe quem é, você cria um “eu” na mente para substituir o seu lindo e divino ser e se agarra a esse “eu” amedrontado e carente. A partir do momento em que faz isso, sua grande força motivadora passa a ser proteger e valorizar essa falsa noção do “eu”.
Há muitas expressões usadas frequentemente que mostram que as pessoas não sabem quem são. O mesmo acontece às vezes com a estrutura da língua. Dizemos: “Ele perdeu a vida num acidente de carro” ou “A minha vida”, como se a vida fosse alguma coisa que se possa possuir ou perder. A verdade é: você não possui uma vida, você é a vida. Você é a vida única, a consciência única que permeia todo o universo e assume temporariamente a forma de pedra, folha, animal, pessoa, estrela ou galáxia. Consegue perceber que, lá no fundo, você já sabe disso? Consegue perceber que você já é isso?
Você precisa de tempo para a maioria das coisas na vida: é preciso tempo para aprender uma nova atividade, para construir uma casa, para se especializar em alguma profissão, para preparar um chá. Mas o tempo é inútil para a coisa mais valiosa da vida, a única que realmente importa: a realização pessoal, o que significa saber quem você é essencialmente além da superfície do “eu” – além do nome, do tipo físico, da sua história.
Você não pode encontrar a si mesmo no passado ou no futuro. O único lugar onde você pode se encontrar é Aqui e Agora.
Os que buscam uma dimensão espiritual querem a auto realização ou a iluminação no futuro. Ser uma pessoa que está em busca significa que você precisa do futuro. Se é nisso que você acredita, isso se torna verdade para você: precisará de tempo até perceber que não precisa de tempo para ser quem você é.
Quando olha para uma árvore, você toma consciência da existência da árvore. Quando pensa ou sente alguma coisa, toma consciência do pensamento ou da sensação. Quando passa por uma experiência boa ou ruim, toma consciência dessa experiência.
Essas afirmações parecem verdadeiras e óbvias, mas, se você examiná-las atentamente, perceberá que, de uma forma sutil, elas contêm uma ilusão básica que se torna inevitável quando se usa a linguagem. O pensamento e a linguagem criam uma aparente dualidade, como se houvesse uma pessoa e uma consciência separadas. Isso não existe. A verdade é que você não é uma pessoa que toma consciência da árvore, do pensamento, do sentimento ou da experiência. Você é a consciência na qual e através da qual essas coisas existem.
Você se percebe como a consciência na qual todo o conteúdo de sua vida se desdobra?
Quando você diz “Eu quero conhecer a mim mesmo”, você é o “Eu”. Você é o conhecimento. Você é a consciência através da qual tudo é conhecido. E que não pode conhecer a si mesmo. Porque você é a própria consciência.
Não existe nada a ser conhecido além disso. O “Eu” não pode se transformar num objeto de conhecimento, de consciência. O “Eu” é a própria consciência.
Assim, você não pode se tornar um objeto para si mesmo. Quando isso acontece, surge a ilusão do “eu” autocentrado – porque mentalmente você fez de si mesmo um objeto. “Este sou eu”, você diz. A partir dessa afirmação, você passa a ter uma relação com você mesmo e a contar para os outros e para si mesmo a sua história.
Quando você sabe que é a consciência na qual a vida externa acontece, torna-se independente do que existe externamente e perde a necessidade de buscar sua identidade nos fatos, nos lugares e nas situações. Em outras palavras: as coisas que acontecem ou deixam de acontecer perdem a importância, perdem o peso e a gravidade. Sua vida passa a ter outra graça e leveza. O mundo é então visto como uma dança cósmica, a dança da forma – só isso.
Quando você sabe quem realmente é, tem uma enorme e intensa sensação de paz. Essa sensação poderia ser chamada de alegria, porque alegria é isto: uma paz vibrante e intensa. E a alegria de saber que seu ser é a própria essência da vida, antes de a vida assumir uma forma. E a alegria de Ser – de ser quem você realmente é.
Por Eckart Tolle

A Luz que Você É

Lembre-se do que eu disse. Que a nova espiritualidade, não será uma rejeição completa da antiga, mas uma expansão dela. Eliminará da antiga tudo que claramente não serve mais para você, e trará nova e mais profunda compreensão na sua antiga sabedoria.
Assim, o que encontrarão aqui já ouviram antes. Porém, agora vamos mais adiante, vamos passar para um nível mais profundo.
A maioria das religiões ensinou que você é ‘mais do que o corpo’. A mensagem é que você não é um corpo de modo algum. Você é a essência daquilo que soprou a vida no seu corpo.
Essa é a chave. Esse é o cerne da questão.
Você não é o seu corpo. Você é ilimitado e sem fim.
Essa é a verdade básica. A primeira causa. Tudo o mais tem novo significado quando esse significado se torna claro.
Você não é o seu corpo. Você é ilimitado e sem fim.
Você não é um conglomerado de ossos, músculos, tecidos e sistemas internos a que chamam de corpo. Não é isso Quem Você É.
Seu corpo é seu, mas não é você.
É um instrumento. Um aparelho. Um mecanismo que responde e reage de modo específico sob determinadas influências e quando sujeito a determinados estímulos.
Esse mecanismo pode ser danificado, ferido ou destruído, mas “você” não pode. Esse instrumento pode se tornar completamente inoperável, mas você não. Esse aparelho pode deixar de funcionar, mas você não pode.
O Princípio Básico da Vida da funcionalidade se expressa eternamente em como e por meio de você.
Alguns acreditam que é o corpo que o sustenta, que abriga a sua essência. Essa é a ideia: que o corpo abriga a Essência da Vida chamada alma. Isso não é correto. É a alma que abriga o corpo.
Sua alma não vive dentro do seu corpo. O contrário é que é o verdadeiro. Seu corpo vive dentro do campo de força que você chama de alma. Está contido dentro da configuração de energia, no interior da expressão localizada do Espírito Universal, que é a Essência de Quem Você É.
Esse campo de força, esse pacote de energia pulsante que envolve seu corpo, é as vezes, chamado de aura. É mais do que isso, muito mais do que você pode imaginar que é a aura, mas é uma boa imagem para sua primeira compreensão.
A parte que alguns consideram a alma é a própria energia da Vida, localizada e concentrada em um determinado ponto, no que você chama de Espaço-tempo contínuo. Essa Energia da Vida vibra e tremula, pulsa e brilha em volta de todos os objetos físicos do Universo. Dependendo da frequência da sua vibração, essa energia pode ás vezes ser vista. Pode também produzir outros efeitos como calor.
Alguns chamam esse brilho de Luz, Chama Eterna, Fonte, Alma ou outro nome qualquer condizente com a poesia usada. Na verdade é a Primeira Essência, a Substância-Base, o Material Básico de todas as coisas. Essa Luz é quem Você É.
Na sua incompreensão, vocês pensam que essa Luz se irradia de todos os objetos físicos. De fato, o processo é exatamente o oposto. A Luz irradia em todos os objetos físicos e desse modo, os cria. O campo de energia a que vocês chamam de luz, ou alma, envolve o objeto físico que o criou e se estende externamente desse objeto para a eternidade. Isto é, a energia jamais acaba. Não há nenhum lugar onde seu campo de energia pare e outro campo de energia comece. Isso significa que em nenhum lugar sua alma acaba e outra começa.
É como o ar em sua casa. Há vários cômodos separados, mas só um ar.
Essa é minha analogia para ajudar você a compreender. E eu não disse que no meu reino há muitas mansões?
O campo de força que é a sua alma se afina e se expande à medida que se expande, mas nunca desaparece completamente, nem deixa de existir. Em vez disso, se mistura e se funde com outros campos de força, formando outras concentrações localizadas e criando um padrão entrelaçado que se estende infinitamente. Estamos falando de um campo de força sem fronteiras. Estamos descrevendo uma alma que nunca se acaba.
Isto é de fato o que Você É.
Você É uma energia que nunca acaba no tempo ou no espaço.
Por Neale Donald Walsch
SOU O AGORA

Este exato momento agora é a única coisa da qual você jamais conseguirá escapar, o único fator constante em sua vida.
Aconteça o que acontecer, e por mais que sua vida mude, uma coisa é certa: é sempre o agora.
Se não for possível fugir do agora, por que não acolhê-lo e tratá-lo bem?
A divisão da vida em passado, presente e futuro é uma construção da mente, em última análise: ilusória.
Passado e futuro são formas pensamento, abstrações mentais.
passado só pode ser lembrado agora.
O que você lembra é um fato que aconteceu no agora e do qual você se lembra agora.
futuro, quando chega, é o agora.
Portanto, a única coisa real, a única coisa que sempre existe, é o agora.
Concentrar sua atenção no agora, não é negar o que é necessário em sua vida. É reconhecer o que é prioritário.
Depois, você poderá lidar mais facilmente com o que é secundário.
Veja o que é prioritário e faça do agora seu amigo, não seu inimigo. Reconheça-o, respeite-o. Quando o agora é a base e o foco principal de sua vida, ela flui com facilidade.
Sinta a vida em seu corpo.
Isso enraíza você no agora.
Enquanto não se responsabilizar por este exato momento – o agora – você não estará assumindo qualquer responsabilidade por sua vida.
É por isso que o agora é o único lugar onde a Vida pode ser encontrada.
agora é como é porque não pode ser de outro jeito.
Assumir responsabilidade por este momento presente é estar em harmonia com a vida.
Quando você passa a dar atenção ao agora, cria-se um estado de alerta. É como se você acordasse de um sonho, o sonho do pensamento, o sonho do passado e do futuro.
É tão claro é tão simples.
Não sobra lugar para criar problemas.
Só esse momento, tal como ele é.
Quando concentra sua atenção no agora, você se dá conta de que a vida é sagrada. Existe algo de sagrado em tudo que você percebe quando se encontra no presente. Quanto mais você viver no agora, mais vai sentir a simples e profunda alegria de SER e do caráter sagrado da Vida.
A maior parte das pessoas confunde o agora com o que acontece no agora. Mas não é isso.
agora é mais profundo do que qualquer conteúdo que ocorre nele.
É o espaço no qual tudo acontece.
Você sempre ignora o fato mais óbvio: o seu sentido mais profundo de ser não tem nada a ver com o que acontece na sua vida, nada a ver com o conteúdo de sua vida.
O sentido de ser, de Eu Sou, está intimamente ligado ao agora.
Ele sempre permanece o mesmo.
Na infância e na velhice, na saúde ou na doença, no sucesso ou no fracasso, o Eu Sou, o espaço do agora permanece imutável no nível mais profundo. Mas como ele costuma se confundir com o que acontece em sua vida, você sente o Eu Sou ou o agora muito tênue e indiretamente, através do conteúdo da sua vida.
Em outras palavras: sua noção de ser fica obscurecida pelas circunstâncias, por sua corrente de pensamento e pelos inúmeros fatos que ocorrem no mundo à sua volta.
agora fica encoberto pelo tempo.
No entanto, é tão simples lembrar a verdade e dessa forma voltar às origens.
Eu não sou os meus pensamentos, não sou minhas emoções, minhas percepções sensoriais e minhas experiências.
Não sou o conteúdo da minha vida.
Sou o espaço onde todas as coisas acontecem.
Eu sou a consciência.
Sou o Agora.
Por Eckhart Tolle 
O ESPELHO É VOCÊ
Três mil anos atrás, havia um ser humano, como eu e você, que vivia perto de uma cidade cercada de montanhas. O ser humano estudava para tornar-se xamã, para aprender a sabedoria de seus ancestrais, mas não concordava completamente com tudo aquilo que aprendia. Em seu coração, sentia que existia algo mais.
Um dia, enquanto dormia numa caverna, sonhou que viu o próprio corpo dormindo. Saiu da caverna numa noite de lua nova. O céu estava claro, e ele enxergou milhares de estrelas. Então algo aconteceu dentro dele que transformou sua vida para sempre. Olhou para suas mãos, sentiu seu corpo e escutou sua própria voz dizendo: “Sou feito de luz; sou feito de estrelas”.
Olhou novamente para as estrelas e percebeu que não eram as estrelas que criavam a luz, mas antes a luz que criava as estrelas. “Tudo é feito de luz”, acrescentou ele, “e o espaço no meio não é vazio.” E ele soube tudo o que existe num ser vivo, e que a luz é a mensageira da vida, porque está viva e contém todas as informações.
Então compreendeu que embora fosse feito de estrelas, ele não era essas estrelas. “Sou o que existe entre as estrelas” pensou. Então chamou as estrelas de tonal e a luz entre as estrelas, de nagual, e soube que o que criava a harmonia e espaço entre os dois é a Vida ou intenção. Sem a Vida, o tonal e o nagual  não poderiam existir. A Vida é a força do absoluto, do supremo, do Criador que cria tudo.
Foi isso o que ele descobriu: tudo o que existe é uma manifestação do ser que denominamos Deus. Tudo é Deus. E ele chegou à conclusão de que a percepção humana é apenas a luz que percebe a luz. Também viu que a matéria é um espelho – tudo é um espelho que reflete a luz e cria imagens dessa luz – e o mundo da ilusão, o Sonho, é apenas fumaça que não permite que enxerguemos quem realmente somos. “O verdadeiro nós é puro amor, pura luz”, disse ele.
Essa compreensão mudou sua vida. Uma vez que ele soube quem realmente era, olhou ao redor para os outros seres humanos e para o restante da natureza e ficou surpreso com o que viu. Viu a ele mesmo em tudo – em cada ser humano, em cada animal, em cada árvore, na água, na chuva, nas nuvens, na terra. E viu que a Vida misturava o tonal e o nagual de formas diferentes para criar bilhões de manifestações da Vida.
Naqueles poucos momentos ele compreendeu tudo. Ficou muito excitado, e seu coração encheu-se de paz. Mal podia esperar para contar ao seu povo o que descobrira. Mas não havia palavras para explicar. Tentou falar com os outros, mas eles não conseguiam entender. Eles perceberam que o homem havia mudado que algo bonito se irradiava dos olhos e da voz dele. Repararam que ele não julgava mais as coisas e as pessoas. Ele não era mais como os outros.
Ele entendia os outros muito bem, mas ninguém conseguia entendê-lo. Acreditavam que ele fosse a encarnação viva de Deus, e ele sorriu quando escutou isso, e lhes disse: É verdade. Sou Deus. Mas vocês também são Deus. Somos o mesmo, vocês e eu. Somos imagens de luz. Somos Deus”. Mesmo assim, as pessoas não o entenderam.
Havia descoberto que era um espelho para as outras pessoas, um espelho no qual podia observar a si mesmo. “Todo mundo é um espelho, disse ele. Viu a si mesmo em todos,mas ninguém o viu como eles mesmos. Então compreendeu que todos estavam sonhando, mas sem consciência, sem saber o que realmente eram. Não podiam enxergá-lo como eles mesmos porque havia uma parede de nevoeiro entre os espelhos. E essa parede era construída pela interpretação das imagens de luz – o Sonho dos seres humanos.
Então ele percebeu que logo iria esquecer tudo o que aprendera. Queria lembrar-se de todas as visões que tivera; portanto, decidiu chamar a si mesmo de Espelho Enevoado, para que sempre soubesse que a matéria é um espelho e que a névoa do meio é o que nos impede de saber quem somos. Ele disse: “Sou o Espelho Enevoado, porque estou vendo a mim mesmo em todos vocês, mas nós não reconhecemos um ao outro por causa do nevoeiro entre nós. Esse nevoeiro é o Sonho, e o espelho é você, o sonhador”.
”É fácil viver com os olhos fechados, entendendo errado tudo o que você vê… ”                                                              John Lennon

Por Don Miguel Ruiz – Os quatro compromissos

DEUS INTERFERE NA VIDA DAS PESSOAS?

Entrevista com o Prof. Ergom Abraham 

Ergom: De forma alguma! Isso não passa de uma concepção infantil sobre o Criador. Pense bem... Se hoje até fábricas pequenas estão sendo todas automatizadas, como pode um ser tão grandioso ter que cuidar de tudo pessoalmente. Ele criou Leis Universais que a tudo controlam de forma automática. É para isso que existe uma imensa hierarquia e não digo isso para que você imagine uma hierarquia dentro dos padrões humanos, porque estaríamos novamente humanizando ou reduzindo infinitamente aquilo que é imensamente grande.

Pense mais um pouco... Sua mente precisa controlar as batidas do seu coração? Precisa controlar a sua respiração? Precisa controlar a sua digestão? Precisa controlar o nascimento de novas células? 
A resposta para todas essas perguntas e possivelmente milhares de outras semelhantes é NÃO!

Pergunta: Então porque, “cargas d’água” acreditamos desde sempre que o Criador que interfere em nossas vidas?

Ergom: Da mesma forma, as coisas acontecem sempre dentro de suas Leis, que nada mais são do que “esquemas programados e formatados exatamente como um computador analógico”. Tudo está, existe e funciona dentro de um esquema pré-estabelecido e determinado. Se não ele não seria perfeito...

Na verdade, Ele não criou o Ser humano, Ele ainda o está criando. Ele apenas criou a centelha ou Chispa Divina que é você em essência, uma semente cósmica. Essa “semente” é o chamado “Corpo Instintivo”. Ela é como um computador que você acabou de comprar e que está instalado apenas com a plataforma Windows. Ou seja, com suas funções básicas de fome, digestão, certos movimentos, abrir e fechar os olhos, enxergar, etc. Enfim, com os cinco sentidos. Esses são as 5 ferramentas básicas do seu corpo. Você já me entendeu...

Agora, os programas ou softwares é você que instala com a ajuda dos seus pais, inicialmente. Quando você aprende a falar as primeiras palavras você estará instalando um software, quando você aprende a andar já é mais um e vai assim em diante por toda a vida. 

Pergunta: E o destino?
Quem direciona o seu destino, é você mesmo. Você decide o que faz com todas essas ferramentas. Suas emoções, seus sentimentos, etc. são conquistas suas. Se você faz bom ou mau uso disso tudo é problema exclusivamente seu. 

Todos possuem um único destino final: A CONSCIÊNCIA CRÍSTICA. Um dia você chegará lá. Se for por um caminho reto (retidão) ou pelos caminhos tortuosos oscilando entre as polaridades do bem e do mal, isso é você quem decide. Por um você chega mais rápido e pelo outro demorará muito mais e correrá muito mais riscos. Sofrerá muito e fará outros sofrerem. Mas tanto a alegria que você sentir ou o sofrimento, ambos são muito válidos para o seu amadurecimento.

Pergunta: Deus perdoa?

Ergom: Deus não perdoa, não castiga, não se vinga, não mata, não, não e não!

Tudo isso são apenas paradigmas que já vem do passado. Crenças infantis que nasceram da ignorância sobre as Leis Espirituais. Mas já passa da hora das pessoas amadurecerem interiormente. Entenderem a realidade, assumirem a responsabilidade pelas suas escolhas e decisões. O Ser humano somente dará um salto realmente quântico para um nível superior de consciência, quando deixar de ser somente instintivo. Mas não deve perder ou renegar seus instintos. Deve aprender a conciliar o instinto e a Consciência. 

Quando esse dia chegar, sua mente brilhará intensamente, pois estará havendo uma união entre Criador e Criatura. Após isso, deixará de viver pela prédica da Lei e passará a vivencia-la.

Então poderá olhar no espelho da sua alma e ver que ele é o próprio Criador que está fluindo entre suas células, experienciando a Unidade da sua própria Criação. Seu Eu Maior e Supremo e seu Eu Instintivo estarão se completando através dos outros Eus que você é: Eu subconsciente, Eu Semiconsciente, Eu Consciente e o Eu Autoconsciente. 

Você entenderá então que você é UM, uma UNIDADE e que o seu Criador é a UNIDADE que você é. Que não existe mais nada neste Universo além do Criador, tudo o que foi criado por Ele, é Ele! 

E Ele vive e se manifesta através da sua própria criação, flui através dela, sendo a vida e a morte, o Ser e o não Ser, a alegria e a tristeza, a paz e a guerra, a saúde e doença, tudo, absolutamente tudo, são apenas aspectos que você terá ainda que entender. Mas que ainda terá milênios para isso.

Por hora, apenas entenda que você e a Consciência Criadora Universal são apenas UM. 

O restante você irá descobrindo na medida em que for assimilando essa verdade.

É dessa forma que Deus participa da sua vida, mas não interfere nas suas escolhas. Ele não quer escravos obedientes, mas quer filhos conscientes, despertos e poderosos, que saibam usar a Cruz e a Espada, agindo sempre dentro do Trielo perfeito da Sabedoria maior: Amor – Sabedoria - Poder.

VOCÊ É ÚNICO, EXCLUSIVO E PERFEITO EM ESSÊNCIA. Apenas precisa se limpar da sujeira que tem acumulado em suas caminhadas evolutivas acreditando que era um pecador. Cada um é o que imagina ser. 

As provações da vida nada mais são que testes técnicos para o seu Ser saber se você está pronto para mais uma missão e a sua maior missão, entre todas, é a de você descobrir quem você é. Agora você já sabe que você é Deus, mas ainda levará um bom tempo para você assimilar em todos os seus EUS. Mas não se preocupe, pois você tem todo o tempo do Universo para isso. Não se esqueça, a Vida que você é, é eterna!
Assim é!

O VERDADEIRO Eu

Através do ego a sociedade controla você. Você tem que se comportar de certa maneira, porque somente assim a sociedade irá apreciá-lo. Você tem que caminhar desse jeito, você tem que rir assim, você deve seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente assim a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você não sabe onde está você não sabe quem você é.
Os outros lhe deram a ideia. E essa ideia é o ego. Tente entendê-lo o mais profundamente possível, porque ele tem que ser jogado fora. E a não ser que você o jogue fora, nunca será capaz de alcançar o Eu. Por estar viciado no falso centro, você não pode se mover, e você não pode olhar para o Eu. E lembre-se: vai haver um período intermediário, um intervalo, quando o ego estará se despedaçando, quando você não saberá quem você é, quando você não saberá para onde está indo; quando todos os limites se dissolverão. Você estará simplesmente confuso, um caos.
Devido a esse caos, você tem medo de perder o ego. Mas tem que ser assim. Temos que passar através do caos antes de atingir o centro verdadeiro. E se você for ousado, o período será curto. Se você for medroso e novamente cair no ego, e novamente começar a ajeitá-lo, então, o período pode ser muito, muito longo; muitas vidas podem ser desperdiçadas…
Até mesmo o fato de ser infeliz lhe dá a sensação de “eu sou”. Afastando-se do que é conhecido, o medo toma conta; você começa sentir medo da escuridão e do caos – porque a sociedade conseguiu clarear uma pequena parte de seu ser… É o mesmo que penetrar numa floresta. Você faz uma pequena clareira, você limpa um pedaço de terra, você faz um cercado, você faz uma pequena cabana; você faz um pequeno jardim, um gramado, e você sente-se bem. Além de sua cerca – a floresta, a selva. Mas aqui dentro tudo está bem: você planejou tudo.
Foi assim que aconteceu. A sociedade abriu uma pequena clareira em sua consciência. Ela limpou apenas uma pequena parte completamente, e cercou-a. Tudo está bem ali. Todas as suas universidades estão fazendo isso. Toda a cultura e todo o condicionamento visam apenas limpar uma parte, para que ali você possa se sentir em casa.
E então você passa a sentir medo. Além da cerca existe perigo.
Além da cerca você é, tal como você é dentro da cerca – e sua mente consciente é apenas uma parte, um décimo de todo o seu ser. Nove décimos estão aguardando no escuro. E dentro desses nove décimos, em algum lugar, o seu centro verdadeiro está oculto.
Precisamos ser ousados, corajosos. Precisamos dar um passo para o desconhecido.
Por certo tempo, todos os limites ficarão perdidos. Por certo tempo, você vai se sentir atordoado. Por certo tempo, você vai se sentir muito amedrontado e abalado, como se tivesse havido um terremoto.
Mas se você for corajoso e não voltar para trás, se você não voltar a cair no ego, mas for sempre em frente, existe um centro oculto dentro de você, um centro que você tem carregado por muitas vidas. Esse centro é a sua alma, o Eu.
Uma vez que você se aproxime dele, tudo muda tudo volta a se assentar novamente. Mas agora esse assentamento não é feito pela sociedade. Agora, tudo se torna um cosmos e não um caos nasce uma nova ordem. Mas essa não é a ordem da sociedade – essa é a própria ordem da existência.
É o que Buda chama de Dhamma*, Lao Tzu chama de Tao, Heráclito chama de Logos. Não é feita pelo homem. É a própria ordem da existência. Então, de repente tudo volta a ficar belo, e pela primeira vez, realmente belo, porque as coisas feitas pelo homem não podem ser belas. No máximo você pode esconder a feiura delas, isso é tudo. Você pode enfeitá-las, mas elas nunca podem ser belas…
O ego tem uma certa qualidade: a de que ele está morto. Ele é de plástico. E é muito fácil obtê-lo, porque os outros o dão a você. Você não precisa procurar por ele; a busca não é necessária. Por isso, a menos que você se torne um buscador à procura do desconhecido, você ainda não terá se tornado um indivíduo. Você é simplesmente mais um na multidão. Você é apenas uma turba. Se você não tem um centro autêntico, como pode ser um indivíduo?
O ego não é individual. O ego é um fenômeno social – ele é a sociedade, não é você. Mas ele lhe dá um papel na sociedade, uma posição na sociedade. E se você ficar satisfeito com ele, você perderá toda a oportunidade de encontrar o Eu. E por isso você é tão infeliz. Como você pode ser feliz com uma vida de plástico? Como você pode estar em êxtase ser bem-aventurado com uma vida falsa?  E esse ego cria muitos tormentos. O ego é o inferno. Sempre que você estiver sofrendo, tente simplesmente observar e analisar, e você descobrirá que, em algum lugar, o ego é a causa do sofrimento. E o ego segue encontrando motivos para sofrer…
E assim as pessoas se tornam dependentes, umas das outras. É uma profunda escravidão. O ego tem que ser um escravo. Ele depende dos outros. E somente uma pessoa que não tenha ego é, pela primeira vez, um mestre; ele deixa de ser um escravo.
Tente entender isso. E comece a procurar o ego – não nos outros, isso não é da sua conta, mas em você. Toda vez que se sentir infeliz, imediatamente feche os olhos e tente descobrir de onde a infelicidade está vindo, e você sempre descobrirá que o falso centro entrou em choque com alguém.
Você esperava algo e isso não aconteceu. Você espera algo e justamente o contrário aconteceu – seu ego fica estremecido, você fica infeliz. Simplesmente olhe, sempre que estiver infeliz, tente descobrir a razão.
As causas não estão fora de você.
A causa básica está dentro de você – mas você sempre olha para fora, você sempre pergunta: ‘Quem está me tornando infeliz?’ ‘Quem está causando a minha raiva?’ ‘Quem está causando a minha angústia?’
Se você olhar para fora, você não perceberá. Simplesmente feche os olhos e sempre olhe para dentro. A origem de toda a infelicidade, da raiva e da angústia, está oculta dentro de você, é o seu ego.
E se você encontrar a origem será fácil ir além dela. Se você puder ver que é o seu próprio ego que lhe causa problemas, você vai preferir abandoná-lo – porque ninguém é capaz de carregar a origem da infelicidade, uma vez que a tenha entendido.
Mas lembre-se, não há necessidade de abandonar o ego. Você não o pode abandonar. E se você tentar abandoná-lo, simplesmente estará conseguindo um outro ego mais sutil, que diz: ‘tornei-me humilde’…
Todo o caminho em direção ao divino, ao supremo, tem que passar através desse território do ego. O falso tem que ser entendido como falso. A origem da miséria tem que ser entendida como a origem da miséria – então ela simplesmente desaparece. Quando você sabe que ele é o veneno, ele desaparece. Quando você sabe que ele é o fogo, ele desaparece. Quando você sabe que esse é o inferno, ele desaparece.
E então você nunca diz: ‘eu abandonei o ego’. Você simplesmente irá rir de toda essa história, dessa piada, pois você era o criador de toda essa infelicidade…
É difícil ver o próprio ego. É muito fácil ver o ego nos outros. Mas esse não é o ponto, você não os pode ajudar.
Tente ver o seu próprio ego. Simplesmente o observe.
Não tenha pressa em abandoná-lo, simplesmente o observe. Quanto mais você observa, mais capaz você se torna. De repente, um dia, você simplesmente percebe que ele desapareceu. E quando ele desaparece por si mesmo, somente então ele realmente desaparece. Porque não existe outra maneira. Você não pode abandoná-lo antes do tempo. Ele cai exatamente como uma folha seca.
Quando você tiver amadurecido através da compreensão, da consciência, e tiver sentido com totalidade que o ego é a causa de toda a sua infelicidade, um dia você simplesmente vê a folha seca caindo… e então o verdadeiro centro surge.
E esse centro verdadeiro é a alma, o Eu, o deus, a verdade, ou como quiser chamá-lo. Você pode lhe dar qualquer nome, aquele que preferir.”
Por OSHO, Além das Fronteiras da Mente
A BUSCA DO EGO PELA PLENITUDE 

Um outro aspecto do sofrimento emocional é uma profunda sensação de falta, de incompletude, de não se sentir inteiro. Em algumas pessoas isso é consciente, em outras, não. Quando está consciente, a pessoa tem uma sensação inquietante de que não é respeitada ou boa o bastante. Na forma inconsciente, essa sensação se manifesta indiretamente como um anseio, uma necessidade ou uma carência intensa. Em ambos os casos, as pessoas podem acabar buscando compulsivamente uma forma de gratificar o ego e preencher o buraco que sentem por dentro. Assim, empenham-se em possuir propriedades, dinheiro, sucesso, poder, reconhecimento ou um relacionamento especial, para se sentirem melhor e mais completas. Porém, mesmo quando conseguem todas essas coisas, percebem que o buraco ainda está ali e não tem fundo. As pessoas vêem, então, que estão realmente em apuros, porque não podem mais se enganar. Na verdade, elas continuam tentando agir como antes, mas isso se torna cada vez mais difícil.

Enquanto o ego dirige a nossa vida, não conseguimos nos sentir à vontade, em paz ou completos, exceto por breves períodos, quando acabamos de ter um desejo satisfeito. O ego precisa de alimento e proteção o tempo todo. Tem necessidade de se identificar com coisas externas, como propriedades, status social, trabalho, educação, aparência física, habilidades especiais, relacionamentos, história pessoal e familiar, ideais políticos e crenças religiosas. Só que nada disso é você. 

Levou um susto? Ou sentiu um enorme alívio? Mais cedo ou mais tarde, você vai ter que abrir mão de todas essas coisas. Pode ser difícil de acreditar, e eu não estou aqui pedindo a você que acredite que a sua identidade não está em nenhuma dessas coisas. Você vai conhecer por si mesmo a verdade, lá no fim, quando sentir a morte se aproximar. Morte significa um despojar-se de tudo o que não é você. O segredo da vida é “morrer antes que você morra” – e descobrir que não existe morte. 

Por Eckhart Tolle - O Poder do Agora
TORNANDO-SE MENOS PARA SER MAIS

O espaço interior surge sempre que deixamos de lado a necessidade de enfatizar nossa identificação com a forma. Isso é algo requerido pelo ego. Não é uma carência genuína. Toda vez que abrimos mão de um padrão de comportamento que leva a isso, criamos espaço interior. Reforçamos quem somos nós de verdade. Para o ego, é como se estivéssemos nos perdendo de nós mesmos, porém ocorre o oposto. Jesus ensinou que precisamos nos perder para nos encontrar. Quando abandonamos um desses padrões, atenuamos o destaque de quem somos no nível da forma. Assim, quem somos além da forma emerge de maneira mais plena. Como nos tornamos menos, podemos ser mais.

Vou mencionar alguns comportamentos que as pessoas adotam inconscientemente para fortalecer a sua identidade com a forma. Se você estiver alerta o bastante, será capaz de detectar alguns deles dentro de si mesmo: exigir reconhecimento por alguma coisa que fez e indignar-se ou aborrecer-se quando não o consegue; tentar obter atenção falando sobre os seus problemas pessoais, contando a história da própria doença ou fazendo uma cena; dar uma opinião quando ninguém a pede e ela não faz diferença para a situação; ser mais preocupado com o modo como é visto pelas pessoas do que com elas, isto é, usá-las como um reflexo do ego ou como um instrumento para relação o ego; tentar causar impressão nos outros por meio de bens, conhecimentos, boa aparência, posição social, etc.; inflar temporariamente o ego adotando uma reação irada contra alguma coisa ou alguém; levar tudo para o lado pessoal e sentir-se ofendido; considerar-se certo e os outros errados por meio de queixas fúteis, mentais ou verbais; querer ser visto ou parecer importante.
Caso você detecte um desses padrões em si mesmo, sugiro que faça uma experiência. Descubra como se sente e o que ocorre se o abandonar. Simplesmente descarte-o e veja o que acontece.
Por Eckhart Tolle
PAZ INTERIOR, A MUDANÇA ESTÁ EM NÓS

“Não precisamos olhar muito longe para vermos exemplos de inquietação e conflitos, eles estão em nossas comunidades, sociedade, no mundo como um todo. Há um excesso de ansiedade e inquietação, e não é o que nós dizemos e queremos que fará com que isso mude, mas o que nós somos.

Ao invés de olhar à nossa volta e dizer que não há paz suficiente, precisamos olhar para dentro de nós e descobrir se temos ou não paz interior. Quando nós conseguirmos alcançar paz em nossa própria vida, então gradualmente a paz prevalecerá em nossa sociedade. Nós podemos nos tornar faróis da paz iluminando o caminho para a felicidade dos outros.

Parece uma fórmula muito simples, no entanto o mistério se encontra em como fazer. Talvez uma das coisas mais difíceis de se alcançar, ou nós costumamos pensar que é. É fácil olhar ao redor e identificar caminhos pelos quais a sociedade poderia ser pacífica, envolvendo principalmente outras pessoas mudando para se tornar o que nós gostaríamos que fossem. É muito mais difícil olhar para dentro e ver o que nós precisamos mudar em nossas vidas para que possamos estar em paz em nosso coração.

Vamos explorar algumas ideias, que podem ser consideradas, para trazermos paz interior. São apenas algumas possibilidades das várias possíveis que podemos por em prática. Talvez, algumas delas vocês já devem ter parado para pensar ou talvez, algumas sejam novidades.

A primeira consiste em tomar toda e completa responsabilidade pelo modo que agimos e reagimos. Ninguém ou nenhuma coisa faz você agir de uma forma específica. Você escolhe a maneira como se comporta. É de sua responsabilidade decidir como você será e, portanto como irá agir. Focar em ser e agir de acordo com a sua essência, pode mudar a maneira como você reage às outras pessoas e como você age sob diversas circunstâncias no dia a dia.

Conheça sua essência ao contrário de conhecer seu Ego, suas necessidades ou sua história passada. Separe um tempo para conhecer quem você realmente é; quais são suas paixões, suas alegrias, seus valores, seus objetivos. Esta é uma longa jornada de autoconhecimento, uma viagem que não tem atalhos. Identificar quais são seus valores te ajudará a entender o que será preciso para mantê-los. Muitas vezes na vida, justamente por não estarmos suficientemente consciente do nosso verdadeiro eu, agimos sob falsas necessidades.

A segunda consiste em abandonar a droga da vez de nossa sociedade, a adrenalina. Parece que todos nós temos sucumbido à necessidade das coisas acontecerem sempre muito rápido, e estimular que a nossa vida se acelere junto. Viver no limite tem se tornado para muitos o que determina se estamos ou não realmente vivos, se estamos na realidade. Parece que, se não estamos fazendo na máxima velocidade, com o máximo de excitação, então nós, de alguma maneira, não estamos vivos ou não somos reais.

Por não nos conhecermos, ou por estarmos tão desconfortáveis em conviver com nosso eu verdadeiro, mascaramos isto com entusiasmo e excitação. Esteja confortável com você mesmo. Seja o que for que estiver desconfortável, mude. E o lugar para começar a mudança é internamente.
Isto leva à próxima sugestão, que tem a ver com o que te perturba. Existe uma razão para você agir e reagir da maneira que faz. E a razão não está fundamentada fora, mas dentro de você. Conheça a verdade dentro de si mesmo, ela está por trás destas questões que te incomodam. Às vezes, a verdade dura e fria é que você está vendo nos outros as coisas que você não gosta em si mesmo mas que é incapaz de mudar internamente. Nosso ambiente é um reflexo do nosso próprio eu.

Finalmente, priorize sua vida. Pense sobre o restante de seus dias de vida. Vá em frente e faça uma estimativa de quantos dias você espera viver, quantos dias de vida te restam. Agora, como você gostaria de passar esses dias? Você quer que sua vida seja uma soma de coisas realizadas, listas de tarefas concluídas, o tempo gasto correndo atrás de coisas e coisas acumuladas? Ou você prefere olhar para trás e ver uma vida com grandes relacionamentos, experiências maravilhosas, paz e tranquilidade?

O impacto que a sua vida tem nos outros é extremamente subestimado. Sua paz interior, sua calma, seu contentamento ou a falta destas coisas, se espalham ao seu redor. Você pode gerar um impacto significativo no seu ambiente através de mudanças que você realiza em sua vida.

Não é fácil fazer este tipo de mudança, no entanto há um grande benefício em fazer até mesmo uma pequena destas mudanças.”

Por Icaro Matias - *tradução livre do texto Inner Peace, do rev. Ryusho Shonin, da Nichiren Shu
É suficiente SER quem você é

Você não precisa ser “do jeito tal”, ou “do jeito certo”, nem deve temer ser ou temporariamente estar “do jeito errado”. Você só precisa “Ser”, deixar-se agir como sentir ser melhor, como você verdadeiramente é, mas sem “jeitos”, sem “modos” (ou modelos) de ser. Modelos de como ser, agir ou fazer são como moldes: delimitam e estreitam espaço para servirem como armazenadores de conteúdo – um conteúdo que após entrar no molde se estagnará pelas suas paredes, ficará retido e imutável. Com o tempo você não vai agüentar o apertado do molde, e vai querer sair.
Pode surgir nervoso, tensão muscular, dor de cabeça, ar insuficiente, apertos no peito, sensação de “falta de saída”, falta de espaço, desespero, prisão. Tudo começa a parecer apertado, insuficiente, com expressões do “ruim” (incômodo) e a respiração por vezes fecha-se nas narinas, incha-as com a desculpa de rinites e alergias.
Remédio: todo dia no início da manhã e à noite: sente-se em posição mais ereta, porém agradável, relaxadamente, olhando reto para frente (linha imaginária do horizonte), feche os olhos e comece a mentalmente dizer para você: “eu só preciso Ser... só Ser... eu sou bom do jeito que sou... e já é o suficiente... eu só sou... eu só sou... eu só sou... sou o que sou, e isso basta... sou o que sou, e isso basta...”. Repita quantas vezes quiser, com lucidez, prestando a atenção e sentindo o que está dizendo. Solte, solte tudo enquanto sente e deixe-se relaxar mais e mais sem perder a lucidez e presença no momento. Se perder, volte tranquilamente e recomece a dizer e a sentir.
As narinas destampam e as dores na cabeça e no peito reduzem e somem. A quantidade de melhora será tão expressiva quanto for a sua entrega a esta meditação. Depois, ao longo do dia, atenção a si mesmo para simplesmente Ser o que você é e aceitar isso como sua maior verdade. Se voltar a causar pela tensão de ser diferente do que é, tudo poderá voltar (tensão, preocupação, ansiedade), pois ainda está muito latente, não fixou. Treine-se para simplesmente Ser, seja lá como for, mas na certeza da suficiência para a Vida de você ser o que realmente é no fundo (coração), mesmo apesar de ainda ter a impressão que devia ser algo padrão ou artificial. Seja lá qual tendência de comportamento, ela passará e se perderá na maravilhosa sensação de liberdade de ser só e exatamente quem você verdadeiramente é.
Por Rudolfo Pacheco

SOMOS CRIADORES

Nosso subconsciente trabalha na materialização de nossas crenças. Ele não tem senso de humor. Faz sempre o que acreditamos. Não falha. Dessa forma, o fracasso não existe. Você foi sempre um sucesso! Sua vida é obra sua. Você é responsável por suas experiências. Mesmo aquelas que parecem não depender de você foram atraídas por sua forma de pensar.

As coisas não vão bem? Só colhe infelicidade? É hora de perceber como você consegue fazer isso. Certamente não escolheu a atitude adequada para obter bons resultados. Mudando essa atitude, tudo se modificará.

A vida deseja que você desenvolva seus potenciais de espírito eterno e aprenda a ser feliz. A felicidade é nosso destino e só o bem é verdadeiro. Para nos ensinar isso, a vida programa nossas experiências de acordo com nossas necessidades. Através do resultado dessas experiências conquistamos a sabedoria.

Na queixa há sempre uma justificativa para continuarmos a ser como somos, mas há também uma autoimagem negativa. Você pensa que não pode fazer nada, que é incapaz e não merece. Conforma-se em ser pobre, em ficar em segundo plano, em pensar primeiro nos outros (“é feio pensar em você primeiro”). Acha que, para você ter, outros terão que dar e perder. Como se Deus fosse pobre e tão limitado que para dar a uns teria que tirar de outros. Esses pensamentos são altamente depressivos e atraem infelicidade.
Seu subconsciente obedece às mensagens que você lhe envia. Você tem todo o poder de criar seu próprio destino. Se desejar viver melhor, reconheça isso.
Faça uma lista de suas crenças e até das frases que costuma dizer. Se puser atenção e for sincero, logo vai perceber quais as crenças que são responsáveis por sua infelicidade. Não pense mais nelas. Esqueça-as. Quanto mais se preocupar em eliminá-las, mais pensará nelas e as alimentará.

Trate de cultivar o oposto. Faça afirmações positivas sempre usando o presente. Exemplo: “Eu sou feliz”, “Tenho muita sorte”, “Minha saúde está cada dia melhor”, etc. Escreva-as e espalhe-as em sua casa, nos lugares onde você possa vê-las constantemente. Repita-as várias vezes por dia.
Mas não se esqueça de pôr emoção nelas, acreditar realmente no que afirmar. Ignore aquela vozinha que lhe diz que não vai funcionar. Não custa nada experimentar.

Lembre-se de que todos os problemas de sua vida foram criados por você. Você foi, é e sempre será um sucesso. Suas escolhas podem ter dado um resultado diverso do que você esperava, mas você conseguiu materializa-las. Refletem o que você crê, e o que você crê seu subconsciente materializa... Pense nisso.

Por Zíbia Gasparetto
LEI DO DISTANCIAMENTO

Para se conseguir qualquer coisa, é preciso desistir do apego a ela.
Você não desiste da intenção e não desiste do desejo.
Abandona apenas o apego aos resultados.
No momento em que isso acontece, misturando, simultaneamente, intenção uni-direcionada com distanciamento, terá tudo o que deseja.
A fonte da riqueza, da abundância, de qualquer coisa no mundo físico é o Eu, é a consciência que sabe como satisfazer todas as necessidades.
Distanciamento é sinônimo de consciência rica porque ele oferece a liberdade para criar. Para viver esta experiência você tem de estar apoiado na sabedoria da incerteza.
A incerteza é terreno fértil para a criatividade e para a liberdade.
O desconhecido é o campo de todas as possibilidades, sempre aberto para a criação de novas manifestações.
Não é preciso ter uma ideia do que você vai estar fazendo nas próximas semanas, ou no ano que vem, porque se você já sabe o que vai acontecer e se apega a essa ideia, abre mão de toda gama de possibilidades.
Uma das características do campo de todas as possibilidades são as correlações infinitas. Esse campo consegue reger uma infinidade de eventos no tempo-espaço para conseguir os resultados pretendidos. 
Por Deepak Chopra
NÃO JULGAR OS OUTROS É PRECISO

Sempre somos tentados ao julgamento, procurar defeitos e erros nos outros. É o grande problema do ser humano hoje. Não somos perfeitos, sempre estamos julgando e raramente alguém deixa de julgar. Independente de religião ou crença. O caminho mais rápido para deixar de julgar é desenvolver a compaixão e utilizar o poder do agora.


Não julgar os outros é não olhar seus defeitos, sua roupa, sua crença ou ficar discutindo com o outro por qualquer que seja o problema. O que é defeito para você, pode não ser para outra pessoa. Você deve respeitar e segurar a tentação de agir com o pensamento de julgar.

A diferença existe para ser respeitada e para aprendermos uns com os outros. Caminhos diferentes servem para mostrar um novo mundo a cada pessoa. Se a vida fosse igual para todos nós, ela seria muito chata. Por isso não devemos julgar os outros achando que somos os donos da verdade. Cada um possui seus motivos para fazer acontecer, fazer dar certo.

A humildade começa quando entendemos que os outros são bons como nós e que também possuem o direito de errar. O poder do agora pode ajudar a não julgar os outros. Quando aprendemos o poder do agora, somos capazes de observar pessoas, objetos e animais sem julgar. No poder do agora só existe a contemplação e não existe o julgar os outros.

O respeito começa quando entendemos que os outros não precisam pensar ou viver o mesmo que nós para ter uma vida boa. Não precisam fazer o mesmo que nós e não estão errados por fazer diferente. São pessoas com experiências de vida totalmente diferente. O que deu errado para você pode dar certo para outro. E se ficarmos julgando os outros, eles podem perder toda a experiência necessária para vencer na vida.

Julgar os outros é arrogância e falta de humildade. Você não sabe o que é melhor para os outros. Nem deve ter inveja por algo conquistado por alguém próximo. Se deu certo para você e não para ele, é porque precisava acontecer.

Agora depende de você não julgar os outros e aceitar experiências diferentes. Seu crescimento espiritual será muito maior e pode até aprender com a vitória alheia. Aprender que até os hábitos errados dos outros podem dar certo. E que a inveja é algo que não leva ninguém a lugar algum. Só leva ao caminho da derrota e fracasso.

Não julgue os outros!

Por Edu Campos
O PODER DO AGORA

Nunca é fácil prestar atenção no presente, no momento em que estamos vivendo. Pensamentos estão povoando nossas mentes, brotando aos montes, quase sempre estamos pensando em algo. Se não houver silêncio na mente, nós não podemos aproveitar o tempo presente

A meditação é uma prática que consiste em esvaziar a mente, prestar atenção no momento presente e sentir o silêncio, o vazio, sem pensamentos atrapalhando. Uma variação dessa meditação é prestar atenção ao ambiente, ao que estamos fazendo, nos nossos corpos. Você está sentado, consegue sentir seus pés? A sensação de estar com eles encostados no chão? E sua cabeça, consegue estar consciência do seu couro cabeludo? O vento batendo no seu rosto?

Tudo isso é meditar, é usar o Poder do Agora!

Estar consciente em cada minuto do dia. Fazer suas tarefas com atenção. Não ficar preso em pensamentos, mas com foco no momento presente, no agora. É algo que devemos pensar, usar e abusar. O tempo não existe, os dias não existem, nós criamos o significado, horas, dias e meses! Mas se puder perceber, só existe o agora. Tente imaginar que não existe relógio, o céu ia escurecer de noite, de dia ia clarear, mas você só ia ter noção do agora, do que está vivendo.

Vivemos a maior parte do tempo em pensamentos, não aproveitamos a vida como realmente é. Estamos confusos com nossas tarefas, com a falta de tempo, mas na verdade só existe o tempo presente. Somos seres poderosos, mas que precisa estar consciente desse poder, ligado e em alerta. Com foco no momento único em que estamos vivendo em cada respiração, cada visão da paisagem, cada toque que realizamos e muitas outras atividades.

A vida nos ajuda, trás oportunidades, como na lei da atração, mas devemos ter em mente a parte consciente. Estamos atraindo coisas através do pensamento, mas temos que ter o dom de olhar o que acontece no nosso corpo, no mundo ao redor. Somos seres pensantes, cada pensamento é capaz de atrair muitas coisas, fazer conseguir prêmios únicos. É uma ferramenta poderosa, mas existe hora e lugar para usar, se você usar o tempo todo vai perder o controle e correr o risco de ficar preso nos seus próprios problemas, pensamentos.  

Não deixe a oportunidade passar, tenha consciência do dom da vida!

Eu falei sobre problemas ali em cima, mas na verdade eles não existem, nós também colocamos valor em pensamentos e os transformamos em problemas. É como o dinheiro que possui um valor virtual, não é algo real de verdade, poderia ser apenas um pedaço de papel.

Isso não é algo ruim, mas pode ser em determinados momentos. Prefira o agora, sentir o momento, não ficar preso em estados alterados de consciência, em pensamentos ilusórios. Escolha estar presente no momento em que respira, preste atenção em tudo o que for fazer, não se deixe no automático.

Estamos acostumados a viver no automático. Nosso subconsciente comanda tudo isso, ele faz a rotina se transformar em um programa de computador. Algo que você faz sempre, seu cérebro grava e coloca lá no subconsciente, quando você precisa fazer isso, ele vai lá e acessa o programa, sem você precisar pensar em como fazer. É só reparar quando escova os dentes, quando dirige ou até quando come. Você não precisa pensar em como usar a escova, como usar um garfo ou como mudar de marcha, fica tudo no automático.

Em geral isso é bom, seria muito sacrifício pensar em tudo o que vamos fazer. Mas se quiser ter um grau de consciência elevada, aproveitar a vida como ela é, você precisa viver o agora. Olhar a vida com outros olhos, sem julgamentos. Não deixar seus pensamentos julgando coisas, lugares, momentos e até pessoas. Olhe com os olhos puros, sem pensamento determinado. 

Olhe uma pessoa andando na rua, um carro, a paisagem, tudo isso sem julgar. Veja como sua mente aceita tudo, fica bem com tudo e como ela se cala. Sinta o sentimento de elevação, de amor.

Estamos em uma era de conhecimentos, de elevação. Podemos usar a técnica da consciência como forma de meditar, como forma de acalmar e entender o mundo. Procure encontrar Deus assim, observando sem julgar, vendo tudo como divino, entendendo sua natureza divina sem julgamentos.

Entenda o seu interior através da observação do exterior. Veja como o mundo é de verdade. Busque o caminho da evolução! A lei da atração vai te ajudar quando você notar o que é realmente, como é o mundo e ter a consciência do que necessita e o que pede. O maior problema para atrair algo que deseja é não estar consciente do que quer, do que precisa e de como funciona a vida.

Você é a essência divina. É um ser humano único, vivendo um momento especial, o agora. Esse é o Poder do agora, da vida em plena consciência!

A iluminação ocorre por este caminho!

Por Edu Campos
CAMINHO DO BUSCADOR

É quase uma incoerência falar em Caminho e Buscador. Ambos são apenas um, mas isso só se nota na medida em que o caminho deixa de ser algo a ser percorrido e passa a ser o próprio ser que caminha. No princípio pensamos que trilhamos algo, como se um mapa tivesse sido projetado à nossa frente ou por um mestre ou por uma filosofia, ou por pura intuição. Mas no desdobrar do caminho, nas suas reentrâncias, nas pregas e dobras, na escuridão de suas vielas, e finalmente na intensa luz da clareza, descobrimos pouco a pouco que o caminho se faz por dentro de um labirinto interno, nos meandros de um oculto apenas nosso e que o nosso pequeno ego teima em manter irrevelado. Mas é nessa tentativa, nesse ensaio e erro, nessa busca e em nossos acertos que descobrimos com agradável surpresa que o surpreendente estava a nosso alcance, mesmo que encoberto. Por isso, não é demais afirmar que Eu sou o Caminho e o Caminhante, o que encontrou e o encontrado, o que escolheu e o escolhido. Por isso, o percurso do buscador depende do tamanho do seu interior, em geral vastíssimo. Aqueles que demoram a alcançar a verdadeira luz, a iluminação, o estado de êxtase, nem sempre demoram pelo seu despreparo, mas porque a sua imensidão de alma talvez seja um enorme espaço a ser trilhado.

Para encontrar o caminho que leva para dentro é necessário perceber que muitas vezes nos perdemos nos reflexos daquilo que exteriormente conhecemos. Por isso, o primeiro passo deste caminho é desconfiar de tudo aquilo que nos fazem aceitar como verdadeiro, ou seja, tudo aquilo previamente estabelecido pela sociedade, pelos pais e educadores, pelas religiões e pelas igrejas. Não porque eles estão errados, mas porque a verdade deles é a verdade deles e não a de cada um de nós. A verdade não deve permanecer ao longo de nossa vida apenas como uma mentira compartilhada por grupos que ao reforçá-las constantemente acabam por criar uma “verdade” aceita por todos. Portanto, o caminho do buscador é inicialmente um ato de coragem para romper com o estabelecido, alimentado por um sentimento de insatisfação e de descrença por aquilo que tem sido passado de geração a geração como a nossa única possibilidade. O caminho do buscador é um ato de amor por si mesmo, porque é fundamentalmente a busca pela verdade interior, que só pode ser conhecida depois que tirarmos o véu que cobre a mentira que compartilhamos socialmente uns com os outros.

 Por Eliane Ganem 

CAMINHO DO MEIO

Ser justo, mas com amor.

Amar, mas sem aprisionar.

Amparar, mas sem fazer pelo outro o que ele deve fazer por si mesmo.

Ajudar, mas sem tirar do outro o direito de escolher seu próprio caminho.

Perdoar, mas sem ser conivente com o mal.

Esquecer o mal, mas sem ser indiferente a ele.

Ser pacífico, mas não passivo diante dos acontecimentos.

Cultivar a não violência, mas sem violentar a si mesmo.

Lutar com coragem, mas aceitar a derrota como parte das experiências da vida.

Ter coragem de enfrentar os próprios limites, mas também de reconhecer as próprias fraquezas.

Servir ao dever, mas sem ser oprimido por ele e sem escravizar-se a coisa alguma.

Viver com prazer, mas não viver em função dele.

Ser simples e humilde, o que não significa andar mal vestido ou descuidar-se de si mesmo.

Conservar puro o coração, o que não significa esconder de si os próprios sentimentos.

Crer em Deus, mas sem atribuir a Ele aquilo que nos compete.

Cultivar a fé, mas sem abdicar da razão.

Caminhar com equilíbrio, eis o nosso maior desafio. Sem equilíbrio, tombamos sempre para um lado ou para outro.

Amor, sabedoria, bondade, justiça, sentimento, razão, harmonia.

Por Alexandre Paredes

O HOMEM É SIMPLESMENTE DEUS
O homem parece finito, muito pequeno, como uma gota de orvalho. Mas ele contém em si todos os oceanos, todos os céus. Se você olhar de fora, ele é muito pequeno, minúsculo: só poeira, nada mais - poeira sobre poeira. Mas, se você olhar a partir de dentro, de seu centro, ele é todo o universo.

Esta é a diferença entre ciência e religião: a ciência vê o homem de fora e não encontra nada espiritual, nada divino, apenas fisiologia, química, biologia - outro tipo de animal.

Por isso os cientistas estudam os animais para compreender o homem. Os animais são mais simples, mais fáceis de manipular; assim os cientistas insistem em pesquisar os ratos.

E não importa o que concluam, eles continuam insistindo que é o mesmo caso da raça humana. Esta é um pouco mais complexa, claro, mas basicamente igual. A ciência reduziu os homens aos ratos. E o homem só pode ser compreendido agora com o estudo dos ratos ou dos cães.

Mas, na verdade, o homem só pode ser compreendido se forem compreendidos os Budas, os Cristos, os Krishnas. Lembre-se sempre de que isto é fundamental: você não pode compreender o superior estudando o inferior, mas pode compreender o inferior estudando o superior. O superior contém o inferior, mas o inferior não contém o superior.

O único modo de compreender o homem não é externo, não é pela observação, mas pela meditação. É preciso entrar em sua interioridade, em sua subjetividade. Posicionando-se lá, você conhece a maior das maravilhas e o maior dos deslumbramentos: o homem é simplesmente Deus.

Osho, em "Meditações para a Noite"

VIEMOS PARA ESSE PLANETA...

...com a finalidade de continuarmos evoluindo a caminho da perfeição divina, porém, nossa história e objetivos foram substituídos por mentiras e falsas verdades.

Essas mentiras nos estagnaram no processo evolutivo, causa-nos dores e sofrimentos, destrói nosso planeta.

Fomos levados a crer que somos inferiores, que devemos lutar pelo direito de viver no planeta em que nascemos, onde vivemos para o trabalho e trabalhamos pra viver. Somos escravos de espíritos moralmente inferiores, somente os quais buscam postos de status e poder dominante, elite que prega o MATERIALISMO, distanciando-nos de nossa verdadeira natureza ESPIRITUAL.

Vendem-nos a ideia de que devemos ser melhores que o próximo, trabalhar para ficarmos ricos a qualquer custo, adquirindo assim bens materiais que satisfarão nossos instintos, inconscientemente pagamos seus excessivos e abusivos impostos, financiando a tirania global paradoxalmente patrocinadora da ignorância.

Distraem-nos, criam problemas, doenças, guerras, ou seja, MEDO. Nos mantém bastante ocupados para não termos tempo de percebermos que tem algo errado, nos ensinam desde criança que isso é natural, o mundo é assim, e sempre vai ser assim.

Em resumo, nascemos, almejamos seus ideais de felicidade, trabalhamos para eles, compramos seus produtos, pagamos seus impostos, e morremos convictos de que fomos livres, sem saber que, “O PIOR ESCRAVO É O QUE PENSA SER LIVRE”.

Os meios de comunicação são excelentes meios de sugestionar tendências, já que temos por hábito tomar como verdade tudo que vemos nas nossas TVs, sem questionamentos, conteúdo que tem como objetivo alienar, amedrontar, induzir, distrair, impor falsos valores, como o consumismo, que os mantém vivos, entre vários.

A RELIGIÃO é a forma mais antiga e lúdica de condicionamento, vem sendo usada desde a sua invenção, esquecida nas brumas do tempo, como forma de alienar a mente humana. Os fatos foram selecionados, adulterados, modificados, montados e interpretados a fim de usar a fé e o medo das pessoas para promover a ordem da maioria e o progresso material da minoria.
Os valores nobres humanos independem de religião, quem pratica caridade são pessoas com senso moral amoroso muito grande, não há religião onde elas estão inseridas. O que faz o ser humano "humano" é a moral filosófica que Jesus nos ensinou, exemplificou e que a insolência humana travestida de religião distorceu.

“Crer é um conforto, pensar é um esforço”, devemos fazer jus ao nosso titulo de “racionais” e raciocinar, ser diferente é normal, não devemos seguir ditames e padrões pré-estabelecidos, podemos e devemos criar novas possibilidades.

Hoje através do acesso ao conhecimento já podemos acordar desse sonambulismo. Quando isso acontecer com a maioria à religião acaba, não há necessidade de RELIGIÃO (do latim "religio religar) para se harmonizar com Deus, basta mudar o foco e AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO, e naturalmente perceberemos a sua presença no intimo de cada um.
"Espera ai, esse cara é ATEU?! Acabou de dizer que é contra a religião e fala de Jesus, Deus tem alguma coisa errada!"

Tem mesmo, ATEU do grego clássico ãθεος(transl.: atheos), que significa "sem Deus", num sentido amplo, é a rejeição ou ausência da crença na existência de divindades e outros seres “sobrenaturais”, e não quem não tenha uma religião, ou seja, você não precisa de uma religião para crer na Causa Primeira, princípio incriado, o incognoscível. Simples, faça o bem ao seu próximo como o Mestre Jesus exemplificou, a lei do AMOR, quem pratica acredita, sem complicação sem rituais ou dogmas criados com a religião.

Muitos preferem acreditar que depois da morte deixarão de existirem, outros preferem acreditar que depois da morte passarão a eternidade em um caldeirão de dor e sofrimento, pois a grande maioria de nós não está de acordo com os ensinamentos de Jesus para merecermos o reino dos céus.

Agora, por que não acreditar que Deus na sua infinita sabedoria, não nós daria novas oportunidades de melhorarmos a caminho da perfeição?

Por que Deus na sua onisciência criaria um ser já sabendo que logo seria destruído ou condenado ao sofrimento eterno, não é muita maldade e perda de tempo?

Talvez fosse mais racional crer que Deus na sua infinita bondade nos concedesse a oportunidade de nos aperfeiçoarmos, através de novas vidas, novas experiências em novos mundos, pois uma vida não é nada diante da eternidade, e somente as experiências nos revelam a verdade que nos tornarão seres perfeitos, que cada um alcançará segundo suas obras, onde uma vida não é suficiente para atingirmos a perfeição.

O espírito que não renascer várias vezes no rio da vida não estará limpo da mácula da ignorância e das imperfeições, de maneira que uma vida é pouco para atingirmos a perfeição necessária para vislumbrarmos minimamente os desígnios do Pai perfeito e amoroso.

Disse o Mestre:

"Amai-vos uns aos outros como a ti mesmo, e se o meu exemplo te serve pegue a tua cruz e me siga" (Siga o exemplo). Eis ai o seu legado resumido.
"Há várias moradas na casa de meu pai".

Porque Deus na sua inquestionável sabedoria criaria, até onde podemos ver na ínfima parte do universo, bilhões de galáxias com trilhões de sistemas solares com número inimaginável de planetas, e dar somente a nós a oportunidade da vida?

Alguns buscam a consciência e a liberdade através da responsabilidade, outros a comodidade da ilusão.

É direito individual tal escolha.

Na nossa atual condição a "verdade" é ambígua, nos resta à busca de conhecimento, sem discriminação, para que possamos com sabedoria enxergar as cores da verdade, pois a certeza cega e alimenta o ego ignorante.

Eu prefiro a dor da verdade ao invés do conforto da ilusão.

Entenda quem puder e quiser. Não se preocupem, “as vidas ensinam”, a finalidade é essa.

O sábio bebe de todas as fontes e não se embriaga com nenhuma.

Perdoem-me se foram feridos pela minha inabilidade em empunhar as palavras.
“Eu jamais iria para a fogueira por uma opinião minha, afinal, não tenho certeza alguma. Porém, eu iria pelo direito de ter e mudar de opinião, quantas vezes eu quisesse.”
Obrigado!
Por Friedrich Nietzsche


O QUE É A ILUMINAÇÃO ESPIRITUAL?

Iluminação espiritual é uma experiência complexa que é tão individual como você é. Você pode ter lido que significa "perder-se" e fundir-se com a consciência, sem nenhum traço de ego restante - mas isso é quase impossível para a maioria de nós atingirmos, mesmo que seja um objetivo digno. Mas ... é apenas uma definição.

Uma definição mais acessível e tangível é o conceito de que todos nós já somos iluminados, apenas não reconhecemos nossa iluminação por causa da máscara de crenças que todos adquirimos no curso de nossas vidas sobre "como as coisas são." Estamos mais 'despertos' em alguns momentos e menos em outros. Este estado de ser varia constantemente.

Tornando-se Desperto

Então, para tornar-se mais espiritualmente iluminado, você quer atingir um estado de MAIOR consciência/despertar e menos maçante do sentido que a vida deve ser uma série de lutas e alegrias, e isso são tudo que existe para ela.

Em nosso núcleo, todos nós somos seres de amor e luz. Isso significa que todos têm o mesmo potencial para tornar-se espiritualmente iluminado! Cada um de nós - cada ponto da consciência - é igualmente importante, igualmente válido (como pode uma gota no oceano ser menos importante ou válida do que outra?). Portanto, não importa as circunstâncias de sua vida, você tem o potencial para se tornar totalmente desperto e perceber a sua natureza divina.

O processo de se tornar iluminado (iluminação como um estado de ser) é o processo de despertar para a sua verdadeira natureza. É uma mudança na consciência - mas não necessariamente vêm em um raio de despertar. Ela pode vir aos trancos e barrancos. Poderá nascer de um intenso sofrimento, dor, raiva e medo. Ela pode vir pela paz e alegria. Ela pode vir de estar perdido, e pode vir a qualquer hora, em qualquer lugar. Além disso, pode deslocar-se no sentido oposto, também, para menos despertar, menos iluminação.

Um processo de iluminação

Um exercício maravilhoso que vai ajudar no seu próprio despertar espiritual é pensar sobre a origem de alguma coisa - qualquer coisa. Por exemplo: digamos que você queira contemplar as origens de um banquete fabuloso. Uma pessoa que tem pouco conhecimento de iluminação pode dizer: "Legumes crescem na terra e a carne provém de animais. Os animais comem as coisas que crescem na terra. Assim, a fonte desta refeição é a terra.” 

Mas vamos mais fundo. Isto é onde você começa a despertar.

Como é que uma semente - uma semente de tomate pequena - "sabe" como crescer? Quem ou o que a "programou" para fazer o que tem que fazer para que pudesse se tornar um tomate (se alimentando com os minerais da terra; absorver a umidade e luz do sol que dá vida; crescer folhas, flores e frutos...)? E de onde vem a planta de tomate? De onde é que as primeiras plantas vieram?

Agora mais fundo na "intenção":

Qual o papel que o jardineiro tem no crescimento de um tomate? Será que o jardineiro simplesmente segue a mecânica de prover água e fertilizantes, ou a intenção do jardineiro - a visão de um tomate, saudável maduro - tem algum efeito? Se um tomate em estufa depende de um jardineiro para sua própria vida, então o jardineiro deve manter dentro de si uma visão do tomate na sua forma, delicioso comestível, caso contrário, não se incomodaria plantando as sementes e nutrindo a planta. No entanto, as plantas ao ar livre são resistentes e podem sobreviver a negligência, durante algum tempo, com algum grau de sucesso. Então, isso significa que o jardineiro realmente não precisa cuidar da planta?

Quanto mais você se aprofunda em algo como isso, mais você começa a despertar para o seu imenso - é sério, imenso - poder. Seus pensamentos são coisas. Seus sentimentos são coisas. Eles fazem você agir, e suas ações têm resultados.

Uma simples planta de tomate é incrivelmente complexa em seu desenvolvimento desde as sementes até os frutos, e você pode tomar essa complexidade e multiplicá-lo quase infinitamente, já que uma fruta tem muitas sementes, e partir das sementes, muitas plantas frutíferas têm potencial para crescer.

Então, em essência, a iluminação pode ser pensada como um despertar para o potencial. É um despertar da curiosidade sobre as origens, causas e efeitos (incluindo as repercussões de seus próprios pensamentos e sentimentos), infinito, potencial e eternidade.

Você poderia continuar assim indefinidamente. Finalmente, se todos os fatores que criaram a refeição gourmet foram rastreados de volta para suas origens, a sua origem, você vê que a fonte é, simplesmente, "a intenção." Alguém ou alguma consciência, alguma força, criou tudo, através de pensamentos, imagens mentais, minerais, o fato de que o sol e a chuva são benéficas para as plantas, etc.

E, tudo isto pode ser ... muito. Muito avassalador. E quando você insere ainda a escolha - que, se pensarmos A então "aquele" mundo de potenciais se abre e ainda se pensarmos B então "aquele outro" mundo do potencial se abre ... Caramba, você pode entrar em um lugar onde sua mente irá congelar-se porque há simplesmente variáveis demais, muitos resultados potenciais!

Fazendo um acordo

Talvez a melhor maneira de se tornar iluminado não seja através de um determinado conjunto de atividades ou práticas, mas um acordo. Um acordo para se tornar consciente de seus pensamentos, emoções, palavras e ações e as forças CRIATIVAS que eles são. Um acordo para pensar e agir mais de acordo com os resultados que você gostaria de ver em sua vida. Um acordo para estar presente - sendo intrigado, curioso e envolvido na vida. Faça um acordo para pensar, sentir, fazer e dizer o que lhe traz mais perto do Amor e Luz da Fonte / Deus / Consciência.

Não importa onde você está agora em seu desenvolvimento espiritual e seu despertar, saiba que todas as fases de sua vida, cada experiência, é uma parte importante e integral desse despertar. Não se preocupe tanto com "tornar-se iluminado" ou que algumas pessoas parecem mais ou menos iluminadas do que você. A viagem deles não é a sua, e a sua não é a deles. Procure no seu coração suas próprias origens, sua própria fonte, e se abra para quem você realmente é.

Por Christie Marie Sheldon

DESMATERIALIZAR O KARMA ATRAVÉS DA QUÂNTICA?

Viver é muito mais simples do que parece. Fazemos escolhas, que são caminhos. Nem sempre sabemos onde aquele caminho vai levar. Escolhemos a rota de acordo com o que parece ser o destino. Mas, em muitos momentos, descobrimos que calculamos mal a rota. Não há culpa nisso, apenas responsabilidade. Podemos recalcular a rota e seguir por um novo caminho. Não existe culpa nesse engano. Nem punição.


Culpa é uma criação humana. O que há, sempre existiu, é responsabilidade. Somos dotados de responsabilidade, intuição e criatividade. São conexões perfeitas entre nossos corpos emocional, mental, espiritual e físico, falando de forma bem simplista. E são ferramentas de alta resolução.

Vamos raciocinar que não temos karmas a pagar, temos karmas. Puro e simples. Vamos retirar da equação a noção de divida e pagamento. Torna o raciocínio mais fácil. São missões, ao qual escolhemos. Da mesma forma, existe o darma, os pontos positivos que vamos acumulando com as missões cumpridas e mais: com as missões que não precisávamos cumprir, mas escolhemos abraçar no decorrer de nosso caminho. Mas só vale quando amamos a nós mesmos incondicionalmente e ao próximo como a nós mesmos.

Existe uma coisa que nos leva a fechar de forma negativa essa contabilidade: falta de amor incondicional a si mesmo. Em geral, vamos acumulando crenças e deixando de nos apreciar, de nos fazer carinho. Isso inclui o espaço que dedicamos ao lazer, a preparar uma comida gostosa e saudável, atenção ao corpo, no que ele precisa antes de uma doença, a dar prioridade ao que nos faz sentir alegria de criança, leveza, gratidão, êxtase.

O espírito está sempre pronto, não precisa evoluir. Quem precisa sempre de reconhecimento é o ego. Esse é o processo evolutivo. O Ego. Enquanto isso, vamos deixando de fazer e enxergar o óbvio e que exige nossa dedicação e auto cuidado: o que comemos, o que pensamos, o que dizemos, o quanto amamos. O quanto nos amamos. Com que qualidade amamos ao próximo como a nós mesmos.

Dizemos amar outra pessoa, mas o quanto amamos alguém que não correspondeu nossas expectativas, que tem impedimentos, limitações, modo de ver, viver e amar diferente do nosso?

A teoria da reencarnação e a consciência do karma trazem alguns efeitos colaterais e já chegou a hora de superarmos esses mesmos efeitos. A quântica ajuda nesse campo. Se eu penso que estou sendo “castigado”, pagando por coisas de outras vidas, me dá uma certa comodidade de que sempre serei devedor, então posso deixar algumas coisas para a próxima. Mas estamos adoecendo, sobrevivendo ao invés de viver HOJE.

Ascensão é a decisão de não deixar mais para a próxima encarnação a maior missão que é ser feliz. É olhar para os próprios sonhos, talentos, coração, felicidade, e ir desativando as crenças. Nossa auto realização e prosperidade são frutos da convergência de tudo isso, da manifestação de nosso Eu sou, de nossa consciência.

ESTE É UM DOS SETORES DE TRABALHO NA MESA RADIÔNICA QUÂNTICA. O CAMINHO PARA A ELIMINAÇÃO DESTAS CRENÇAS E DESMATERIALIZAÇÃO DE ASPECTOS KÁRMICOS NÃO EVOLUTIVOS QUE NOS IMPEDEM DE ALCANÇAR A DEVIDA ASCENSÃO. É SIMPLESMENTE SER FELIZ!


Fonte http://mesaradionicaquantica.wordpress.com/2012/09/

VOCÊ CRIA A SUA REALIDADE

Você cria sua experiência de vida física por meio de seus pensamentos. Literalmente, cada pensamento seu gera determinada criação.
Seus pensamentos, ao considerar seus anseios, movimentam a criação e o cumprimento de tudo o que você deseja. Do mesmo modo, seus pensamentos, ao considerar aquilo que você não quer, movimentam a criação e o cumprimento de tudo o que você não quer. O princípio é o mesmo.
Observe com atenção se seus pensamentos caminham em direção ao que você quer ou ao que você não quer – na direção do que o excita e o agrada, ou na que lhe desperta medo e desagrado. Todo pensamento tem poder criativo.
Se você analisar sua experiência de vida a partir desse novo ponto de vista, reconhecerá, imediatamente, como é o que vivenciou ou vivencia, ou seja, o que você trouxe para sua experiência de vida, pensamento por pensamento.
Cada pensamento tem poder e todos brotam da sua mente, mesmo sem a presença de emoção significativa. Assim, a manifestação será concreta. Mas eles não são iguais no que se refere à habilidade criativa ou a velocidade com que algo desejado (ou não) se transforma em realidade. Há um fator diferencial importante.
Os pensamentos que você vivencia com grande emoção são os mais poderosos: sejam positivos (na direção do que você deseja) e carregados de emoção positiva, sejam negativos (na direção do que você não deseja), portanto, cheios de emoção negativa. A força da emoção presente interfere na rapidez com que aquilo vai se concretizar.
Para resumir esse segmento do Processo Criativo: entenda que todo e qualquer pensamento cria, e quanto mais emoção estiver presente, mais rápida será a concretizarão do que foi idealizado.
Quando você entender inteiramente o que acabou de ler, ficará muito claro o que você atrai para sua vida. Nada melhor do que olhar para seu passado e lembrar o que criou para reconhecer, sem nenhuma exceção, que tudo teve origem nos seus pensamentos.
Quando você está deliberadamente decidindo que quer alguma coisa e tem absoluta consciência disso, a criação ocorre em sua plena forma, mas quando você pensa no que não quer e permanece concentrado nisso, também cria, embora seja por omissão,  no sentido exatamente oposto ao que realmente pretende ter.
Por Jerry e Esther Hicks

É PRECISO PERDOAR

Sempre que falamos da importância do perdão e como é bom perdoar, muitos falam: “É fácil dizer que temos de perdoar. Eu tento, mas não consigo”. Você acha que tem várias razões, várias justificativas para não perdoar. Mas elas não são verdadeiras. A verdade é que você não pode dar seu perdão porque aprendeu a não perdoar.
Em nossa infância, perdoar era um instinto. Antes, perdoar era natural, algo que fazíamos sem esforço. Perdoávamos quase que imediatamente. Se observarmos duas crianças brincando, e elas começarem a brigar e a se bater, veremos que choram e correm para suas mães. “Mamãe, ela me bateu!” As duas mães vão falar uma com a outra e brigam. Cinco minutos depois, as duas crianças estão novamente juntas, brincando, como se nada tivesse acontecido. As mães, no entanto, agora se odeiam e vão odiar-se pelo resto da vida.
Não é que precisemos aprender a perdoar, porque nascemos com essa capacidade. Mas, o que acontece, então? Acontece que aprendemos o comportamento oposto e o praticamos; por isso, agora, perdoar é tão difícil. Quando uma pessoa nos ofende, nós a riscamos de nossa vida.
Isso é uma guerra de orgulho. Por quê? Porque nossa importância pessoal cresce, quando não perdoamos. Nossa opinião torna-se mais importante, quando dizemos: “Por mais que ela faça, não a perdoarei. O que ela me fez é imperdoável”.
O problema real é o orgulho. Por causa do orgulho, por causa da honra, pomos mais lenha na fogueira da injustiça para que não esqueçamos que não podemos perdoar. Adivinhe quem vai sofrer e acumular mais veneno emocional. Nós mesmos. Vamos sofrer por todas as coisas que as pessoas a nossa volta fizerem, mesmo que não tenham nada a ver conosco.
Também aprendemos a sofrer só para punir aqueles que nos fizeram mal. Nós nos comportamos como uma criança tendo um ataque de birra para chamar a atenção dos adultos. Eu me machuco para poder dizer: “Veja o que está acontecendo comigo, por sua causa”. Parece piada, mas é isso mesmo que fazemos. O que realmente queremos dizer é: “Deus, me perdoe”. Mas não dizemos uma palavra, esperando que Deus venha e nos peça perdão primeiro. Muitas vezes, nem sabemos por que estamos tão aborrecidos com nossos pais, nossos amigos, nosso parceiro. Estamos aborrecidos e, se por alguma razão, a outra pessoa nos pede perdão, começamos a chorar e respondemos: “Não, não! Você é que tem de me perdoar”.
Vá procurar aquela criança que está tendo um ataque de birra e faça-a parar. Pegue seu orgulho e jogue-o no lixo. Você não precisa dele. Esqueça sua importância pessoal e peça perdão. Perdoe também, e verá que milagres começarão a acontecer em sua vida.
Primeiro faça uma lista com os nomes de todas as pessoas a quem você acha que deve pedir perdão. Depois, vá até elas e peça. Se não houver tempo para você procurar uma por uma, peça-lhes perdão em suas preces e em sonhos. Em segundo lugar, faça uma lista das pessoas que o magoaram e a quem você precisa perdoar. Coloque ali seus pais, irmãos, filhos, cônjuge, amigos, parceiros amorosos e bichos de estimação, o governo e até mesmo Deus.
Agora, você vai perdoar a todos, sabendo que, seja o que for que lhe fizeram, não teve nada a ver com você.
Nada do que outros fizeram foi provocado por você. Assim que perceber isso e não mais levar as coisas para o lado pessoal, você será levado ao perdão pelas mãos da compaixão e da compreensão. Comece a praticar o perdão. Será difícil, no início, mas depois isso se tomará um hábito. A única maneira de recuperar a capacidade de perdoar é praticar. Depois de muito treino, você descobrirá que é capaz de perdoar a si mesmo. Chegará o momento em que descobrirá que precisa se perdoar por todas as feridas que criou, por todo o veneno que acumulou. Quando você se perdoar, sua auto-aceitação e seu amor-próprio crescerão. Perdoar a si mesmo é o perdão supremo.
Por José Batista de Carvalho
TOQUES CONSCIENCIAIS

1. Seja Luz!
(Mas não ofusque ninguém).

2. Faça o Bem!
(Mas não agrida os corações trevosos).

3. Diga não ao ódio!
(Trabalhe suas emoções).

4. Não compactue com as ondas escuras do desejo de vingança.
(Pelo contrário, vibre Luz, Luz, Luz...).

5. Exonere seus desgostos.
(E não se leve muito a sério).

6. Espante as tolices!
(Ligue-se mais com os seus mentores extrafísicos).

7. Não dependa dos outros para crescer!
(Use seus potenciais e saia da inércia consciencial).

8. Cresça!
(Mas não pise em ninguém).

9. Seja alegre.
(Mas espante a leviandade).

10. Seja um farol espiritual...
(Mas haja simplesmente).

Paz e Luz.


Por - Wagner Borges - mestre de nada e discípulo de coisa alguma.
São Paulo, 28 de fevereiro de 2013.


SUA PALAVRA EMITIDA É PODEROSA

P’taah através de Jani King

Vocês criam tudo absolutamente.

Parte desta estrutura de crenças, vocês expressam todos os dias. Dizemos que seria conveniente que estivessem conscientes de sua verborreia  Observem o que escapa de sua língua, mesmo sem a mais leve ideia de que isto reforça as suas idéias e crenças negativas.
“Como você está hoje?” “Não tão mal”.

Observem as palavras que vocês dizem a cada dia e, quando estiverem conversando com o outro, vejam as coisas que vocês dizem sobre o dinheiro. Como reforçam a ideia de que não há o suficiente, que ele nunca está lá quando o querem, etc, etc. E então, observem que quando vocês criam a boa sorte, simplesmente a ignoram: “Foi apenas sorte.”

Aqueles que estiveram envolvidos com este assunto da Nova Era por algum tempo, estão dispostos a arcar com a responsabilidade daquilo que criaram de uma forma negativa. Vocês acham muito difícil aceitar a ideia de que criam toda a magnificência também.
E, realmente, afirmam: “Isto nada tem a ver comigo. Foi boa sorte”. Ou: “Foi tal, tal e tal”. Qualquer coisa, mas não vocês.

Se alguém os elogia pelas suas belas roupas, vocês dizem: “Oh, este trapo velho”. Ou se gostam do seu carro, vocês dizem algo como: “Oh, este velho carro! Você sabe que ele continua quebrando.”

Entendem como o fazem? Vocês não assumem a responsabilidade pela magnificência. Não permitem o fato de que são deuses e deusas participando de um jogo chamado de “A Vida Humana Agora”.

E a cada vez que expressam as palavras em voz alta, seja o que for que estejam falando, o universo os ouve. O universo os ouve. Quando falam sobre o seu corpo: “Estou muito gordo”, “Estou muito magro”, “Estou muito velho”. “Estou doente”. “Não me sinto bem”, o seu corpo os ouve. Quando expressam isto, esta é a verdade!

Prestem atenção ao que dizem. O poder de suas palavras é surpreendente. O poder de suas palavras cria a realidade. Quando dizem: “Eu quero ter isto, isto e isto”, vocês estão chegando a um espaço de desejo, de falta. “Eu preciso”, está vindo de um espaço de carência. Vocês percebem?

Agora, vamos encarar isto de outra maneira. Muitos de vocês dirão: “Bem, eu não compreendo como não estou criando o que desejo, porque a cada dia eu faço as minhas afirmações”. Bem, as suas afirmações se referem ao que vocês querem em seu futuro, não ao que existe.
Nós lhes dizemos, novamente para aqueles que ouviram muitas vezes antes, o espaço da transformação é o Agora. O espaço da mudança é Agora. Pois, enquanto vocês estão “querendo”, ou “precisando”, seja o que for que desejem, vocês colocam em seu futuro e é onde permanecerão.

Vocês somente têm o Agora. Vocês não têm nem mesmo um passado e os seus futuros são criados a partir do que pensam e acreditam Agora. Isto faz sentido a vocês? Vocês somente têm o Agora. Se estiverem desejando riqueza, observem como vocês mantêm distante a riqueza do seu dia a dia com a sua verborreia  com os seus pensamentos, com as suas crenças, com a sua atitude, com as suas ações, porque vocês estão totalmente focados na carência.
Se todos os dias entoarem uma canção de louvor e agradecerem à deus/deusa pela sua própria existência, ao universo....

“Obrigado pela grandiosa e maravilhosa abundância que eu sou. Obrigado pelo rio de dinheiro que flui através de mim. Obrigado pela abundância e riqueza que eu vejo refletida em mim, o que me mostra o quanto eu sou abundante e rico. Obrigado, obrigado.”

Vocês estão se ligando ao poder do agora, estando no ser, na energia daquilo que é a sua riqueza. O poder da sua palavra segue adiante...

“Obrigado pelo que existe Agora” Isto lhes parece poderoso?

“Obrigado pelo amor em minha vida. Obrigado pelo amor que me cerca”. Percebem?
“Obrigado pelo meu corpo perfeito. Obrigado pela minha saúde e vitalidade. Obrigado pelo milagre da vida que eu sou. Obrigado pela dádiva da vida que eu sou e o milagre e dádiva da vida que eu vejo refletidos em relação a mim. Obrigado, obrigado.” Entendem como isto é poderoso? Porque é.

Assim, meus amados, há muito a refletir, hum? Nós os amamos intensamente e nos despedimos de todos e de cada um de vocês.

Namastê.

P’taah

Traduzido por: Regina Drumond Chichorro - reginamadrumond@yahoo.com.br 
Direitos Autorais
Jani King
PO Box 1251
Joshua Tree, CA 92252
760-366-0375 - 888-803-1777
Fax 760-366-0385
www.ptaah.com - ptaah@ptaah.com

Fonte http://www.luzdegaia.net/ptaah/jani/sua_palavra.html


COMO CUIDAR DA SAÚDE ESPIRITUAL

Escreva na sua agenda: Vou "malhar" muito para fortalecer a minha saúde espiritual.
Mas o que é a saúde espiritual?

De uma maneira bem resumida e direta, podemos afirmar que é a energia vitalizadora que anima nosso espírito.

O espírito é um grande gerador. Ele jamais vai morrer. Eterno. Indestrutível. Adaptável. Maravilhoso. Aceita transformações. Vamos com ele para outra dimensão após abandonarmos a matéria. Pense numa cebola cheia de camadas. Assim, é o espírito.

No entanto, agora ele está ligado à matéria. A matéria é apenas a casca. A matéria plasma o que está no espírito. Como fazer para cuidar da saúde espiritual? Por que os almanaques e revistas não mencionam esse detalhe?

A saúde espiritual é o estado da nossa essência espiritual é a semente de nossos mais profundos sentimentos. Sorrir é bom, mas para fortalecer a saúde espiritual você precisa sorrir com a alma. E, assim, o corpo todo vai sorrir. Não é o prazer, nem a alegria momentânea que a matéria sente com o orgasmo, com os momentos felizes, mas algo mais forte e mais duradouro. Ninguém tira da gente.

Em primeiro lugar, para fortalecer a saúde espiritual você precisa se conhecer. Você não é o que os outros comentam e nem o que as pessoas veem. Você é um espírito eterno. Procure conhecer seus sentimentos mais íntimos. Acolha-os! Seja verdadeiro consigo mesmo! Aceite as suas imperfeições. Isso o tornará, mais compassivo, mais tolerante. Quem não aceita os seus próprios defeitos, jamais aceitará o próximo como ele é. Viverá numa constante autocrítica que não levará a nada. E será intolerante com as pessoas à sua volta.

A saúde espiritual depende da transformação. Eliminar impurezas. Defeitos. Mazelas. Comportamentos que repetimos ao longo do tempo.

Se quer ter saúde espiritual, comece com seu auto aprimoramento. Faça disso um hábito. A saúde espiritual é fortalecida pelo Amor. O amor nos ajuda a transformar atitudes de egoísmo, intolerância, raiva e ódio. Ele é como se fosse um grande apagador na lousa da nossa alma. É a força propulsora. Ele nos prepara para atitudes de fraternidade com o próximo. Quando estivermos nesse estágio amoroso nossa família será a Humanidade. Não apenas os irmãos de sangue, mas todos os seres humanos, e toda a criação.

A atitude amorosa é como se fosse o sangue dentro da circulação corpórea. Ela é o cerne de tudo. Mas o amor precisa de atitudes. O amor apenas gera força e intenção. Quando a intenção é verdadeiramente amorosa, tudo flui. O corpo recebe um fluxo de energias boas. Mente equilibrada. O coração bate melhor.

Junto com o amor tem que vir a Harmonia. Para ser feliz é preciso estar em Harmonia. Manter as emoções em equilíbrio. Como manter as emoções em equilíbrio? Agindo de acordo com seu espírito. Tentando sempre melhorar a cada dia. Uma verdadeira malhação. Você cai e depois levanta.

Com saúde espiritual, sua pele estará mais lisa e brilhante. Terá luz própria e carisma!

Dicas práticas para cuidar e melhorar cada vez mais sua saúde espiritual:

1. Através da oração:

O contato com um Poder Superior, Deus, aumentará sua conexão com as energias positivas que vão melhorar a sua proteção espiritual. Mas tem que ser uma oração sincera, aquela que vem de dentro do coração. Aprenda a ser grato! Valorize o belo! Valorize sua vida através da oração. Correio com a divindade!

2. Meditação:

Controle da mente através da respiração correta. Equilíbrio das emoções. Filtragem e purificação dos pensamentos que contaminam seu espírito.

3. Fé:

Sem crença, sem valores espirituais, viveremos ansiosos, deprimidos ou confusos. Confie em você mesmo, no poder das suas ações e em algo superior. Reveja seus valores espirituais.

4. Alegria e bom humor:

É o tônico das almas sábias. A alegria energiza o espírito e atrai energias puras.

5. Entrar em contato com a natureza:

Evocar o belo, admirar e respeitar a natureza faz muito bem a alma. Aquele que maltrata os animais, a flora e a fauna, maltrata o seu espírito. Vive mal.

6. Ouvir boa música:

Música clássica, instrumental, faz bem ao espírito. Inspira, enleva, tranquiliza e tranquiliza o sistema nervoso.

7. Fazer o Bem:

O elixir da vida! Fazer o Bem eleva a criatura e equilibra todo o seu organismo, sua mente e melhora sua vigor e a saúde espiritual!

10. O desapego:

Se você acredita na vida eterna e na pluralidade das existências, saberá como viver no mundo. Viva no mundo, mas não se apegue a ele. A atitude livre e um pouco descompromissada com as coisas materiais faz bem a alma. A alma precisa de felicidade!

Mexa-se!

O espírito precisa criar, aprender e se renovar! Aprenda coisas novas, exercite a memória. Empenhe-se em atitudes que lhe tragam prazer e alegria. O espírito precisa evoluir! Não seja duro como uma pedra!
Por Marta Rodrigues


PENSAMENTO
O pensamento é a nossa capacidade criativa em ação.

Em qualquer tempo, é muito importante não nos esquecermos disso.

A ideia forma a condição; a condição produz o efeito; o efeito cria o destino.

A sua vida será sempre o que você esteja mentalizando constantemente.

Em razão disso, qualquer mudança real em seus caminhos, virá unicamente da mudança de seus pensamentos.

Imagine a sua existência como deseja ser e, trabalhando nessa linha de ideias, observará que o tempo lhe trará as realizações esperadas.

As leis do destino carrearão de volta a você tudo aquilo que você pense.

Nesta verdade, encontramos tudo o que se relacione conosco, tanto no que se refere ao bem quanto ao mal.

Observe e verificará que você mesmo atraiu para o seu campo de influência tudo o que você possui e tudo aquilo que faz parte do seu dia-a-dia.

Deus é Amor e não pune criatura alguma.

A própria criatura é que se culpa e se corrige, ante os falsos conceitos que alimente com relação a Deus.

Em nosso intimo a liberdade de escolher é absoluta, depois da criação mental que nos pertence, é que nos reconhecemos naturalmente sujeitos a ela.

O Bem Eterno é a Lei Suprema; mantenha-se no bem a tudo e a todos e a vida se lhe converterá em fonte de bênçãos.

Através dos princípios mentais que nos regem, de tudo aquilo que dermos de nós aos outros receberemos dos outros centuplicadamente.
Por André Luiz
DICAS DO FENG SHUI INTERIOR - DO NOSSO CORPO/ALMA

"Vida nenhuma prospera se estiver pesada e intoxicada".

Já ouviu falar em toxinas da casa? Pois são:

- objetos que você não usa,
- roupas que você não gosta ou não usa há um ano,
- coisas feias,
- coisas quebradas, lascadas ou rachadas,
- velhas cartas, bilhetes,
- plantas mortas ou doentes,
- recibos/jornais/revistas, antigos,
- remédios vencidos,
- meias velhas, furadas,
- sapatos estragados...

"O que está fora está dentro e isso afeta a saúde física-mental". O “destralhamento” é a forma mais rápida de transformar a vida e ajudar as outras eventuais terapias.

Com o destralhamento:

- A saúde melhora;
- A criatividade cresce;
- Os relacionamentos se aprimoram...

É comum se sentir cansado, deprimido, desanimado, em um ambiente cheio de entulho, pois "existem fios invisíveis que nos ligam à tudo aquilo que possuímos". Outros possíveis efeitos do "acúmulo e da bagunça": sentir-se desorganizado; fracassado; limitado; aumento de peso; apegado ao passado...

- No porão e no sótão, as tralhas viram sobrecarga;
- Na entrada, restringem o fluxo da vida;
- Empilhadas no chão, nos puxam para baixo;
- Acima de nós, são dores de cabeça;
- "Sob a cama, poluem o sono".

"Oito horas, para trabalhar; Oito horas, para descansar; Oito horas, para se cuidar."

Perguntinhas úteis na hora de destralhar-se:

- Por que estou guardando isso?
- Será que tem a ver comigo hoje?
- O que vou sentir ao liberar isto?

...e vá fazendo pilhas separadas...

- Para doar!
- Para jogar fora!

Para destralhar mais:

- livre-se de barulhos,
- das luzes fortes,
- das cores berrantes,
- dos odores químicos,
- dos revestimentos sintéticos...

e também....

- libere mágoas,
- pare de fumar,
- se não pode deixar, diminua o uso da carne,
- termine projetos inacabados.

"Acumular nos dá a sensação de permanência, apesar de a vida ser impermanente", diz a sabedoria oriental. O Ocidente resiste a essa ideia e, assim, perde contato com o sagrado instante presente.

Fonte Gotas de Sabedoria

A LEI DO RETORNO

Quando fazemos um pequeno movimento,
o universo coloca uma espécie de óleo nos trilhos
e tudo começa fluir por este alinhamento.

A doação contém uma carga energética muito parecida com a gratidão. Doar representa um atestado de confiança porque o espírito reconhece que o fluxo incessante do universo preenche o que está vazio. Aquilo que você tem para dar é o mesmo produto daquilo que está dando ao seu universo. Você é uma perfeita maquete da estrutura do universo: vivo gerador de alta energia e criativo. No espírito do medo, nossos fluxos estancam porque assumimos uma postura protegida e desconfiada, que não flui e não se dá. E aquele que não dá, não sabe receber. O destino exige paixão e abandono para acontecer. Assim como a  energia da riqueza requer uma despreocupação com o passado, presente e futuro. 

As pessoas realmente prósperas emitem uma energia diferente para o mundo. Essa prosperidade é encontrada no campo da saúde, dos relacionamentos, bem-estar e no setor financeiro. O espírito da abundância é seguro e leve, ele sabe que do lugar onde flui a riqueza existe um manancial ininterrupto que é oferecido a ele... Aquele que está sofrendo nunca é capaz de doar e sim de retirar porque o medo lhe convence que a falta é constante em seu mundo. A doação assim como a gratidão não surge prontamente pelo caminho do buscador, são sentimentos energéticos que se alinham através do percurso. 

O medo sabota os resultados porque a mente ainda não está convencida que o sucesso e a bem-aventurança são nossos direitos naturais. E sob controle, o medo tem medo até de desejar porque a mente está condicionada a lidar com as expectativas frustradas. E isso tudo é apenas um padrão maleável e condicionado por uma regra da insegurança. O direcionamento bloqueará os receios e inseguranças, pois a mente tenderá ao silêncio, ou, apenas  conversará com você sobre o direcionamento de suas novas escolhas e admirações.

O sentimento determina os resultados, portanto, espere sempre o melhor e você receberá o melhor; espere o mais ou menos e você receberá. Espere o maravilhoso, o deslumbrante e a excelência e você se alinhará a essa realidade e obterá diamantes. Essas expectativas e respostas estão relacionadas ao seu impulso de se dar internamente ao seu propósito.  A vida sempre responde conforme o modo como a observamos; é um processo energético que é emitido e inexoravelmente exige um retorno.

Suas afirmações e o padrão de seus pensamentos lhe colocam em nível de atividade alinhado com as possibilidades do universo e essa resposta não tem a ver basicamente com a sua ação diante da vida. Essa reposta tem a ver com a postura vibratória e a maneira que você se coloca diante do infinito potencial. Para todo o chamado, há uma resposta. Cada energia, pensamento, sentimento ou palavra emite um sinal exato para o universo e ordeiro como ele é, nada fica sem retorno para o emissor. Muitas vezes, você sente o retorno da freqüência que emitiu em forma de energia vibrátil como uma brisa que se faz presente por alguns instantes e com força suficiente para lhe transformar de imediato. O retorno nem sempre é físico. Antes de assumir uma realidade, ele surge através de sinais, insights e sensações capazes de balançar o seu eixo sensorial de forma que você sente que seu desejo é real e está sendo administrado pelas engrenagens do universo por você e para você.

As pessoas mais generosas que conhecemos são aquelas que estão confiantes no seu destino, elas romperam com qualquer tipo de preocupação porque conhecem o caminho do retorno das recompensas. Essas pessoas se dão porque estão transbordando e esquecem que serão recompensadas pela lei do retorno. E essa riqueza espiritual reflete em sua conduta, no tratamento com o outro e na maneira cordial com que vislumbram tudo. Elas estão em franca parceria com uma rica fonte que está sempre jorrando em seu interior. 

Por Vivian Weyrich
Fonte Universo em Você

A QUINTA DIMENSÃO E A LEI DA ABUNDÂNCIA

Viver a Lei da abundância significa viver doando ao cosmos apenas o que temos de melhor, pois o Cosmos é como um grande espelho, que nos devolve na medida exata àquilo que emitimos. Na verdade o Cosmos nos provê sempre na medida em que necessitemos. Do que precisa uma rosa para ser linda? E um pássaro, do que ele necessita para ser feliz e lindo. De nada, eles apenas são, pois o Cosmos os provê a cada instante em função daquilo que eles emitem. Ajamos então como esses nossos irmãos menores, vivendo com fé, através de atitudes determinadas, acreditando firmemente que seremos providos de tudo o que nos for necessário. 

Devemos parar de gastar a vitalidade que temos nos preocupando com o futuro. Tratemos apenas das coisas do dia a dia, conforme vão aparecendo. Assim agindo, apesar das dificuldades naturais, as quais nós criamos, vamos estar sempre sendo levados a situações positivas. Na medida em que consigamos entender esse processo e controlemos a nossa ansiedade, sem dúvida nenhuma atingiremos o patamar de abundância com que sonhamos. É nesse momento que começamos a confiar em nós mesmos e a criar um senso de independência e liberdade muito grande, que darão origem à nossa autoestima. 

Já vibramos em nível de quinta dimensão, no entanto, acontece que a cada manhã, num esquema metódico quando acordamos, nos aprontamos para trabalhar e imaginamo-nos dirigindo para o serviço. Começamos assim o nosso dia, criando uma realidade tridimensional dentro da quinta dimensão. 

Nossa imaginação é poderosa! Peguemos esta energia e nos primeiros momentos de cada novo dia, criemos um dia de fartura, prosperidade e paz, nos vendo como os alunos que poderão chegar ao final desse período vitorioso. Temos de três a cinco minutos para isso, pois nesse tempo somos ainda espíritos. Façamos ali uma breve meditação, determinando que somos a mão de Deus em ação nesse plano, para auxiliar aos nossos irmãos do Mundo Maior em seu árduo trabalho, que é o de amparar aos irmãozinhos que agora começam a acordar. Dessa forma estaremos abrindo a oportunidade de sentirmos algo novo e mágico! 

A energia que nos permeia hoje circula numa velocidade incalculável, fato esse que nos pode ser de grande ajuda ou completamente prejudicial, pois, os nossos pensamentos se alinham de tal forma à Energia Universal, que recebemos imediatamente o retorno daquilo que estejamos emitindo, ou seja, significa que de acordo com o que emitirmos, estaremos recebendo e, poderemos estar recebendo a abundância que tanto almejamos ou os fracassos e angústias que conhecemos tão bem.

Emitamos então ao Cosmos e a tudo que o compõe, apenas amor... coisas boas... pensamentos bons... pois é isso o que estaremos recebendo de forma imediata. A conexão que agora temos com a energia universal que permeia a todas as coisas, não apenas os humanos entre si, mas às rochas, aos animais, aos peixes e a todas as dimensões de todos os seres, nós inclusive somos mais fortes do que jamais fomos. Assim, a nossa conexão com a abundância, acontecerá através da aceitação de que somos espíritos e parte dessa natureza e que nosso alimento é o amor.

O nosso sucesso é diretamente proporcional à intensidade de alegria e paixão, que possamos vivenciar em nosso dia a dia. Esse é o caminho da abundância. Temos então de fazer apenas aquilo que nos dê prazer, pois é isso o que irá ampliar o nosso crescimento enquanto espíritos em evolução, temporariamente encarnados. 

Assumamos seriamente esta responsabilidade, e começaremos a criar algo em nossas vidas pelo que sejamos e estejamos apaixonados. Algo que nos faça felizes, algo que crie a energia que nos permita ser de maior valia para o Universo. Pois quando nós criamos paixão ao nosso redor, é que nos transformamos no mais elevado valor possível para o Universo. E é aí que as coisas se manifestam sem esforço para nós.

Reunamos a energia de tudo o que já criamos e a ponhamos em movimento agora, nos permitindo corrigir aquilo que necessitar ser corrigido e, nos libertarmos dos apegos e dogmas que não mais nos servem. Expressemos nossa intenção de nos movermos adiante e, ao afastar-nos por um momento, contemplemos o início de nosso movimento para trás no tempo, e veremos a quem realmente somos. Não usemos o nosso pensamento racional, nem tentemos entender tudo em nossa mente.

Simplesmente permitamos que isso se torne uma parte de nós mesmos e então acontecerá! Tudo é tão mais possível agora do que antes!

É difícil compreender isso?

Não é não!

É tudo uma questão de consciencialização.
 

Muita paz e muita luz em sua vida!
Fonte Mago da Luz
  
VOCÊ ESTÁ PRONTO?

Você está pronto para entrar num universo de extremo poder?
Esse lugar está dentro de você, na intimidade do seu coração.
O que existe agora na sua vida é o resultado do que vem sentindo e pensando.
Tudo tem início dentro de você.
Esta é a regra para o processo de criar a vida que você sempre quis ter.
Existe um pequeno Eu no seu interior.
Ele pode ser seu amigo ou o pior inimigo,
 
tudo vai depender do seu relacionamento com ele.
 
Trate-o com carinho e paciência.
O tempo é relativo para a Lei da Atração: vai depender de muitos fatores contidos no seu mundo interior, não pode passar por cima de muitos anos de crenças destrutivas.
Porém, é uma estrada milagrosa que começa com o primeiro passo.
Leis imutáveis:
  • O Mundo como você o vê é o reflexo de quem você é.
  • A sua aparência física é o resultado do âmago da sua consciência.
  • Você se torna aquilo que mais pensa a seu respeito.
  • Pela física quântica, as moléculas alteram-se conforme o observador.
    Somos os centros criadores e as mensagens que enviamos são as mesmas que estão elaborando as nossas vidas.
Quer amemos ou odiemos alguma coisa, estaremos a atraí-la para a nossa vida (não existe exclusão no universo, apenas inclusão).
Quando estamos felizes com os resultados da vida, é raro prestarmos atenção à nossa vibração interior.
Só percebemos que algo precisa mudar quando os problemas começam a surgir.
 
É impossível que alguém que se sente doente encontre a cura.
 
É improvável que aquele que se sente miserável, enriqueça.
 
É duvidoso que aquele que se sente só, encontre o amor.
O espírito não consegue perceber quando está doente.
A cura vai acontecendo, passo a passo, na medida em que velhas crenças e hábitos vão sendo substituídos por uma consciência de luz.
Quanto mais alto estivermos vibrando, mais claro será o sinal que estaremos emitindo.
Uma nova consciência não conseguirá coexistir com uma vibração impaciente ou exausta.
Quando estamos  sintonizados com o nosso desejo:
    • o modo como vemos a vida dá um salto em direção à luz;
    • o espírito sorri para evidências invisíveis, porém reais;
    • os nossos julgamentos dão lugar a uma liberdade antes ignorada;
    • as nossas queixas silenciam.
O processo de atrair a realidade desejada é a arte de combinar elementos.
Nós é que fazemos o convite à Mudança!
O universo é receptivo às suas vontades.
Torne-se aquilo que mais deseja.
 
São os seus julgamentos, a maneira como vê as coisas, que o afastam ou o aproximam da realização de um desejo.
 
As pessoas com quem se relaciona e o tipo de vida que leva são uma projeção concreta do que imaginou. A consciência é a maior arquiteta do universo.
Tudo gira ao seu redor. Você é o centro.
“Os seus pensamentos, sentimentos e quadros mentais podem ser chamados eventos externos em gestação, pois de uma forma ou de outra,  cada um deles se materializa na realidade física.”
(A natureza da realidade pessoal -Seth- por Jane Roberts)
“Os seus pensamentos, sentimentos e quadros mentais podem ser chamados eventos externos em gestação, pois de uma forma ou de outra,  cada um deles se materializa na realidade física.”
(A natureza da realidade pessoal -Seth- por Jane Roberts)
Tem um Desejo?
Imagine...
Sinta...
Acredite...  
...E é seu.
Se não fosse para ser seu, não existiria o desejo.
É Deus querendo vivê-lo na sua pele.
Toda a conquista requer emoção e vibração.
Para realizar um sonho há que estar em sintonia com ele.
A minha alegria só depende daquilo a que escolho prestar atenção.
(Abraham-Hicks)
"Tudo o que somos é resultado dos nossos pensamentos." (Buddha)
 
“Qualquer coisa que a mente do homem pode conceber, pode também alcançar." 

(William Clement Stone)

"O Universo é baseado na Atração.
 
Tudo é Atração.
A maneira como se sente vai dizer-lhe se está a vibrar perto ou longe do seu desejo.”
 
(Esther Hicks)
Decida o que quer!
Pesquise, admire, escreva, construa imagens...
Use a imaginação.
Viva a sua vida como se já tivesse conquistado o que quer.
A isto se chama alinhamento vibracional.
Não se preocupe como conseguirá o seu objetivo!
Esse é um trabalho que cabe unicamente ao Universo.
A sua conexão é dentro do coração, ele mostrar-lhe-á o melhor caminho!
“É dentro de cada um que todas as perguntas são respondidas e todos os sonhos se realizam. Existe aí uma luz que lhe mostra o caminho e que faz acontecer o melhor.
Confie nessa conexão de amor que o move para que tudo dê certo...
E tudo sempre dá, magicamente, certo!”

Fonte www.hooponopoint.com
NÃO BASTA EXISTIR, É PRECISO VIVER

Não basta existir, é preciso viver. E viver é muito mais que existir.

Viver implica aprender e, para ser aprendiz, é preciso humildade para reconhecer a própria ignorância.

Viver implica educar-se para o amor, e, amando e amado, experimentar a angústia de saber-se iluminado sem sentir-se luz, vivenciando as dores e as venturas de sentir-se completo sem poder ser pleno.

Viver implica movimento. E não há movimento sem esforço e atrito.
A vida é dinâmica, jamais se estanca. Vibra serena e sem pressa, embora nunca pare para esperar quem ignore seu ritmo.

Para existir, basta estar. Para viver, é preciso ser, por inteiro. E para viver, ainda que existindo, é preciso ser estar e estar, num ser único.

Viver implica acreditar-se imortal e eterno, mesmo sabendo que nada é permanente.

Viver implica progredir, ir adiante, avançar.

Viver é existir de todas as formas e em todas as dimensões, amando cada uma delas.

Para viver, não basta ver, ouvir, pensar e falar, pois estas são manifestações da existência. Para viver, é preciso sentir, mergulhar em si mesmo e sair, novamente, para observar-se sem paixão.

Viver implica iluminar-se e, sob a luz da própria consciência, apontar os próprios defeitos e limites.

Viver implica assumir a responsabilidade pelos próprios atos, transformando-os todos em gestos de amor e compaixão.

Viver implica conhecer-se, profundamente, e, ciente de si, deixar de enganar-se, trabalhando para mudar aquilo que não está bem.

Viver implica reconhecer, no universo, o próprio lar; nas humanidades cósmicas, a própria família; na criação infinita, o próprio berço; e na natureza a própria saúde e o único sustento.

Não há vida sem troca, não há troca sem perdas, não há perdas sem ganhos, não há ganhos sem lutas, não há lutas sem dor, não há dor sem razão; e não há razão fora da vida.

Viver é muito mais que existir, mas ninguém aprende a viver plenamente sem existir, muitas vezes, de muitas maneiras.

Viver é transcender o que se pensa saber da vida, para assimilar-lhe a verdadeira sabedoria.

Viver implica arriscar-se. E o maior risco é errar.

Mas viver também implica estar certo. E a maior certeza é a de que, a cada erro, mais se pode aprender.

Para existir basta ter sangue nas veias e ar nos pulmões. Para viver, no entanto, é preciso sangrar e sufocar-se de tanto amor.

Na existência, há apenas meias verdades e grandes mentiras, enquanto a vida no conduz ao coração da única verdade absoluta.

Viver é manifestar-se sem tempo ou espaço; é ser fogo ardendo sempre, sem se queimar; é verbo que não se conjuga, apenas se pratica; é palavra que não se define, apenas se diz; é conceito que não se explica, apenas se vive.

Viver é estar no todo, sendo tudo, sem nunca esgotar-se.

Quem vive, canta por dentro, a despeito do silêncio exterior. Quem vive, existe em todos os lugares, sem pertencer a nenhum. Quem vive, busca, em si mesmo, o que deseja para o seu caminho e, quando encontra, volta a buscar.

Quem vive, não vê morte, apenas transformação; não morre, transmuta-se para a vida; não nasce, apenas passa pela morte para viver.

Viver é ir mais, mudar sempre, virar-se e revirar-se, buscar o próprio avesso, sem saber onde fica o direito.

Viver é enxergar a luz, mesmo nas sombras, e criar luz nas próprias trevas.

Viver é expandir a própria existência para além dos limites imaginados.

Viver é doar-se, sem pedir; é ceder, sem resistir; é entregar-se, sem recear.

Quem vive, renasce um novo ser todos os dias.

Quem vive, tem a própria existência traçada a lápis e recria o próprio destino, minuto a minuto, com a borracha da sabedoria e do perdão.

Quem vive, não sabe o caminho ou quando chegará, mas sabe para onde está indo.

Quem vive, continua na morte e recria-se ao nascer, sabendo que é preciso morrer para nascer e é preciso existir para morrer.

Viver é ter na própria consciência uma única história, representada por milhares de faces, nomes, episódios de milhares de existências.

Para viver, não basta existir, pois existir é pouco para um ser que nasceu para ser Deus.

- Maísa Intelisano –
São Paulo, 02 de fevereiro de 2005.

Esse texto foi inspirado espiritualmente por um amparador extrafísico, durante uma reunião do Grupos de Estudos e Assistência Espiritual do IPPB.


7 COISAS A APRENDER

1. Se esforce e tente não viver do passado. As más lembranças fazem mal porque - ao remoer as dores - sofremos novamente e isso não nos ajuda em nada! As boas lembranças podem fazer mal também, se estivermos presos a elas, ignorando que temos que viver o presente. O passado não existe mais e o futuro não chegou - viva o aqui e o agora!    

2. Assuma as rédeas da sua vida e pare de achar culpados. Enquanto você não assumir que erra, nunca irá acertar! Achar culpados pode até ser prático - pois nos dá uma sensação de leveza, mas saiba que agindo assim, nunca modificará a sua vida verdadeiramente!

3. Ninguém liga se você sabe dançar direito. Levante e dance. Na maioria das vezes quem está te olhando também não sabe. O importante é estar feliz.

4. Exceto que sua vida esteja muito boa e com muito tempo livre, cuide da vida dos outros. Caso contrário, cuide da sua vida - o que já dá muito trabalho!

5. Fique mais bonita(o) de forma rápida e barata: sorria mais. Cara fechada só faz mal.

6. Não avalie uma pessoa pelo papel social (médico, jardineiro, secretária, babá, rico ou pobre) - mas pela nobreza do seu caráter e pela bondade em seu coração. 

7. Saiba que felicidade não é um destino, mas uma forma de caminhar! Seja feliz hoje - agora! Sim, amanhã poderá não ser tão feliz, mas não importa, seja feliz sempre que puder e não invente coisas para ser feliz...simplesmente seja!

Fonte Linguagem psicológica do kyan-pô 

DEPRESSÃO E ASCENSÃO 

A depressão é algo que afeta mais e mais pessoas hoje. É uma palavra que usamos para descrever como nos sentimos quando estamos tristes, desanimados, desmotivados, inquietos, e em casos piores, sentindo-nos desesperados, impotentes e inúteis. 

Quando estamos deprimidos, é difícil ficarmos motivados para fazermos algo e podemos também, ou ficarmos muito emotivos e chorosos, ou nos sentirmos mortos e sem vida. E é algo que mais pessoas irão experimentar, enquanto expandimos os nossos campos de energia, porque quanto mais nos tornamos energeticamente conscientes e acolhemos a ascensão, maior o nosso risco de ficarmos (temporariamente) deprimidos.

Isto significa que se expandirmos o nosso campo energético, corremos o risco de ficarmos deprimidos? Absolutamente, e por várias razões. Quando estamos conscientes dos novos níveis de energia, o que significa que esgotamos as nossas conexões energéticas existentes, criamos dois fluxos separados de energia. Um fluxo consiste de nossa própria energia e o segundo fluxo é o novo e mais elevado fluxo de energia. 

Ficamos deprimidos porque os níveis mais elevados de energia comprimem a nossa energia e nos tornam muito conscientes de sua vibração menos elevada. Este processo literalmente comprime quaisquer aspectos limitantes fora de nós, para que possamos saber o que são (como se espremêssemos o creme dental de um tubo), que é porque a nossa vida parece tão sombria e “ruim”, quando estamos deprimidos. Precisamos criar uma conexão com o novo fluxo, liberando as coisas que estão diminuindo a nossa vibração, para que possamos integrar a nova energia. Os dois níveis não podem co-existir dentro de nós: temos que escolher qual é que ficará.

Quando estes aspectos menos elevados são liberados, nós os sentimos como uma energia emocional pesada, lembretes de nossas limitações, fracassos, dúvidas, confusão e a realidade que temos neste momento. Estamos plenamente conscientes de tudo em nossa vida que não está funcionando, que não nos traz alegria e que não é muito gratificante. Agora nos sentimos presos e parados – e estamos. Este é o ponto onde temos que nos alinhar com os novos níveis de energia e criarmos os canais para integrá-los em nossa realidade, para que eles se tornem a nossa nova vibração. Se estivermos muito conscientes deste processo, nós nos abrimos para novos potenciais. Caso contrário, ficamos deprimidos, sentimo-nos terríveis e podemos viajar por uma espiral de autojulgamento e medo que pode nos tornar física e mentalmente doentes.

A razão para a depressão é que não estamos mais energeticamente alinhados e plenamente conectados com a nossa energia e vibração existente. O propósito da depressão é nos ajudar a nos tornarmos conscientes das novas energias com que podemos nos alinhar. A comunidade da psicologia a define como um problema baseado na mente, mas ela é realmente energética. Quando vocês se sentem “deprimidos”, a sua energia foi comprimida e vocês estão plenamente conscientes do que pode ser liberado para ajudá-los a se alinhar e integrar as novas energias. 

Alinhamento e integração são alcançados através da meditação, da consciência, da liberação e da ancoragem. Isto nos permite nos conectarmos com nova energia e nos coloca em um nível superior de vibração energética. Enquanto isto está acontecendo, pode ser muito desconfortável e se nos lembrarmos por que isto está acontecendo, podemos usar a nossa depressão para liberarmos aquilo que não serve ao nosso desejo, para ascendermos e nos prepararmos para energias novas e de vibração mais elevada, para que se tornem a nossa nova e expandida realidade.

Por Jennifer Hoffman - Agosto de 2012

FASE DA ASCENSÃO

É quando a consciência começa a aprender a vigiar seus atos, não errar tão drasticamente e não aceitar a queda, pelos erros acontecidos.
Ela entende a si mesmo e a todos.
Não julga ninguém, inclusive seu passado!
Aprende a conviver em paz com o seu lado bom e ruim!
Ela começa a conhecer a si mesmo!
Ela aprende a equilibrar o Vigiar e o Vibrar (Orai).
Sabe que não anda só, que está sempre bem acompanhada de bons amigos espirituais, mas não faz disso uma muleta e fica sempre alerta!
É quando uma luz começa de verdade a brilhar dentro da consciência.
E aí vem a verdadeira e única defesa que nada pode acessar: O AMOR MADURO INTERNO.

Por Saulo Calderon

APEGO

O apego ocorre quando um ser prende-se a um determinado momento que pode ou não ter a presença de outro ser, de um objeto, de uma lembrança ou visão. O ser prende seu pensamento, intensificando o sentimento gerado naquele momento. 

Como podemos identificar nossos apegos? Toda vez que sua lembrança de um fato se dá, você tem um apego, que varia conforme sua intensidade. Os apegos consomem muita energia, se não tivéssemos apegos, viveríamos todo o tempo em comunhão absoluta, porque a quantidade de energia gasta é imensa. 

Existe uma intensidade e ainda um tipo de energia gerada por cada tipo de apego, aqueles acontecimentos que nos fazem estremecer, quando lembrados, retomando a energia do momento vivido, são os mais fortes, onde se perde mais energia, se este momento tem natureza de prazer, tristeza e raiva, é pior ainda, porque automaticamente revivemos aquilo que nos perturba a consciência, emitindo raios energéticos às coisas e aos seres envolvidos no acontecimento. 

Desta maneira, muitos vivem apenas para manter seus apegos, tornando-se cada vez mais presos às massas energéticas dos próprios pensamentos. Precisamos, para nos libertar dos apegos, reconhecê-los sem medo de investigar o que motivou seu surgimento.

Quando a mágoa, que é um tipo de apego ao sofrimento, instala-se, ela é o tempo todo justificada por conceitos de não realidade, como por exemplo: "Esta pessoa fez com que eu sofresse por uma atitude ruim"; isto é uma grande ilusão que prende o ser ao apego, ele justifica a quantidade de energia gasta na ilusão do apego, de modo a mantê-lo até que sua consciência esteja sufocada e ele precise da misericórdia divina para ampará-lo, assim, devemos aos apegos e desejos toda nossa falta de capacidade de iluminação consciencial. 

Devemos identificar nossos apegos, começando com aqueles que consomem mais energia e geram sentimentos e pensamentos mais densos, como a paixão, a saudade, a tristeza, a raiva, o rancor, a agressão. Aquilo que muitos chamam de amor pode ser causa de grande apego, uma vez que nossa consciência não deixa ver que isto é, na realidade, desejo x ego. O amor não gera apego, não tem essa característica, o amor ilumina a alma, ao invés de aprisioná-la.

Devemos ir ao fundo de nossas consciências sempre que estamos lembrando-se de acontecimentos passados, e ainda precisamos perceber que não podemos justificá-los pairando em nossas mentes, consumindo nossa energia. 

Assim, pensou em algo, investigue, sem colocar sentimento nesta ação, apenas olhe e fortaleça suas bases no darma para perceber a ilusão comendo sua energia, se sua compreensão lhe negar a resposta da ilusão, apenas disperse o pensamento e, em oração, visualize por dez vezes o rosto de algum mestre em que tenha fé e peça para esquecer, por que você não quer mais perder energia com aquilo, pois intimamente sua alma sabe que a ilusão está procurando roubar sua energia. 

É assim que você se liberta primeiramente do sentimento e depois do apego, se você não esquecer esta prática, você pode se libertar em média de um apego sério por mês. 

Saiba ainda que todo apego foi gerado por um desejo, então, controle seus desejos, pare de olhar para a ilusão achando-a bonita, faça sua escolha, liberte-se, ou caminhe mais. 

O desejo conduz ao apego, pois tudo que desejamos é uma ilusão, se desejamos um corpo, teremos apego a ele, e nossa alma ficará sofrendo a falta dele quando o corpo perecer. 

Se nos apegamos ao sofrimento, é por termos desejado uma atitude nobre que não foi correspondida por parte da outra pessoa, a atitude deve partir de nossa alma, nela está à força, não na mágoa. 

Se desejarmos o mundo físico ou astral, seremos mundo, então, contrariamos nossas almas e estamos sujeitos ao dual. 

Amor, Paz e Luz são reflexos iguais, além de tudo e em tudo, Pai-Mãe Amado.

O Apego da Mente Vem da Dualidade

A dualidade é que nos faz tomar decisões o tempo todo, desenvolvendo conceitos de certo e errado. No entanto, precisamos da mente para perceber os caminhos que levam ao acúmulo de energia que amplia a consciência além da mente. Se nossa mente gasta grande quantidade de energia desenvolvendo conceitos e, pior, se apegando a eles e procurando defendê-los, cometemos o erro de nos manter estagnados em relação à nossa parte eterna, a alma. 

Desta forma, precisamos conduzir nossa força mental sem nos apegarmos aos termos que usamos para nos conduzirmos no mundo dual, desenvolvendo a capacidade de não prender a mente em algum aspecto que vivemos ou vivamos, seguindo sempre superando até que, tendo a mente optada por examinar, examine os melhores caminhos através dos exemplos que estiverem aqui para estabelecer darma, compreendendo que é necessário agir no darma, e assim fazendo, perceba que precisa acumular energia para transcender, aquietando tudo que passe por ela na intenção de ser instrumento da alma, então, a mente se dissolverá em alma. 

Mente é, como o corpo, um instrumento para que o ser manifeste sua alma consciente e evoluída, assim como o corpo, a mente padece a seu tempo, levando as informações adquiridas ao local de sua origem, somente o aprendizado consciencial é que continua eternamente com o ser. 

Tenha boa vontade em aprender, não se defenda das lições que o Pai-Mãe Amado colocou em seu caminho, observe-as e aprenda onde seu apego está, liberte-se dele e prossiga por amor e verdade. 

Luz, Paz e Amor.

Irmãos de Órion

Fonte http://templodeyris.com.br/nova_era/reforma_intima/apego/apego.htm

A GRANDE VIAGEM DO ESPÍRITO: A VIDA!
A vida não espera. 
Por onde você for o tempo não pára, mesmo que você queira. 
O que ficou, ficou...
O que se foi, passou...
É a vida em movimento. Somos viajantes eternos em suas trilhas.

Parece que somos passageiros na eternidade, mas a verdade é outra: somos eternos dentro do temporário. Ou seja, somos o eterno no movimento da vida que segue...
Na natureza, tudo passa! O traço característico da existência é a impermanência. 
As coisas mudam, sim, mesmo que você não queira. Pessoas e situações vão e vêm em nossas vidas, entram e saem na esfera de ação do nosso viver. Isso é assim mesmo! 
Há um tempo para tudo: o amanhecer, o meio-dia e o anoitecer. Da mesma forma, há um tempo para semear e colher; nascer, viver, partir, renascer e seguir...

Tudo passa! O que marca é a experiência adquirida.
As culpas e mágoas também passam! 
No rio da vida, as águas do tempo curam tudo, pois diluem no eterno as coisas passageiras.
As coisas estranhas que aconteceram, os dramas que rolaram e as palavras que feriram também passam... se você permitir. Sim, se você se permitir notar que o tempo leva tudo, e que a vida segue... mesmo que você esteja emburrado agora.
Aquele ranço antigo ou aquelas emoções apagadas que, vez por outra, bloqueiam a sua alegria, fazem parte do que é temporário, mas você é eterno. 
Essas emoções passam por você, mas que tal virar o jogo? 

Que tal passar por elas, sem se deter, apenas tirando a experiência e seguindo na vida?
Sim, tudo passa mesmo! As estações se sucedem no tempo certo: primavera, verão, outono e inverno. Isso não é bom ou ruim; é apenas natural. Como é natural o espírito imperecível entrar e sair dos corpos perecíveis ao longo da cadeia reencarnatória. Como é natural seguir para frente, pois o tempo não pára e a vida segue...
E, do centro da Consciência Cósmica, o Grande Arquiteto Do Universo, o Supremo Comandante de todas as vidas e de todos os tempos sorri e diz a todos:
"Tudo passa, menos o Meu Amor por todos.

As experiências vão, mas o aprendizado fica.
É impossível deixar de existir, pois a evolução é inevitável!
Todos estão destinados à Consciência Cósmica, mesmo que não entendam isso agora. Porém, se o desentendimento é passageiro, a felicidade advinda do processo de evoluir continuamente será imperecível.
Tudo a seu tempo! 
Enquanto evoluem e aprendem a arte de viver, passem e vivam... e não se detenham até alcançar a meta!
O Amor é o que vale"!


Por Wagner Borges

A IMPERMANÊNCIA

O Segundo Nobre Pensamento que nos foi entregue pelos Mestres do Tibet, fala-nos a cerca da Impermanência de todas as coisas.

“Tudo passa” já dizia o amado Samael Aun Weor.

Compreender a essência mesma da impermanência leva-nos a aprofundar nossa reflexão acerca da fragilidade da vida. É da natureza da mente ordinária fixar-se àquilo que lhe traz prazer e rejeitar o que lhe traz desprazer.

Tanto o fixar quanto o rejeitar fortalecem a dualidade da mente, afastando-nos ainda mais de nossa natureza imaculada. O sofrimento nasce e se fortalece na dualidade da mente.

Quando vivemos momentos de alegria, imediatamente tentamos perpetuar esta alegria. Fazemos um tremendo esforço para afastar tudo que pode prejudicá-la e sofremos quando esta alegria se esvai feito nuvem ao vento.

Da mesma forma, quando qualquer situação da vida surge para ameaçar a frágil alegria de nossa frugal existência, a mente a rejeita violentamente, gerando novamente dor e sofrimento pelo temor do que pode vir a ocorrer.

Somos como crianças que constroem castelos de areia à beira da praia. Por mais que cerquemos nossas vidas de segurança, tais como planos de saúde, prosperidade, bens materiais, amigos, familiares, cultura esotérica ou religiosa, avanços científicos e comodidades, dia chegará que esses castelos serão varridos pelos ventos do karma.

Basear nossa alegria e felicidade em pessoas ou bens materiais é viver como um tolo que constantemente nega a realidade. No universo tudo é impermanente, menos o karma, o infinito e as próprias mudanças.

Na vida há momentos de amargura, tristeza e dor, mas também há momentos de alegria, paz e abundância. O sábio, o iniciado, jamais se prende a nenhum desses momentos, pois sabe que tudo isso é impermanente.

O sábio vive sua existência intensamente aprendendo a extrair o néctar precioso da amargura, da tristeza, da paz, da alegria, da dor e da abundância que todos, sem exceção, um dia chegam a conhecer em maior ou menor grau. 

Este néctar é a luz que norteia os iluminados. Beber deste néctar é entrar no rol das mentes despertas que claream os caminhos escuros pelos quais trilham os homens, deuses, bestas e animais.

Sentimos profunda tristeza ao ver como as pessoas de nossos dias fixam suas mentes na fragilidade da beleza física. Como loucos, vivem fascinados e apegados a seus corpos e fazem de tudo para perpetuar a beleza ilusória. Querem perpetuar a forma para dela extaírem mais prazer e ilusão. 

Adulteram a natureza, iludem a natureza, deformam a natureza e com isso seguem fixados e absortos na fantasia de que serão mais felizes agindo dessa maneira. 

Pobres homens, se ao menos soubessem quão grande será o sofrimento que os aguarda! Pobre humanidade! Triste realidade a de nossos dias!

Ao contrário de se prepararem em vida para receber a morte com sabedoria, alegria e paz, vivem insanamente acreditando que a morte nunca os alcançará.
Cuidar do corpo, Templo sagrado, é obrigação. Embelezar o externo e ignorar o interno é profanação.

A Impermanência varre, sem exceção, todos os sonhos, fantasias, esperanças e crenças desprovidas de fundamento. A impermanência, na verdade, varre tudo, menos a mente desperta e iluminada, pois esta transcendeu o tempo e não está mais sujeita à forma.

Refletir sobre a impermanência de nossas vidas leva-nos a compreender a urgência de se trabalhar sobre o despertar. O tempo é uma ilusão criada pela mente ordinária. Enquanto nossa vida permanecer fundamentada na mente ordinária seremos escravos do tempo e sentiremos sua força implacável.

Basta lembrarmos de nossa vida há 10, 20 ou 40 anos. O que fazíamos então?
O tempo passou tão rápido e em nossa memória restaram apenas os fragmentos deste passado.
Onde estaremos nos próximos 10, 20 ou 40 anos? Quanto tempo resta-nos para despertar? Não sabemos. 

Hoje temos saúde (para alguns um tanto frágil) suficiente para ler, estudar, refletir e praticar os ensinamentos recebidos. Amanhã, podemos não tê-la.

Hoje podemos caminhar, praticar esportes, ler, meditar. Amanhã podemos estar numa cama, numa cadeira de rodas, num hospital, num caixão. 

Certo é que isto ocorrerá com todos nós. Na melhor das hipóteses essas coisas passarão conosco daqui a 20, 30 ou 50 anos. Mas, também pode ser que os ventos do karma adiantem tudo isso para amanhã, para daqui a 1 semana ou 1 ano.

Devemos usar o tempo que nos resta para trabalhar intensamente todos os dias, várias horas por dia, para cristalizar em nós a mente iluminada e desperta. 

É inevitável que o tempo, dia a dia, mês a mês e ano a ano, nos aproxima da morte. 

Ao olharmos para o passado veremos que trilhões e trilhões de homens e mulheres já viveram neste planeta. Homens de glória e de poder. Vidas repletas de prazeres fulgazes. Imperadores, reis, poetas, médicos, estadistas, generais, etc.

Onde está tudo isso? Virou pó, nada mais do que pó. Em pouco tempo desconhecido para nós, nossa existência será mais um minúsculo grão de areia que se juntará a esta montanha infinita de ilusões que fazem a história humana.

Receber a morte sem ter se preparado em vida é a maior tristeza que um homem pode colher de toda uma existência de afazeres. Não há desperdício maior do que uma vida que não caminhou rumo à iluminação. Não há.

Reflita, caro amigo, por favor, reflita. A morte virá como resultado da impermanência de sua vida. Tudo que tu amas deixará de existir. Todos que te amaram e todos a quem tu amaste não poderão evitar isso. Somente tu e ninguém mais poderás lidar com isto.

Quando a morte se aproxima, toda uma vida se ilusões é despedaçada, pois a fragilidade de nossa existência é exposta claramente. Em que te agarrarás se dedicaste tua vida somente ao material, às crenças, ao gozo e ao apego a tudo que é bom e passageiro.

Se tiveres sorte, a morte te colherá com perfeita lucidez e sem dor. Mas o futuro não nos pertence. É comum que a velhice saliente e aponte com uma precisão desconcertante toda a nossa fragilidade. 

A solidão, o medo, a tristeza, o desespero, a dor, o apego, a ansiedade e muitos outros sentimentos difíceis são bem comuns entre aqueles que vêem a morte se aproximar. 

A velhice e a morte sempre nos obrigam e lidar com a difícil situação de sentir, aos poucos, nosso corpo ruir feito argila despedaçada. 

Pode ocorrer que nossas funções normais e comuns comecem a se degenerar. Podemos até perder a capacidade de fazer nossa própria higiene pessoal. Via de regra, toda a fragilidade de uma vida se expõe cruamente quando a morte envolve-nos com seu manto sagrado.

O resultado da impermanência e do pespreparo de se lidar com isso é um sofrimento atroz que o homem faz questão de ignorar tanto para si quanto para os que lhe rodeiam. Somente aqueles que, por circunstâncias, viveram bem próximos e intensamente os últimos anos e dias dos que estão perto da morte, podem avaliar a dureza, a crueza e a tristeza desses momentos. É comum que as pessoas que presenciam isso nunca mais voltem a ser as mesmas.

Não precisa ser assim, acredite! Não deve ser assim!

Uma existência voltada para a espiritualidade pode transformar o sofrimento dos últimos anos e últimos momentos na mais repleta doçura. A dureza e a crueza desta realidade podem fazer desabrochar por completo a flor da iluminação que, durante todos anos, foi regada e bem cuidada diariamente. 

A morte é inevitável. Entretanto, se vivermos a vida com sabedoria e buscarmos imediatamente o DESPERTAR, receberemos a morte com grande dignidade e alegria. O sábio, o desperto, não vê a morte com tristeza, medo ou dor. A morte é a grade libertadora que conclui com magnificência todo o trabalho de uma vida. Na verdade, a morte é a liberação final dos que, em vida, buscaram a perfeição. É a conclusão e o coroamento da iluminação.

Assim, compreendendo profundamente a impermanência de todas as coisas, nos damos conta quão preciosa é a vida e quão importante é usá-la para buscar o despertar.

Aqueles que despertam completamente se libertam da impermanência, pois suas mentes e almas se fundem à Força Geradora que mantém a impermanência em perpétua permanência.
Benditos sejam amigos.

Por Daniel Ruffini

TENTE ENCONTRAR BENÇÃO EM TODO LUGAR

A partir deste momento, comece a ver tudo como uma benção. E quando digo tudo, quero dizer tudo.

Mesmo quando às vezes você sente dor, ela pode ser uma benção. Você pode não entender, mas há uma benção.

Um dia você compreenderá e verá que foi uma benção, que foi algo necessário, absolutamente necessário, que o ajudou a crescer.

Até o sofrimento é uma benção. Ele purifica, ajuda você a ficar integrado, afasta de você a infantilidade, ajuda-o a amadurecer. Certa maturidade brota do sofrimento.

Olhe bem, observe, e tente encontrar benção em todo lugar. Às vezes ela está sob disfarce, outras vezes não completamente disfarçada, e outras totalmente nua. 

Mas, se você observar, perceberá que ela está sempre lá — no sucesso, no fracasso, na dor, no prazer, na vida e também na morte. Está presente no verão, no inverno, na juventude, na velhice. Está na saúde, na doença.

Chamo de religioso o indivíduo que consegue ver benção em todo lugar e não encontra um único lugar, um único ponto que não seja uma benção.


Por Osho

CUIDADO COM A MEMÓRIA DE SUA CASA

O padrão vibratório de uma casa tem relação direta com a energia e o estado de espírito de seus moradores. Tudo o que pensamos e fazemos, as escolhas, os sentimentos, sejam bons ou ruins, são energias. O resultado reflete nos ambientes, pessoas e situações.

O corpo é nossa primeira morada e nossa casa, sua extensão. É ela que nos acolhe, protege e guarda nossa história. Da mesma forma que limpamos, nutrimos e cuidamos da vibração de nosso corpo, devemos estender esses cuidados e carinhos ao lar. 
Mais que escolher o imóvel e enfeitá-lo com móveis e objetos - muitas vezes guiados apenas por modismos ou pura praticidade -, a elaboração da atmosfera de um ambiente é importante porque reflete a personalidade de seu dono, dando pistas sobre seus gostos, estilo de vida, história e sonhos.

Há quem acredite que, colocando cristais, sinos de vento, fontes, espelhos, instrumentos do feng shui, é possível atrair bons fluídos e equilíbrio para dentro de casa. 
Mas, é muito pouco, pois a personalidade de um ambiente vai além. 
Ela é conseguida dia após dia, não apenas com técnicas, mas com pequenos atos de carinho e com muita energia boa.

Além de atrair bons fluídos para nosso lar, temos todas as condições de criá-los no interior do próprio ambiente. O conjunto de pensamentos, sentimentos, estado de espírito, condições físicas, anseios e intenções dos moradores fica impregnado no ambiente, criando o que se chama de egrégora.

Você, com certeza, já esteve em uma residência ou ambiente onde sentiu um profundo bem-estar e sensação de acolhimento, independe da beleza, luxo ou qualquer outro fator externo. Essa atmosfera gostosa, sem dúvida, era dada principalmente pelo estado de espírito positivo de seus moradores. 
Infelizmente, hoje em dia, é muito mais corriqueiro entrarmos em ambientes que nos oprimem ou nos dão a sensação de falta de paz e, às vezes, até de sujeira, mesmo que a casa esteja limpa. 
A vontade é ir embora rapidamente, ainda que sejamos bem tratados.

O que poucos sabem é que as paredes, objetos e a atmosfera da casa têm memória e registram as energias de todos os acontecimentos e do estado de espírito de seus moradores. 
Por isso, quando pensar na saúde energética de sua casa, tome a iniciativa básica e vital de impregnar sua atmosfera apenas com bons pensamentos e muita fé. Evite brigas e discussões desnecessárias. 
Observe seu tom de voz: nada de gritos e formas agressivas de expressão. 
Não bata portas e tente assumir gestos harmoniosos, cuidando de seus objetos e entes queridos com carinho.

Não pense mal dos outros. 
Pragas, nem pensar! 

Selecione muito bem as pessoas que vão frequentar sua casa. 
Festas, brindes e comemorações alegres são bem-vindas porque trazem alegria e muita energia, mas cuidado com os excessos. 
Nada de bebedeiras e muito menos uso de drogas, que atraem más energias.
Se você nutre uma mágoa profunda ou mesmo um ódio forte por alguém, procure ajuda para limpar essas energias densas de seu coração. 
Lembre-se que sua casa também pode estar contaminada.
Aprenda a fazer escolhas e determine o que quer para sua vida e ambiente onde mora. 
Alegria, amor, paz, prosperidade, saúde, amizades, beleza já estão bons para começar, não é mesmo?

Reflita sobre como você vive em sua casa, no que pensa, como anda seu humor e reclamações do seu dia-a-dia. Tudo isto interfere no seu astral.
Coloque os pensamentos em dia e utilize flores naturais em sua casa. 

Por Franco Guizzetti

VOCÊ DEIXA AS COISAS BAGUNÇADAS E ACUMULA COISAS INÚTEIS?
Já perceberam que muitas vezes temos o hábito de guardar e acumular coisas, muitas delas desnecessárias?  Juntamos caixas vazias, potes de maionese, roupas que não servem mais e assim por diante.
Não, talvez não guardemos coisas e sim, deixamos sempre desorganizadas aquelas do uso diário! São gavetas entulhadas, sapatos desarrumados e livros espalhados.
Quem sabe façamos as duas coisas! Pronto, o caos está instalado! Normalmente, prometemos a nós mesmos que no próximo domingo iremos organizar tudo, o que não usamos, vamos jogar fora, doar, reciclar. O domingo chega e deixamos para a outra semana, adiando infinitamente, mas toda vez que nos deparamos com essas coisas, sentimos um certo incômodo! É bom lembrarmos que tudo na nossa vida externa é reflexo de nosso universo interno! Quando nos damos conta desse processo, passamos a aprender ao invés de lastimar!
Então, o primeiro passo é observar que tipo de objeto nós guardamos e/ou o que deixamos desorganizado?
Em seguida, devemos nos perguntar o que estes objetos ou lugares representam para nós? Por exemplo, se acumulamos coisas do tipo potes, garrafas, caixas e sacos plásticos sempre imaginando que poderemos precisar deles "um dia".
É bom perceber a nossa insegurança em relação ao futuro e esta é uma ação que vai contra a lei da prosperidade, pois declaramos  para o universo que não confiamos que ele nos proverá de tudo que necessitamos!
Talvez a gente guarde roupas antigas, sapatos, bolsas e bijuteiras também imaginando usá-los "um dia", mas muitas vezes, são estas mesmas coisas que nos ligam a um passado que não queremos esquecer nem nos desapegar.
Olhando para estas coisas, pensamos como nossa vida era boa quando usávamos tal coisa, estávamos mais magras (os), mais satisfeitas (os) porque estudávamos ou porque tínhamos tal idade e hoje não nos sentimos satisfeitos com esse corpo, com nosso desempenho de uma maneira geral.
Às vezes, guardamos fotos, bilhetinhos e até ingressos de shows e cinema! Novamente, a ligação com o passado e, hoje, sentimo-nos desanimados e desmotivados. É porque nossa energia fica lá, na história passada e não a colocamos no lugar devido que é: o aqui e agora. Quem sabe nosso problema não seja esse, mas deixamos as coisas de uso diário bagunçadas e desorganizadas!
Mais uma vez precisamos observar o que e onde fica bagunçado. Podem ser nossos sapatos e devemos nos perguntar, como vai nosso "caminhar"? O que realmente estamos fazendo para nos desenvolver em todas as áreas de nossas vidas? 
Se deixarmos nossos livros e cadernos em desordem, precisamos perceber nossa dificuldade em dar atenção ao nosso estudo, em priorizá-lo. Talvez seja o curso de inglês que sempre sonhamos fazer, terminar nossos estudos ou fazer uma especialização.
Muitas vezes, conseguimos arrumar todas as gavetas e partes do guarda- roupa, mas as peças íntimas estão sempre bagunçadas! Como anda nossa vida sexual? Permitimo-nos desenvolver nossa sexualidade com alegria?
Quem sabe a bagunça esteja na caixa de remédios com muitos até vencidos e devemos perceber como cuidamos de nossa saúde, talvez precisemos ir a um médico, mas estamos com medo!
São infinitas possibilidades de aprendizado! O mais importante é percebermos que quando as coisas se acumulam e/ou se desorganizam, a energia fica parada! As coisas não fluem e costumamos reclamar que nossa vida não anda como gostaríamos!
Vamos fazer essa experiência? Observe o que está acumulado e/ou desarrumado, traga para você e localize na sua vida onde isso se relaciona e procure alternativas na vida prática para mudanças efetivas!
Você vai se surpreender com os resultados!  Se desejar me escrever contando sua experiência, vou adorar! 
Caso tenha dificuldade em fazer sozinha (o) me escreva, pois terei o imenso prazer em lhe ajudar!
Um forte abraço a todos!
Por Cacilda Zeraik
Psicoterapeuta Transpessoal e Psicanalista Holística
VOCÊ É...

Você é forte
quando pega sua mágoa e ensina a sorrir.

Você é corajoso
quando supera seu temor e ajuda os outros a fazer o mesmo.

Você é feliz
quando vê uma flor e se vê abençoado.

Você é amoroso
quando sua própria dor não lhe faz cego à dor dos outros.

Você é sábio
quando conhece os limites de sua sabedoria.

Você é verdadeiro
quando admite que há vezes em que você se engana.

Você está vivo
quando a esperança de amanhã significa mais a você do que o erro de ontem.

Você é livre
quando têm o controle de si e não deseja controlar os outros.

Você é honrado
quando descobre que sua honra é honrar os outros.

Você é generoso
quando pode receber tão docemente quanto você pode dar.

Você é humilde
quando você não sabe como pode ser humilhado.

Você é atencioso
quando vê nos outros exatamente como eles são, e os trata exatamente como você é.

Você é misericordioso
quando perdoa nos outros as faltas que você condena em si mesmo.

Você é belo
quando não precisa que um espelho lhe conte.

Você é rico
quando nunca precisa mais do que o que você tem.

Você é você
quando está em paz com quem você não é. 

Autor Desconhecido

O PODER DAS ESCOLHAS

Todos nós passamos por momentos de escolhas em nossas vidas, mas não existem escolhas certas ou erradas, existem apenas escolhas, a diferença é; com que lucidez você faz suas escolhas e onde elas estão apoiadas? Se estiverem apoiadas em um mundo de sensações e prazeres passageiros e ilusórios, estas escolhas te levarão para este mundo de sensações e prazeres passageiros e ilusórios, isso é sofrimento, este é o poder de Maya (a Ilusão) e Mara (o desejo) que te seduzem, mas se você fizer escolhas conscientes e estiver sempre atento (a) ao seu coração e sua intuição e não se deixar levar por formas e aparências e desejos e prazeres mundanos, então você estará refinando suas escolhas e se sintonizando com planos mais elevados e luminosos, porém até onde podemos nos elevar e nos sutilizar? Até o infinito; até a transformação total, na eliminação de todos os nossos desejos e egoísmos mundanos e celestiais, SIM!!! Celestiais Também!!! Pois qual a diferença daquele que cobiça fortunas na terra ou posições nos céus? Nenhuma!!! A diferença aqui é o objeto de desejo, neste caso, um mais abaixo e outro mais acima, um mais grosseiro e outro mais sutil.

Cobiça, Ira, Luxúria, Gula, Avareza, Medo, Inveja, Vaidade, Poder, Amor Próprio, Auto Considerações, Auto Importância (meditem detidamente em cada uma destas palavras que foram escritas atrás com toda a paz e serenidade de vossas almas), todos estes estados psicológicos te levam para as prisões de Mara e Maya (a Ilusão), sejam em planos mais grosseiros ou em Planos mais sutis.

Ao decorrer de uma ou mais vidas se você continuar a fazer as escolhas que te ancorem em seu coração e sua intuição; e gradativamente eliminar os defeitos e imperfeições que carrega em sua psicologia, então aos poucos você se elevará e se tornará mais sutil, mais radiante, mais luminoso(a), mais manso(a), porém; ainda sim, continuará desejando, mas já em outra esfera longe desse mundo denso e corrompido ao qual vivemos.

Quando seu corpo, seus sentimentos e sua mente finalmente transcenderem todos estes estágios, então seu Ser se diluirá em todos os seres; e na não existência; e se tornará o nada que faz o todo existir.

Seu ser se fundiu a Consciência Cósmica e a transcendeu para não mais Ser, compreendes, o maravilhoso ritmo da não existência?

Sua alma e ser neste estágio integraram-se e se fundiram no tudo que nada é  passando a gerar vida a todas as existências e materialidades dos mundo abaixo na criação e manifestação de Deus ou do Universo que se manifesta no que hoje é, e no que hoje estamos.

Então querida alma buscadora, saiba que tudo começa com suas escolhas no aqui e no agora; e que é o grau de consciência que você coloca em suas escolhas que podem te elevar para um estado de Céu ou podem te submergir em um estado de inferno, turvo, na Turba do Mundo; pouca ou nenhuma consciência colocada em suas escolhas te levará inevitavelmente ao sofrimento. Um estado psicológico deformado e distorcido é causado pela ignorância e pelo desconhecimento das Leis Cósmicas e Universais. Consciência objetiva e direta te eleva para o grande alento Cósmico, para o real ritmo, cadência e pulsar Universal.

Você escolhe; você sempre tem a preferência de suas escolhas.

Ame, caminhe leve, sem medos, sem traumas, sem dúvidas e atento(a), seja a brisa suave das manhãs ou o perfume sutil das rosas, por onde passar silenciosamente leve amor e luz e eleve a esse estágio todos que estiverem a sua volta.

O senhor abençoado Krishna tocando toda essa manifestação e totalmente integrado e conectado neste estado puro de contemplação Crística e Cósmica diz: "Após muitos nascimentos e mortes, aquele que tem verdadeiro conhecimento rende-se a mim, sabendo que sou a causa de todas as causas e de tudo que existe. É muito raro encontrar semelhante grande alma". (Bg. 7.19)

Namastê

Paz Inverencial
Fiat Lux

Fonte http://musicasmmsorge.blogspot.com

APRENDA A OLHAR

Na verdade não são os acontecimentos que nos fazem sofrer. Sofremos pela maneira como olhamos para os acontecimentos. 
Pe. Léo

Imagine-se andando por uma calçada com os braços carregados de pacotes e alguém colide brutalmente com você, fazendo-o cair e esparramando seus mantimentos. Quando você se levanta do meio de ovos quebrados, suco espalhado pelo chão, está pronto para gritar: "Idiota! O que há de errado com você? Está cego?"

Mas, bem antes que tome fôlego para falar, você percebe que a pessoa que colidiu com você é realmente cega. Ela também está estirada no meio dos mantimentos espalhados e não consegue se levantar, pois sua bengala está jogada no chão.

A raiva pelo tombo passa na mesma hora. Imediatamente seu coração é tomado por uma compaixão e pela demonstração de simpatia e caridade. Você logo se oferece para ajudar a pessoa a se levantar. Com certeza, pede desculpas e se preocupa em saber se a pessoa se machucou, se precisa de cuidados.

Esse é um lindo retrato de nossa vida. Quando percebemos claramente que a fonte da desarmonia e da miséria no mundo é a ignorância a respeito da dor e  do problema do outro, podemos abrir a porta do coração e permitir que a graça de Deus aconteça em nós e através de nós.

Nossa forma de olhar...

Uma das maiores causas - senão a maior - de nosso sofrimento é a maneira como enxergamos a vida e tudo aquilo que nos acontece. Na verdade, não são os acontecimentos que nos fazem sofrer. Sofremos pela maneira como olhamos para os acontecimentos. Todo ponto de vista é a vista a partir de um ponto. Quando privilegiamos um ponto negativo, passamos a enxergar tudo com as lentes da negatividade.

O pior não está nem tanto no olhar negativo, mas na concentração estragada, encardida do olhar. Precisamos aprender a olhar a vida pela ótica da compaixão. Para isso, necessitamos de alguns exercícios contínuos de aprendizado do olhar:

- Olhar a vida como dom e presente a ser cultivado; como graça que precisa ser acolhida com responsabilidade e gratidão. 

- Olhar a morte com a serenidade de quem sabe por que vive. Aliás, só tem dificuldade de olhar a morte quem não aprendeu a saborear a vida.

- Olhar para si mesmo com paciência e generosidade. Às vezes é mais fácil ser generoso com os outros do que com a gente mesmo.

- Olhar para os outros sem as armas que costumamos trazer escondidas no coração: o preconceito, a inveja, o medo, o ciúme. Devemos olhar para os outros como convites para a nossa própria melhora.

- Olhar para as coisas dando-lhes o devido lugar. Nada nem ninguém que esteja fora do coração humano é capaz de preenchê-lo. As coisas são instrumentais que nos ajudam, mas não podem ser absolutizadas.

- Olhar com caridade para aqueles que nos machucam - caridade suficiente para compreendermos que, assim como nós, são pessoas limitadas, fracas, falhas, sujeitas aos dissabores da vida.

- Olhar com gratidão para as pessoas que nos amam, procurando corresponder a elas. Saber-se amado é gota fundamental de cura, em qualquer tempo, para qualquer idade.

É preciso perseverança para mudarmos o nosso olhar. Tem muita coisa que gostaríamos de mudar em nós que só depende de nós, mas que ainda não conseguimos. Há outras em que precisamos de ajuda para podermos ver melhor. Temos que abrir mão do orgulho e aceitar que precisamos mudar.

Uma visão bem humorada

E olhe com humor, pois ele é fundamental para o equilíbrio humano. Ele nos dá a graça de tomarmos distância de nós mesmos e dos acontecimentos. Ele nos permite colocar todas as coisas em perspectiva e tirar o tom dramático que projetamos nos acontecimentos.

O humor ajuda a ver a vida olhos novos, com novos pontos de vista. O humor realça as incertezas de nossa vida, mostrando-nos que ela não é previsível.

Viver é acolher cada dia como novo - completa e absolutamente novo. O humos nos ajuda a perceber que as coisas são relativas. Quem é muito sério e levas as coisas desta maneira, acaba se achando muito importante e por isso não gosta do humor, que põe em risco a máscara, a couraça, a casca que reveste o balão do orgulho prepotente. O humor ajuda a desinchar o balão, pois quebra a casca.

Fonte Do livro "Gotas de Cura Interior" 

O EQUILÍBRIO NA VIDA 

Imaginem a vida como um jogo, no qual vocês fazem malabarismos com cinco bolas que lançam ao ar. Essas bolas são: trabalho, a família, a saúde, os amigos e o espírito.
O trabalho é uma bola de borracha. Se cair, bate no chão e pula pra cima. Mas as outras quatro são de vidro. Se caírem no chão, quebrarão e ficarão permanentemente danificadas.
Entendam isso, e busquem o equilíbrio na vida.
Como?

Não diminuam seu próprio valor, comparando-se com outras pessoas. Somos todos diferentes. Cada um de nós é um ser especial.

Não fixem seus objetivos com base no que os outros acham importante. Só vocês estão em condições de escolher o que é melhor para vocês próprios.

Dêem valor e respeito as coisas mais queridas aos seus corações. Apeguem-se a elas como a própria vida. Sem elas a vida carece de sentido. Não deixem que a vida escorra pelos dedos por viverem no passado ou no futuro.
Se viverem um dia de cada, viverão todos os dias de suas vidas;

Não desistam se ainda são capazes de um esforço a mais. Nada termina até o momento em que se deixa de tentar. Não temam admitir que não são perfeitos;

Não temam enfrentar riscos.
É correndo riscos que aprendemos a ser valentes.

Não excluam o amor de suas vidas dizendo que não se pode encontrá-lo. A melhor forma de receber amor é dá-lo. A forma mais rápida de ficar sem amor é apegar-se demasiado a si próprio. A melhor forma de dar amor é dár-lhe asas;

Não corram tanto pela vida a ponto de esquecerem onde estiveram e para onde vão;

Não tenham medo de aprender. O conhecimento é leve. É um tesouro que se carrega facilmente;

Não usem imprudentemente o tempo ou as palavras. Não se podem recuperar;

A vida não é uma corrida, mas sim uma viagem que deve ser desfrutada a cada passo.


Autor Bryam Dyson

O  ETERNO AGORA

Toda a felicidade e realização que os seres humanos anseiam existe no momento presente. No agora, o tempo pára de existir e nós experimentamos uma presença que é toda absorvente, completamente em paz, e totalmente satisfatória.

Nada pode estar mais próximo do que o presente, no entanto, nada nos escapa mais rápido. Em um instante a nossa mente nos leva para longe em memórias do passado ou fantasias sobre o futuro. Ou nós podemos nos perceber em uma corrida contra o relógio, sentindo como se nunca existisse tempo suficiente. Nós dizemos coisas como “O tempo está voando”, “O tempo está se acabando”, ou “Nunca existem horas suficientes em um dia.”

De algum modo nós nos esquecemos que escolhemos se queremos que o tempo seja nosso inimigo ou um aliado. Nós podemos mudar de uma percepção presa ao tempo para uma percepção atemporal… para o êxtase que somente pode ser encontrado no momento presente. Se você quer ter todo o tempo do mundo, você pode treinar a si mesmo através das seguintes práticas simples:

Mergulhe na fonte da consciência. O modo mais efetivo de viver no fluxo da atemporalidade é a meditação. Conforme você medita, a sua consciência desperta dentro de si mesma. Com a prática regular da meditação, a testemunha silenciosa interior se satura e ilumina a mente, de modo que esta não olhe mais para o passado ou para o futuro em busca de realização. Ela experimenta paz e liberdade no interior de si mesma, a todo o momento.

Pratique o prestar atenção. Durante o seu dia, quando notar que seus pensamentos se dispersaram, volte para onde você está. Instantaneamente você verá porque se distraiu, seja porque estava entediado, ansioso, vivendo no passado, ou antecipando o futuro. Não julgue a si mesmo; simplesmente retorne sua atenção para o que está na sua frente nesse momento.

Sinta as sensações do seu corpo. Enquanto que a mente vive no passado e no futuro, o corpo vive no agora. Conectar-se aos sentimentos do seu corpo faz com que você retorne à consciência do momento presente.

Os nossos pensamentos estão sempre nos puxando para o futuro ou para o passado, para longe do presente. Porém é no momento presente que nós encontramos o Espírito, o nosso ser essencial e a força que anima toda a vida. Ao se conectar com o presente nós voltamos a nossa atenção para dentro, para longe de todo o caos e atividade, e experimentamos a nossa eterna e ilimitada natureza. 
Fonte Inconsciente coletivo.net

COMO ATRAIR A SORTE

Tudo na vida é uma questão de escolha.
Você pode escolher a partir de hoje a ter mais saúde, amor e sorte.
- Opa! diria você. Sorte é pra quem tem, não pra quem quer.


Você pode obter mais sorte na vida a partir do momento em que passar a aceitar que é digno de possuí-la. Aceite que a sorte é um "bem", um princípio eterno, fundamental e inerente à sua essência.

Seu sentimento de "ter sorte" transmitirá uma energia muito poderosa que o fará vibrar em sintonia com a Sorte Maior, presente no seu íntimo, oriunda do Centro Criador de todas as coisas.
 
Escolha a boa sorte, acreditando que essa é a sua condição natural como reflexo direto do macrocosmo. Você pode até ter conseguido reprimir a sua sorte por ter alimentado a crença na derrota e no fracasso, mas isso não significa que não a possua.

Você pode não ter tido as condições apropriadas para desenvolver naturalmente a sua sorte, por influência de fatores internos e externos, mas ela está lá na sua essência, esperando para se manifestar em plenitude.
Pare de utilizar-se de subterfúgios para atrair a sorte, tais como figas, medalhas, trevos e ferraduras. Não é uma questão de atrair algo que está fora e sim de desenvolver algo natural que está na essência da vida. Deixe de tentar atrair a sorte e passe a desenvolver a capacidade de expandi-la de dentro pra fora. Assim será muito mais fácil e mais rápido.

O primeiro passo para manifestar a sua sorte consiste em admiti-la. Sorte - como tudo na vida - é questão de fé. Sorte tem quem acredita nela.
Acredite na boa sorte como um estado natural do seu ser e mantenha firme nessa crença até transformá-la em convicção.
Sinta, acredite, aceite... você tem sorte.
Comece a meditar diariamente que você realmente tem sorte e terá. Você só precisa convencer a si mesmo. Comece agora a aceitar que a boa sorte possa sorrir pra você. Mas esforce-se por aceitar a sorte como uma condição natural da vida que não precisa ser comprada ou mendigada.

Feche os olhos por alguns minutos e sinta a sensação de ter sorte na vida. Não pense em atraí-la, mas manifestá-la através da sua emoção criadora. Saiba que o Princípio da Vida dá ao seu sentimento o poder dinâmico de correlacionar-se com seu objeto de desejo e por conseguinte dominar sua experiência através da manifestação do mesmo. Sinta a sua sorte fluir e o Universo entenderá a natureza do seu sentimento como uma Verdade que precisa se manifestar pra fazer valer a sua liberdade de escolha.

Escolha a sorte e esta lhe sorrirá.
Sempre!
Acredite na boa sorte.
Aceite que você tem sorte.
A decisão é sua.
Só você tem o poder de escolher o que quer para a sua vida. Escolha ter sorte e a mesma sorrirá pra você.
Acredite: sorte tem quem acredita nela.

Autor Francisco Ferreira

PENSE POSITIVO PARA MUDAR A SUA VIDA

A todo instante pelas vias energéticas do pensamento podes escravizar-se ou libertar-se.

Em quaisquer circunstâncias tens o poder de escolher quais sentimentos vão guiar suas decisões.

A responsabilidade das suas vivências, dos acontecimentos, da felicidade, está em suas mãos, e não nas dos outros.

Culpar o mundo, as pessoas, a família, o inimigo, Deus, é insegurança no próprio poder, é a ausência de fé na sua capacidade de transpor o sofrimento e evoluir com inteligência.

Pensar não é só um ato lógico orientado pela razão.

É também sentir o que mora no coração.

É observar e perceber suas qualidades e defeitos, é perdoar-se, é ver-se sem máscaras e sem medos.

É mergulhar fundo e reconhecer-se às vezes pequeno, rancoroso, vingativo, ciúmento, egoísta...

A reforma íntima começa quando criamos coragem e abandonamos o apego, o passado, os padrões de pensamentos negativos e depressivos. É quando escolhemos mudar!

Pensamento é sintonia.

Amplie sua consciência.

Mova-se em direção a paz.

Vibre na alegria que uma boa energia nos traz. 

Autor Desconhecido

A VIDA EM 10 LIÇÕES

1. Você vai receber um corpo.
Você poderá gostar dele ou detestá-lo, mas ele será seu por todo o período da sua vida.

2. Você vai aprender lições.
Você está matriculado em período integral numa escola informal chamada Vida.  A cada dia, nesta escola, você terá oportunidade de aprender lições. Você poderá gostar das lições ou achá-las irrelevantes e estúpidas.

3. Não existem erros, apenas lições e conseqüências.
Crescimento é um processo de tentativa e erro: experimentação. Os experimentos que “não deram certo” são tão parte do processo quanto os que “funcionaram”. Lições de moral não ajudam. Julgar também não. Apenas faça o melhor que puder.

4. Cada lição é repetida até que seja aprendida.
Cada lição será apresentada a você em várias formas, até que você a tenha aprendido. Quando a tiver aprendido, poderá passar para a próxima lição.

5. O aprendizado não termina nunca.
Não há nenhuma parte da vida que não contenha suas lições. Se você está vivo, há lições a serem aprendidas.

6. “Lá” não é melhor do que “aqui”.
Quando o seu “lá” tiver se transformado num “aqui”, você simplesmente verá um outro ”lá”, que novamente parecerá melhor do que “aqui”.

7. Os outros são meros espelhos seus.
Você não pode amar nem odiar algo em outra pessoa a menos que isso reflita algo que você ama ou odeia em você mesmo.

8. O que você faz da sua vida é decisão sua.
Você tem todos os instrumentos e recursos de que precisa. O que você faz com eles é com você. A escolha é sua.

9. Você sempre consegue o que quer.
Você e seu subconsciente determinam quais energias, experiências e pessoas você atrai. Assim, o único jeito certeiro de saber o que você quer é ver o que você tem. Não existem vítimas, apenas estudantes.

10. Sua resposta está dentro de você.
As respostas às questões da Vida estão dentro de você. Tudo que você precisa fazer é olhar, ouvir e confiar.

Por fim, você esquecerá tudo isso. Mas você pode lembrar sempre que quiser. A experiência é uma professora muito severa, pois primeiro ela aplica a prova, e somente depois é que vem a lição.

A sua vida, as suas ações e o que você faz, pratica em casa e no trabalho, em todas e quaisquer ações que você se empenha, em quaisquer papéis, seguem estes princípios?

Autora Twyla Nitsch, anciã da tribo iroquês

RESGATE O 'EU CRIANÇA' EM TRÊS PASSOS 

É claro que, quando falo da criança interior, existe muito a ser dito. Existem muitas facetas dessa criança que mora dentro de você e, acredite, muitas delas precisam ser urgentemente curadas.
Mas neste artigo quero falar da “Criança Sagrada”, porque sem ela nos tornamos meros homens-robô cumpridores de tarefas. Sem ela a vida se torna chata e monótona e nada parece nos interessar de verdade.

Um dia você foi pequenininho, lembra? E tudo ao seu redor era novo, grande e encantador. Talvez até mesmo assustador!

Naquele tempo, as coisas que hoje você acha pequenas eram os “grandes eventos” do seu dia-a-dia: a gota de água escorrendo na janela, o feijão que magicamente brotou do algodão, o gosto horrendo daquele óleo de fígado de bacalhau (sorte sua se não teve que passar por isso!). Naquele tempo, antes de ter desaprendido a viver naturalmente, você era simplesmente… você. É claro que o mundo parecia um infinito campo de descobertas, cheio de mistérios, mas era exatamente a presença dos mistérios que tornava tudo tão interessante e divertido.

Você cresceu, e foi aprendendo a nomear tudo, a entender tudo e os mistérios foram sendo desvendados. Você foi se sentindo mais esperto ao dominar o mundo, as contas, as palavras, a biologia, etc, mas o que aconteceu é que você foi se perdendo daquela magia. Deixou de perceber os círculos que o vento traçava na superfície de um lago solitário. Deixou de perceber o som das asas dos beija-flores, deixou de perceber que, agora mesmo, enquanto você lê estas palavras na tela do seu computador, infinitas estrelas brilham em um inexplicável universo ao seu redor. Você deixou de perceber o quanto tudo era sagrado. Você deixou de sorrir para as pessoas, de pisar na grama, de acreditar e de chorar. Talvez você tenha até mesmo deixado de amar, com medo de que não correspondessem ao seu amor.

Sem a presença da criança sagrada, a vida vai ficando cada vez mais chata, cinza e sem graça. Mas, acredite, não precisa ser assim. Você pode agora mesmo fazer como antes, e sair por aí olhando as pessoas nos olhos e sendo exatamente quem você é sem se importar tanto com o que elas pensam de você. Mas para isso você precisa reencontrar essa criança e trazê-la para bem pertinho de você. Ela não está longe… bastam três passos! Eu convido você a dar cada um deles comigo, agora. Está pronto??? Então vamos lá!

1º) O primeiro passo é: DIVERTIR-SE MAIS!

Entenda, você não está aqui, no planeta, para fazer tudo certo. Só o que você precisa é viver as experiências que a vida lhe trouxer e aprender com elas! Ora, toda criança sabe disso!!! As crianças brincam, e assim aprendem um monte de coisas. Já nós, adultos, levamos tudo tão a sério, e queremos ser sempre tão perfeitos, que tiramos toda a graça da vida. Preste atenção: Quando você estiver indo para uma reunião muito importante, ou para uma entrevista de emprego, ou para um primeiro encontro com alguém por quem você esteja interessado; faça de conta de que tudo se trata de uma brincadeira, e que o que realmente importa é a experiência e o aprendizado, “e não o resultado”. Relaxe, seja simplesmente você mesmo e tente se divertir. Abra mão do peso, porque quando carrega esse peso nas suas costas você faz as coisas com muito mais dificuldade do que faria se estivesse leve e livre para simplesmente fluir com a vida.
Ok? Então vamos para o passo número 2… que é….

2º) TER A CORAGEM DE ARRISCAR!

Eu sei, esse é um passo um pouco mais avançado. Estamos tão acostumados a buscar segurança que contratamos o medo como nosso guia para as decisões de nossa vida. Mas que sentido faz viver uma vida conduzida pelo medo? Temos medo de errar, medo de nos frustrar, medo do futuro, medo até mesmo de acertar… Mas a verdade é que não há vida sem risco. Não mesmo! Sem risco a vida é apenas uma repetição monótona daquilo que já conhecemos. Você precisa sair do curso de vez em quando, escolher um caminho diferente, provar novos sabores, agir de maneiras diferentes. Arrisque dizer o que sente, ir atrás do que quer, acreditar que é capaz! Certa vez li em um livro algo assim: “Loucura é querer obter resultados diferentes fazendo sempre a mesma coisa”. É verdade. Olhe para a sua vida! Ela é resultado daquilo que você sempre fez. Se quiser mudar algo nela, trate de arriscar fazer algo diferente!
Pronto para o último passo???

3º) AMAR …

Simples assim. Quantas vezes ficamos presos em bifurcações sem saber o que decidir? E nessa indecisão acabamos causando dor. Machucamos a nós mesmos e aqueles que estão ao nosso redor. Mas as coisas ficam mais simples quando nos dispomos a simplesmente amar. Talvez você possa simplesmente se perguntar: “Qual é a decisão mais amorosa? ” Entenda que uma decisão amorosa sempre acaba sendo a melhor para todos os envolvidos, mesmo que não pareça ser assim.
É incrível a enorme quantidade de força que recebemos quando começamos a exercitar isso em nossa vida. De repente descobrimos que não precisamos mais ficar paralisados frente a cada escolha, a cada bifurcação em nosso caminho de vida. Nos movemos, e no movimento aprendemos, crescemos e nos sentimos novamente vivos. A Criança Sagrada desperta de novo em nossa vida, e o mundo se torna subitamente cheio de mistérios a serem desvendados. Tenha certeza, a vida estará a seu lado!
Agora é com você!

Lembre-se: São apenas três passos: D.A.A. (Divertir-se, Arriscar, Amar).

Por Marcelo Bueno

O PODER ESTÁ EM VOCÊ
Você pode interferir no mundo causando um impacto positivo a partir do momento em que optar pelo caminho interno. Mudando a si mesmo, você será capaz de ocasionar mudanças radicais no mundo que o cerca, sem infringir as regras de ouro. Isso, necessariamente passa pela aceitação das coisas como são.
É necessário estar ciente de que mesmo os fatores adversos presentes em sua vida e no mundo, fazem parte de um Todo necessário dentro do processo evolutivo. Isso não significa ignorar o mal do mundo, mas aceitá-lo como uma incômoda necessidade no estágio atual da raça humana. Obviamente você não pode ser perfeito, mas é capaz de ampliar sua consciência para o que é bom e afastar o mal que o aflige. Não estou querendo afirmar aqui que você pode se tornar invulnerável ao mal, mas que é possível amenizá-lo, tanto quanto for a sua capacidade de se identificar com o bem.
Todos os acidentes e catástrofes atingem aqueles que, de alguma forma, os ajudaram a criar.
O bem e o mal na verdade não existem para além daquelas consciências que os engendraram.
Toda vibração positiva ou negativa começa dentro de você, e logo alcança outras vibrações semelhantes com as quais se agrupa, formando uma cadeia de energia boa ou má, dependendo da sua origem.
Uma teia de vibrações de energia poderosa se forma entre as pessoas que vibram em determinada frequência, formando as circunstâncias que geraram em conjunto, inconscientemente.
Tudo aquilo que você pensa, diz ou faz, gera uma freqüência de vibração específica que, carregando seus dados se move para além de ti, unindo-se a outras frequências similares que passam a fazer parte de um bloco de energia que cedo ou tarde regressa a ti. Sendo assim, o que atrais, seja bom ou mau, resulta do acúmulo de energias coincidentes. Não existe limites de tempo ou de espaço para a ressonância de vibrações que você emite.
Cada emoção que você sente é por assim dizer, uma matriz potencial daquilo que você irá experimentar. A fonte geradora será sempre imparcial e trará sempre o correspondente aos seus sentimentos, sejam estes bons ou maus. O Universo sempre retribuirá o seu bem-estar emocional e a sua felicidade da mesma forma que poderá retribuir seus medos, suas dúvidas e a sua tristeza.
Os seus sentimentos predominantes elaboram a criação do seu destino. Através deles, você poderá mudar a sua vida para melhor. Quanto mais carregados sejam os mesmos, emocionalmente falando, mais rapidamente ocorrerá a transformação daquilo que você é para aquilo que você quer ser. A qualidade da sua vida emocional atual é que determina a qualidade das experiências que você vivenciará no futuro.
Esforce-se por sentir amor, paixão e entusiasmo pela vida pois esses sentimentos são verdadeiros amplificadores capazes de acelerar em muito a realização dos seus desejos e metas. No começo poderá ser difícil em função dos maus hábitos adquiridos. No entanto, em pouco tempo esses sentimentos  transformados em hábitos, passarão a ocupar seus pensamentos espontaneamente.
Seja feita a sua vontade, sempre determinada pelo estado emocional que você cultiva na mente. Se os seus desejos são produtivos, positivos e altruístas, mantenha-os na mente porque você está no caminho certo para a plena realização. Se não, urge a necessidade de uma mudança agora, sob pena de você estar sabotando seu bem-estar, sua alegria e a sua felicidade.
Autor Desconhecido 
A TERAPIA CHAMADA COMPAIXÃO

Doar amor é uma das práticas mais importantes para que alcancemos equilíbrio e harmonia interior. Ela nos ajuda a ampliar nossa percepção acerca da vida e da estreita ligação que existe entre todos os seres.

Para muitas pessoas, a vida se resume em cobrar do mundo tudo aquilo de que se acham merecedoras. Fazer parte, ser incluído na abundância do Universo é um direito de todos nós. Mas apenas receber faz com que permaneçamos incompletos e não experimentemos a totalidade do ser.

A compaixão, a capacidade de doar amor sem condicioná-lo à retribuição é o meio mais eficaz de fazer com que o sentimento de plenitude esteja sempre presente em nós. E quando nos doamos, nossos problemas acabam se tornando menores e, muitas vezes, sendo até mesmo esquecidos.

O Mestre Osho revela mais uma vez sua preciosa sabedoria, quando nos fala sobre o poder terapêutico da compaixão.

Somente a compaixão é terapêutica

...Tudo o que é doença no homem é causado pela falta de amor. Tudo o que está errado com o homem, está de alguma forma associado ao amor. Ele não tem sido capaz de amar ou ele não tem sido capaz de receber amor. Ele não tem sido capaz de compartilhar o seu ser. Essa é a miséria. Isso cria toda sorte de complexos internamente.

...Aquelas feridas internas podem vir à superfície de várias maneiras: elas podem se tornar doenças do físico e doenças mentais, mas no fundo o que o homem sofre é de falta de amor. Assim como o alimento é necessário para o corpo, o amor é necessário para a alma. O corpo não consegue sobreviver sem alimento e a alma não consegue sobreviver sem o amor. Somente no amor a pessoa vem a sentir que ela é mais do que o corpo, mais do que a mente.

...Compaixão é a forma mais pura de amor. Você também pode chamar a compaixão de prece. Você também pode chamar a compaixão de meditação. A forma mais elevada de energia é a compaixão. A palavra 'compaixão' é bela. Metade dela é 'paixão'. De alguma forma a paixão se tornou tão refinada que ela não é mais como uma paixão. Ela se tornou compaixão.

No amor existe gratidão, existe uma profunda gratidão. Você sabe que a outra pessoa não é uma coisa. Você sabe que o outro tem uma grandeza, uma personalidade, uma alma, uma individualidade. No amor você dá liberdade total ao outro. Na verdade você dá e você recebe, é uma relação de dar e receber, mas com respeito.

A compaixão é a mais elevada forma de amor. Muita coisa vem em troca, mil desdobramentos eu digo, mas esse não é o ponto, você não fica esperando por isto. Se não vier, não há qualquer reclamação. Se vier, você simplesmente fica surpreso. Se vier, isso será inacreditável. Se não vier, não há qualquer problema, você nunca dá o seu coração a alguém por qualquer barganha. Você simplesmente distribui porque você tem.

...O homem de compaixão é o homem mais rico, ele está no topo do mundo. Ele não tem qualquer confinamento, qualquer limitação. Ele simplesmente dá e segue o seu caminho. Ele nem mesmo espera você lhe dizer um muito obrigado. Com tremendo amor ele compartilha a sua energia.
É isso que eu chamo terapêutico. (...)
Para ser compassivo é preciso que se tenha, em primeiro lugar, compaixão por si mesmo. Se você não amar a si mesmo, você nunca será capaz de amar um outro alguém. Se você não for amável consigo mesmo, você não conseguirá ser amável com ninguém mais.

...Nós sempre pensamos que, para amar, nós precisamos de uma outra pessoa. Mas se você não aprender consigo mesmo, você não será capaz de praticar com os outros.
...A não ser que a compaixão tenha acontecido para você, não pense que você viveu corretamente, ou que você viveu de alguma maneira. Compaixão é o florescimento. E quando a compaixão acontece para uma pessoa, milhões são curadas. Qualquer um que chegue ao seu redor será curado. A compaixão é terapêutica."

Por Elisabeth Cavalcante
REFLEXÃO

Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas.
Perdoe-as assim mesmo.

Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro.
Seja gentil assim mesmo.

Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros.
Vença assim mesmo.

Se você é honesto e franco, as pessoas podem enganá-lo.
Seja honesto e franco assim mesmo.

O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para outra.
Construa assim mesmo.

Se você tem paz e é feliz, as pessoas podem sentir inveja.
Seja feliz assim mesmo.

O bem que você faz hoje pode ser esquecido amanhã.
Faça o bem assim mesmo.

Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante.
Dê o melhor de você assim mesmo.

Veja você que, no final das contas, é entre "você e Deus".
Nunca foi entre você e as outras pessoas.

Por Madre Teresa de Calcutá 

QUAL O SENTIDO DA SUA VIDA

Nós bebemos demais, gastamos sem critérios. Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e raramente estamos com Deus. 

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. 
 

Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldades em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio. Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não o nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos...Aprendemos a nos apressar e não, a esperar. 


Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos. Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.
 

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'. Um momento de muita coisa na vitrine e pouca na dispensa. Uma era que leva essa carta a você, e uma era que te permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar 'delete'.
 

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre. Lembre-se de dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não custa um centavo sequer. Lembre-se de dizer 'eu te amo' a sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame...se ame muito.
 

Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm lá de dentro. Por isso, valorize sua família e as pessoas que estão ao seu lado, sempre! 

Por George Carlin

EXERCÍCIO PARA O DESAPEGO

Se você sente que não consegue se desapegar de algo ou de alguém aqui vai uma sugestão de exercício:

O Caminho Dourado

Sentado(a), olhos fechados, respire 3 vezes lentamente e veja-se sentado(a) numa praia tendo o mar à sua frente. Do seu lado esquerdo veja a pessoa ou aquilo de que quer se desapegar, e veja esta pessoa sair lentamente do seu lado (ou sendo levado ou levada) para seu lado esquerdo, lentamente, banhado por um chuva bem fininha dourada.
Acompanhe esta pessoa ir desaparecendo lá no infinito.
Então, respire aliviada e abra os olhos.

Repita o exercício por 3 ciclos de 21 dias respeitando um intervalo obrigatório de 7 dias entre cada ciclo.

DICA: Para fazer os exercícios com imagens mentais sem ter que ficar lendo ou decorando você pode gravá-los numa fita e apertar o play sempre que quiser fazê-los. Desta forma você garante o mesmo comando... Afinal, você sabe que a mente aprende por repetição. Não foi assim que você aprendeu a tabuada?
Por Izabel Telles

INVEJA - A COMPARAÇÃO OPRESSORA

Falar da inveja é falar sobre a comparação, sobre o processo de nos compararmos com as outras pessoas. Quando nós nos comparamos com os outros e nos sentimos inferiores a eles em algum aspecto, estamos com inveja. Não estamos dizendo que todas as vezes que nos comparamos sentimos inveja. Estamos afirmando que nunca poderá haver inveja, sem que antes tenha havido uma comparação.

A Inveja é a incapacidade de ver a luz das outras pessoas, a alegria, o brilho, a luminosidade de alguém, seja em que aspecto for. A inveja é o sentimento daqueles que não encontraram respostas para a diversidade do mundo e das pessoas. E esta incapacidade de aceitar que as coisas e as pessoas sejam diferentes é uma rejeição da sua própria pessoa como sendo diferente das demais. A inveja é a auto-aversão por não sermos como os outros são. O que há de negativo na inveja é esta auto-rejeição em algum ponto do seu modo de estar na vida, do seu próprio tamanho.

O que caracteriza a inveja é uma frustração conosco mesmos, é a tristeza conosco mesmos, é a intolerância com nós próprios por nos sentirmos menores do que os outros. Por outro lado, toda a nossa sociedade é baseada na comparação, toda a nossa cultura é uma cultura da comparação. A força elementar, fundamental, do nosso sistema é o processo comparativo. A melhor definição para o homem não é mais a de um animal racional, mas a do homem como um animal que se compara. O cume do nosso modo de viver, o núcleo de nossa maneira de estar na sociedade é o movimento comparativo. Todo o processo social se baseia na comparação. Nós aprendemos, desde muito cedo, a interiorizar esse processo em nosso comportamento. Como tudo é relativo, como tudo está em relação, nós perdemos a capacidade de ver as coisas em si mesmas e só conseguimos entender as pessoas e as coisas em comparação umas com as outras.

Só quando formos padrão de nós mesmos, reencontraremos a alegria de ser o que somos, de ter o que temos, de viver como vivemos. Somente o exercício da auto-comparação nos levará à auto-aceitação, à realização do nosso próprio tamanho.

Por Antônio Roberto Soares

LIBERTE-SE DO BLOQUEIO MENTAL, DA INVEJA E DO RESSENTIMENTO

Um comerciante queixou-se de que trabalhava muito e passava longas horas na sua loja, e que, no entanto, a um quarteirão dali, outro homem exatamente no mesmo negócio que ele e com uma loja muito menor, depositava no banco três vezes mais dinheiro do que ele todas as semanas. Ele estava constantemente comparando os seus magros resultados com os do outro e tinha começado a ficar invejoso e um pouco ressentido.

Expliquei-lhe que alimentando pensamentos invejosos ele estava na realidade se empobrecendo, e que essa era uma das piores atitudes que se podia ter, porque seu pensamento negativo e seu sentimento de inferioridade estavam decididamente bloqueando sua expansão e crescimento nesse sentido. Enquanto ele conservasse essa posição mental, a riqueza fugiria dele em de afluir para ele.

O remédio era muito simples. A única coisa que ele tinha de fazer era abençoar e sinceramente desejar maior prosperidade e sucesso ao seu suposto competidor, cujo estado aparentemente mais bem sucedido e próspero tinha incitado sua inveja. Diante disso, ele orou do seguinte modo: “Reconheço Deus como meu suprimento imediato e eterno. A riqueza de Deus flui para mim, em avalanches de abundância, e sou orientado divinamente para oferecer melhor serviço cada dia. Eu sei, creio e alegro-me que Deus esteja fazendo prosperar o negociante do outro quarteirão, e desejo-lhe sinceramente todas as bênçãos da vida”.

Quando qualquer pensamento de inveja de outro negociante lhe acudia à mente, ele afirmava: “É Deus que está fazendo você prosperar”. Depois de algum tempo os pensamentos de inveja perderam toda a força, e ele também começou a prosperar — e mais do que ele jamais pudera imaginar. Este homem verificou que a causa da sua falta de dinheiro e situação apertada era o seu estado de espírito. Abençoando aqueles cuja prosperidade e sucesso nos incomodam ou provocam nossa inveja ou ciúme, e desejando que se tornem mais ricos e prósperos cada dia, nós curamos nossa própria mente e abrimos a porta para as riquezas do Infinito.

Da abundância do seu coração você pode derramar os dons do amor, da luz, da alegria, do sucesso e da boa vontade para todos; e descobrirá que, abençoando os outros, também você será abençoado, e todo o sentimento de inveja, inferioridade e pobreza será dominado...

Em períodos de consulta através de muitos anos eu descobri que a razão por que muitos homens e mulheres não progrediam e não ganhavam mais dinheiro em sua profissão ou negócio era que tinham o hábito de condenar os que galgavam a escada da vida ao mesmo tempo declarando que outros da sua organização eram frios, insensíveis, implacáveis e até que alguns eram desonestos. Eles não percebiam que não havia nada mais destrutivo e mais próprio para privá-los do progresso e da promoção do que condenarem e julgarem asperamente os que eram bem sucedidos e recebiam aumentos e promoções em seu trabalho. Na realidade, eu descobri que eles deixavam a riqueza, as honras e a prosperidade escapar por entre os dedos e bloqueavam e estorvavam o seu próprio progresso espiritual, mental e financeiro.

O remédio em todos os casos era ensiná-los a desejarem sinceramente a todos os que os rodeavam, assim como a todas as pessoas em geral, que fossem abençoados e prosperassem em todos os sentidos e se regozijassem com a ascensão e o progresso material deles. O resultado inevitavelmente é que eles são libertados do bloqueio mental da inveja, da cobiça e do ressentimento. Então se tornam distribuidores da liberalidade de Deus para todos. Rezando da forma acima, as pessoas infelizes voltaram ao seu centro divino e descobriram que o Ser Infinito estava derramando bênçãos sobre eles mesmos e para todos aqueles por quem oravam. Desejando bem aos outros, você está-se abençoando a si mesmo. Lembre-se da velha máxima hindu: “O navio que volta para meu irmão volta para mim”.

Trechos do livro: A Magia do Poder Extra-sensorial, de Joseph Murphy

O QUE É A MENTE HUMANA? MANIFESTE SUA LUZ 

A mente é a parte mais impressionante das pessoas.

A mente humana é uma entidade misteriosa e ainda desconhecida por muitos.

Na mente infinitos sonhos se desenrolam continuamente, mas a mente possui certas qualidades que obedecem às leis psíquicas.

Sob o ponto de vista da relação entre o corpo, a mente e o espírito, podemos dizer que o espírito é uma forma de energia inteligente e que tem individualidade própria, provinda de vida Divina.

Os espíritos podem atuar no mundo espiritual, a partir da 4a. dimensão e superiores, em forma de consciência. Mas os espíritos também podem descer à 3a. dimensão e viver encarnados na forma do ser humano, animal ou vegetal [...]
Para encarnar, o espírito precisa fazer uso da alma. Os espíritos que descem à Terra para passar pela experiência da encarnação neste mundo físico recebem uma espécie de forma e invólucro espiritual que é chamado de alma.

A alma é necessária para que os espíritos possam descer para atuar neste mundo de 3a. dimensão.
A parte central da Alma é chamada de Mente (algumas vezes é traduzida como coração, pois é o coração da alma que se conecta com os mundos espirituais de dimensões mais elevadas).

A mente por ser a parte central da alma,  pode ser chamada de coração da alma, e tem como função primordial a capacidade de tomar decisões. A mente pensa e não o cérebro. A mente não está na cabeça, no cérebro, mas na alma. O cérebo é apenas um mecanismo de comunicação com o mundo da terceira dimensão (mundo material). Se esse mecanismo é danificado, a mente não pode mais expressar suas idéias neste mundo material. Pessoas com deficiência mental, na verdade em geral, tem a mente perfeita. O problema é que o cérebro por não estar funcionando bem, prejudica a coordenação corporal e a comunicação com as pessoas deste mundo.

Portanto, o que determina os rumos de nossa vida é a mente. A mente é o coração da alma. Se a mente é o coração da alma e é a mente que pensa, então pode se dizer que é o coração da alma que pensa.

A mente humana não é algo pequenino localizado na cabeça ou em qualquer outra parte do corpo humano.

A mente é parte da alma, que contém o espírito humano.

A mente também é o canal de conexão deste mundo tridimensional com mundos espirituais mais elevados.

Não há limite para a mente, podendo contatar dimensões superiores, desde a 5a. até a 9a. dimensão, e, dependendo da evolução espiritual do ser humano, também pode comunicar dimensões ainda mais superiores.

Sabem por quê? Porque, na mente existe uma parte que está diretamente conectada com mundos espirituais elevados. Mas que parte é essa?

O Mestre Okawa explica que a mente se parece com a estrutura de uma cebola, figurativamente falando. As dimensões 4a, 5a, 6a, 7a, 8a, 9a e 10a dimensões formam camadas uma sobre a outra.

Só é possivel perceber essa estrutura da mente quando a pessoa está bem avançada no conhecimento espiritual. Nesse caso, consegue emitir luz a partir do seu interior.

A camada central dessa “cebola” é  a parte que está conectada com o mundo Espiritual Real.

Quando você faz orações, desce do céu uma luz maravilhosa e junto com essa luz surgem os nossos anjos protetor e guardião e te envolve em luz maravilhosa. Mas essa luz é externa, não é sua. É apenas auxílio externo.

Mas, quando você medita, à medida em que vai se aprofundando na mente, ao invés de receber luz do mundo espiritual, você começa a emitir luz própria emitida pela parte mais interna da mente.

Isso mesmo. Quando meditamos e nos conectamos com o nosso Eu interior, no mais profundo do nosso ser, passamos a emitir uma luz própria.

Essa luz é originada na nossa Presença Divina. Sim, o próprio Deus, está conectado em nosso interior. Então essa luz é muito superior à luz externa.

Para conseguir emanar essa luz temos que praticar a auto-reflexão diariamente. A partir da meditação, esforçar-se para aflorar a nossa verdadeita Presença Búdica, o Cristo Interno (em termos cristãos). Somos um só com Deus, porque estamos ligados a ELE. Mas perdemos a noção dessa conexão.

Chegou a hora de despertar para o verdadeiro Eu que está dentro de nossa mente. Esse verdadeiro Eu não é egoísta, não almeja coisas materiais, pois emite amor e luz, pois é a própria Vida de Deus manifestada em nós.

Por isso, Buda Shakyamuni ensinou muitas vezes que não adianta procurar fora por aquilo que está dentro de você. Jesus Cristo também ensinou que quando formos orar, devemos nos fechar dentro de um quarto sózinho e então conversar com Deus. Seria complicado ensinar meditação para o povo do oriente médio e logo essa foi a forma de expressar o mesmo ensinamento. Isto quer dizer, entrar no seu eu interior e falar com Deus que está conectado em seu interior.

Deus, está dentro das profundezas de sua mente. Cabe a você explorá-la até chegar ao seu centro, a Presença Divina. Mas não se engane, se o seu Eu interno desejar ter qualquer coisa, Ele não é o verdadeiro Eu. O Eu Interno possui tudo e tudo doa para os outros.

Quanto mais se aproximar do centro, mais luz você emitirá. Ao conseguir penetrar na sua mente central, profundamente, você conseguirá se tornar um com Deus, verdadeiramente. A partir daí a sua Luz Búdica surgirá como um Sol e brilhará infinitamente.

Não procure Deus fora de si. Ele está bem dentro de você.
Tudo o que você precisa está dentro de você.
Este é o segredo para você se tornar num anjo de luz.
Explore sua mente, limpe-a de todas impurezas dos erros cometidos no passado, da ira, da inveja, da ganância material e da falta de amor para com as pessoas com quem encontramos ou convivemos.
Seja a luz que ilumina as pessoas.

Lembre-se:

Ao orar, você recebe luz do mundo celestial mais elevado, mas ao meditar você emite sua própria luz Divina.
Mas, uma coisa não deve ser feita sem a outra. Para fazer a sua Luz Divina surgir, os passos são três:

1) Ore diariamente;
2) Faça auto-reflexão diariamente;
3) Medite diariamente.

Texto adaptado a partir dos livros “Princípio da Auto-Reflexão” e “Introdução à Happy Science”.

Fonte http://cienciadafelicidade.org/

APRENDA A EXERCITAR A TOLERÂNCIA 

Tolerância. Ah... Como é difícil colocar em prática a essência dessa palavra.

Por que é tão difícil tolerar que alguém entre na frente de nosso carro no trânsito? Por que é tão difícil tolerar quando alguém comete um engano? Tolerar as características de quem convive conosco. Tolerar um atraso. Um esquecimento. Um erro. Tolerar as diferenças. Tolerar as frustrações. Tolerar as falhas humanas. Tolerar a nós mesmos.

Pense nisso por um instante. Pense na sua intolerância. Se não souber do que estou falando, preste atenção naquelas vezes em que uma mínima ação do outro despertou um monstro assassino em você. Algo tem que estar errado nisso! Será que a ação do outro era assim tão grave?
Muitos de nós parecemos bombas-relógio prestes a explodir. Por onde andamos somos perseguidos por um tique-taque infernal, o que me faz lembrar o Capitão Gancho. Só que, diferente daquele homem barbudo, "horrível e mau", nos identificamos com os "mocinhos". (Você já pensou que talvez o Capitão Gancho também achasse que Peter Pan fosse o vilão da estória?).

Vou lhe dizer uma coisa. Dói muito quando percebemos que carregamos um vilão dentro de nós. Dói perceber que agredimos e ferimos aos outros porque somos ignorantes ao nosso próprio respeito. Dói perceber que temos uma dificuldade enorme em olhar para o espelho e ver o reflexo do monstro adormecido dentro de nós.

Mas enquanto não formos corajosos o suficiente para fazer isso, continuaremos por aí agindo como granadas humanas. Basta que alguém distraído puxe o tal pininho e... bummmmmm... Explodimos! E justificamos a explosão com uma elaborada rede de argumentos racionalmente plausíveis. A nossa mente pode justificar qualquer coisa, até mesmo uma explosão. E, na distorcida lógica da mente, a culpa é sempre do outro.
Para que você seja capaz de ter tolerância, é preciso ir além da mente. É preciso que você recupere o acesso ao seu coração. Anda faltando amor em nossas vidas.

Eu convido você a exercitar essa palavra em sua vida.

- Tolerar quando alguém intolerante "esquece a mão na buzina", porque você se distraiu e perdeu o tempo do semáforo.
-  Tolerar quando perceber que alguém que você ama está irritado.
- Tolerar seu próprio mau humor e se lembrar que todos acordam maus humorados de vez em quando.

Não quero propor nesse artigo que você tolere abusos ou atos agressivos contra você ou alguém. É claro que muitas coisas não devem ser toleradas e eu conto aqui com o seu bom senso.

Mas o que eu penso é que, de verdade, andamos intolerantes demais! Basta uma atitude do outro ("interpretada" por nós como provocativa) e já nos perdemos de nós mesmos e entramos naquela mesma sintonia destrituva. É disso que estou falando. Da nossa incapacidade de nos mantermos em uma sintonia de paz. Da nossa incapacidade de compreender que algumas coisas não nos pertencem.

Ouça: A irritação do outro não lhe pertence! A agressividade do outro não lhe pertence.

Por que nos conectarmos com o que não é nosso? Deixe com o outro o que é do outro. Você não precisa entrar na mesma sintonia. Isso tem a ver com tolerância.

Ao praticar a tolerância, talvez você comece a semear paz ao seu redor. Talvez isso comece como um pequeno jardim, pequenas flores brancas surgindo aqui e ali... mas não despreze seu potencial transformador. Perceba que todos nós somos como prismas multifacetados. Ao praticar a tolerância você estará emitindo inúmeros reflexos dessa qualidade ao seu redor e então, quase magicamente, talvez você comece a perceber que as pessoas à sua volta começam a se tornar tolerantes também. E assim se cria um espaço no qual se estabelecem relações mais respeitosas e harmoniosas.

Acredite. Você precisa muito de paz. Meu convite: exercite a tolerância. Nem que seja só por uma hora... Depois vá expandindo. Um dia... Uma semana.

Observe as transformações que esse simples exercício pode efetuar em sua vida!

Autora Patricia Gebrim 

EGO, O FALSO CENTRO

O primeiro ponto a ser compreendido é o ego.

Uma criança nasce sem qualquer conhecimento, sem qualquer consciência de seu próprio eu. E quando uma criança nasce, a primeira coisa da qual ela se torna consciente não é ela mesma; a primeira coisa da qual ela se torna consciente é o outro. Isso é natural, porque os olhos se abrem para fora, as mãos tocam os outros, os ouvidos escutam os outros, a língua saboreia a comida e o nariz cheira o exterior. Todos esses sentidos abrem-se para fora. O nascimento é isso.
Nascimento significa vir a este mundo, o mundo exterior. Assim, quando uma criança nasce, ela nasce neste mundo. Ela abre seus olhos, vê aos outros. O "outro" significa o tu. Ela primeiro se torna consciente da mãe. Então, pouco a pouco, ela se torna consciente de seu próprio corpo. Este também é o outro, também pertence ao mundo. Ela está com fome e passa a sentir o corpo; quando sua necessidade é satisfeita, ela esquece o corpo.
É desta maneira que a criança cresce.

Primeiro ela se torna consciente do você, do tu, do outro, e então, pouco a pouco, contrastando com você, tu, ela se torna consciente de si mesma. Essa consciência é uma consciência refletida. Ela não está consciente de quem ela é. Ela está simplesmente consciente da mãe e do que esta pensa a seu respeito. Se a mãe sorri, se ela aprecia a criança, se diz: "Você é bonita", se ela a abraça e a beija, a criança sente-se bem a respeito de si mesma. Agora um ego está nascendo. Através da apreciação, do amor, do cuidado, ela sente que é boa, ela sente que tem valor, ela sente que tem importância. Um centro está nascendo. Mas esse centro é um centro refletido. Ela não é o ser verdadeiro. A criança não sabe quem ela é; ela simplesmente sabe o que os outros pensam a seu respeito.

E esse é o ego: o reflexo, aquilo que os outros pensam. Se ninguém pensa que ela tem alguma utilidade, se ninguém a aprecia, se ninguém lhe sorri, então, também, um ego nasce - um ego doente, triste, rejeitado, como uma ferida; sentindo-se inferior, sem valor. Isso também é o ego. Isso também é um reflexo.
Primeiro a mãe - e mãe, no início, significa o mundo. Depois os outros se juntarão à mãe, e o mundo irá crescendo. E quanto mais o mundo cresce, mais complexo o ego se torna, porque muitas opiniões dos outros são refletidas. O ego é um fenômeno acumulativo, um subproduto do viver com os outros. Se uma criança vive totalmente sozinha, ela nunca chegará a desenvolver um ego. Mas isso não vai ajudar. Ela permanecerá como um animal. Isso não significa que ela virá a conhecer o seu verdadeiro eu, não. O verdadeiro pode ser conhecido somente através do falso, portanto, o ego é uma necessidade. Temos que passar por ele. Ele é uma disciplina. O verdadeiro pode ser conhecido somente através da ilusão. Você não pode conhecer a verdade diretamente. Primeiro você tem que conhecer aquilo que não é verdadeiro. Primeiro você tem que encontrar o falso. Através desse encontro, você se torna capaz de conhecer a verdade. Se você conhece o falso como falso, a verdade nascerá em você.
O ego é uma necessidade; é uma necessidade social, é um subproduto social. A sociedade significa tudo o que está ao seu redor, não você, mas tudo aquilo que o rodeia. Tudo, menos você, é a sociedade. E todos refletem. Você irá para a escola e o professor refletirá quem você é. Você fará amizade com outras crianças e elas refletirão quem você é. Pouco a pouco, todos estão adicionando algo ao seu ego, e todos estão tentando modificá-lo, de tal forma que você não se torne um problema para a sociedade.
Eles não estão interessados em você. Eles estão interessados na sociedade.

A sociedade está interessada nela mesma, e é assim que deveria ser. Ela não está interessada no fato de que você deveria se tornar um conhecedor de si mesmo. Interessa-lhe que você se torne uma peça eficiente no mecanismo da sociedade. Você deveria ajustar-se ao padrão. Assim, estão tentando dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Ensinam-lhe a moralidade. Moralidade significa dar-lhe um ego que se ajustará à sociedade. Se você for imoral, você será sempre um desajustado em um lugar ou outro.
É por isso que colocamos os criminosos nas prisões - não que eles tenham feito alguma coisa errada, não que ao colocá-los nas prisões iremos melhorá-los, não. Eles simplesmente não se ajustam. Eles criam problemas. Eles têm certos tipos de egos que a sociedade não aprova. Se a sociedade aprova, tudo está bem.
Um homem mata alguém - ele é um assassino. E o mesmo homem, durante a guerra, mata milhares - e torna-se um grande herói. A sociedade não está preocupada com o homicídio, mas o homicídio deveria ser praticado para a sociedade - então tudo está bem. A sociedade não se preocupa com moralidade.
Moralidade significa simplesmente que você deve se ajustar à sociedade.
Se a sociedade estiver em guerra, a moralidade muda. Se a sociedade estiver em paz, existe uma moralidade diferente. A moralidade é uma política social. É diplomacia. E toda criança deve ser educada de tal forma que ela se ajuste à sociedade; e isso é tudo, porque a sociedade está interessada em membros eficientes. A sociedade não está interessada no fato de que você deveria chegar ao autoconhecimento. A sociedade cria um ego porque o ego pode ser controlado e manipulado. O eu nunca pode ser controlado e manipulado. Nunca se ouviu dizer que a sociedade estivesse controlando o eu - não é possível. E a criança necessita de um centro; a criança está absolutamente inconsciente de seu próprio centro. A sociedade lhe dá um centro e a criança pouco a pouco fica convencida de que este é o seu centro, o ego dado pela sociedade.
Uma criança volta para casa - se ela foi o primeiro aluno de sua classe, a família inteira fica feliz. Você a abraça e a beija, e você coloca a criança no colo e começa a dançar e diz: "Que linda criança! Você é um motivo de orgulho para nós." Você está dando um ego a ela. Um ego sutil. E se a criança chega em casa abatida, fracassada, um fiasco - ela não pode passar, ou ela tirou o último lugar - então ninguém a aprecia e a criança sente-se rejeitada. Ela tentará com mais afinco na próxima vez, porque o centro se sente abalado. O ego está sempre abalado, sempre à procura de alimento, de alguém que o aprecie. É por isso que você está continuamente pedindo atenção.
Ouvi contar:
Mulla Nasrudin e sua esposa estavam saindo de uma festa, e Mulla disse:
"Querida, alguma vez alguém já lhe disse que você é fascinante, linda, maravilhosa?"
Sua esposa sentiu-se muito, muito bem, ficou muito feliz. Ela disse: "Eu me pergunto por que ninguém jamais me disse isso."
Nasrudin disse: "Mas então de onde você tirou essa ideia?"
Você obtém dos outros a ideia de quem você é. Não é uma experiência direta. É dos outros que você obtém a ideia de quem você é. Eles modelam o seu centro.
Esse centro é falso, porque você contém o seu centro verdadeiro. Este não é da conta de ninguém. Ninguém o modela, você vem com ele. Você nasce com ele. Assim, você tem dois centros. Um centro com o qual você vem, que lhe é dado pela própria existência. Este é o eu. E o outro centro, que lhe é dado pela sociedade - o ego. Ele é algo falso - e é um grande truque. Através do ego a sociedade está controlando você. Você tem que se comportar de uma certa maneira, porque somente então a sociedade o aprecia. Você tem que caminhar de uma certa maneira: você tem que rir de uma certa maneira; você tem que seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente então a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você já não sabe onde está, quem você é. Os outros lhe deram a ideia.
Essa ideia é o ego.
Tente entendê-lo o mais profundamente possível, porque ele tem que ser jogado fora. E a menos que você o jogue fora, nunca será capaz de alcançar o eu. Por estar viciado no centro, você não pode se mover, e você não pode olhar para o eu. E lembre-se, vai haver um período intermediário, um intervalo, quando o ego estará despedaçado, quando você não saberá quem você é, quando você não saberá para onde está indo, quando todos os limites se dissolverão. Você estará simplesmente confuso, um caos.
Devido a esse caos, você tem medo de perder o ego. Mas tem que ser assim. Temos que passar através do caos antes de atingir o centro verdadeiro. E se você for ousado, o período será curto. Se você for medroso e novamente cair no ego, e novamente começar a ajeitá-lo, então, o período pode ser muito, muito longo; muitas vidas podem ser desperdiçadas.
Ouvi dizer:
Uma criancinha estava visitando seus avós. Ela tinha apenas quatro anos de idade. De noite, quando a avó a estava fazendo dormir, ela de repente começou a chorar e a gritar:
"Eu quero ir para casa. Estou com medo do escuro."
Mas a avó disse:
"Eu sei muito bem que em sua casa você também dorme no escuro; eu nunca vi a luz acesa: Então por que você está com medo aqui?"
O menino disse:
"Sim, é verdade - mas aquela é a minha escuridão. Esta escuridão é completamente desconhecida."
Até mesmo com a escuridão você sente: "Esta é minha."
Do lado de fora - uma escuridão desconhecida. Com o ego você sente: "Esta é a minha escuridão." Pode ser problemática, pode criar muitos tormentos, mas ainda assim, é minha. Alguma coisa em que se segurar, alguma coisa em que se agarrar, alguma coisa sob os pés; você não está em um vácuo, não está em um vazio. Você pode ser infeliz, mas pelo menos você é.
Até mesmo o ser infeliz lhe dá uma sensação de "eu sou". Afastando-se disso, o medo toma conta; você começa a sentir medo da escuridão desconhecida e do caos - porque a sociedade conseguiu clarear uma pequena parte do seu ser... É o mesmo que penetrar em uma floresta. Você faz uma pequena clareira, você limpa um pedaço de terra, você faz um cercado, você faz uma pequena cabana; você faz um pequeno jardim, um gramado, e você sente-se bem. Além de sua cerca - a floresta, a selva. Aqui tudo está bem; você planejou tudo. Foi assim que aconteceu. A sociedade abriu uma pequena clareira em sua consciência. Ela limpou apenas uma pequena parte completamente e cercou-a. Tudo está bem ali. Todas as suas universidades estão fazendo isso. Toda a cultura e todo o condicionamento visam apenas limpar uma parte, para que você possa se sentir em casa ali.
E então você passa a sentir medo. Além da cerca existe perigo. Além da cerca você é, tal como dentro da cerca você é - e sua mente consciente é apenas uma parte, um décimo de todo o seu ser. Nove décimos estão aguardando no escuro. E dentro desses nove décimos, em algum lugar, o seu centro verdadeiro está oculto.
Precisamos ser ousados, corajosos. Precisamos dar um passo para o desconhecido.
Por um certo tempo, todos os limites ficarão perdidos.
Por um certo tempo, você vai sentir-se atordoado.
Por um certo tempo, você vai sentir-se muito amedrontado e abalado, como se tivesse havido um terremoto.
Mas se você for corajoso e não voltar para trás, se você não voltar a cair no ego, mas for sempre em frente, existe um centro oculto dentro de você, um centro que você tem carregado por muitas vidas.
Esta é a sua alma, o eu.
Uma vez que você se aproxime dele, tudo muda, tudo volta a se assentar novamente. Mas agora esse assentamento não é feito pela sociedade. Agora, tudo se torna um cosmos e não um caos; nasce uma nova ordem. Mas esta não é a ordem da sociedade - é a própria ordem da existência. É o que Buda chama de Dharma, Lao Tsé chama de Tao, Heráclito chama de Logos. Não é feita pelo homem. É a própria ordem da existência.
Então, de repente tudo volta a ficar belo, e pela primeira vez, realmente belo, porque as coisas feitas pelo homem não podem ser belas. No máximo você pode esconder a feiura delas, isso é tudo. Você pode enfeitá-las, mas elas nunca podem ser belas. A diferença é a mesma que existe entre uma flor verdadeira e uma flor de plástico ou de papel. O ego é uma flor de plástico, morta. Não é uma flor, apenas parece com uma flor. Até mesmo lingüisticamente, chamá-la de flor está errado, porque uma flor é algo que floresce. E essa coisa de plástico é apenas uma coisa e não um florescer. Ela está morta. Não há vida nela. Você tem um centro que floresce dentro de você. Por isso os hindus o chamam de lótus - é um florescer. Chamam-no de o lótus das mil pétalas. Mil significa infinitas pétalas. O centro floresce continuamente, nunca para, nunca morre. Mas você está satisfeito com um ego de plástico. Existem algumas razões para que você esteja satisfeito. Com uma coisa morta, existem muitas vantagens. Uma é que a coisa morta nunca morre. Não pode - nunca esteve viva. Assim você pode ter flores de plástico, e de certa forma elas são boas. Elas são permanentes; não são eternas, mas são permanentes. A flor verdadeira, a flor que está lá fora no jardim, é eterna, mas não é permanente. E o eterno tem uma maneira própria de ser eterno. A maneira do eterno é nascer muitas e muitas vezes... e morrer. Através da morte, o eterno se renova, rejuvenesce.
Para nós, parece que a flor morreu - ela nunca morre. Ela simplesmente troca de corpo, assim está sempre fresca. Ela deixa o velho corpo e entra em um novo corpo. Ela floresce em algum outro lugar, nunca deixa de estar florescendo.
Mas não podemos ver a continuidade porque a continuidade é invisível. Vemos somente uma flor, outra flor; nunca vemos a continuidade. Trata-se da mesma flor que floresceu ontem. Trata-se do mesmo sol, mas em um traje diferente.
O ego tem uma certa qualidade - ele está morto. É de plástico. E é muito fácil obtê-lo, porque os outros o dão a você. Você não o precisa procurar; a busca não é necessária para ele. Por isso, a menos que você se torne um buscador à procura do desconhecido, você ainda não terá se tornado um indivíduo. Você é simplesmente uma parte da multidão. Você é apenas uma turba. Quando você não tem um centro autêntico, como você pode ser um indivíduo? O ego não é individual. O ego é um fenômeno social - ele é a sociedade, não é você. Mas ele lhe dá um papel na sociedade, uma posição na sociedade. E se você ficar satisfeito com ele, você perderá toda a oportunidade de encontrar o eu.
E por isso você é tão infeliz.
Com uma vida de plástico, como você pode ser feliz? Com uma vida falsa, como você pode ser extático e bem-aventurado? E esse ego cria muitos tormentos, milhões deles. Você não pode ver, porque se trata da sua escuridão. Você está em harmonia com ela. Você nunca reparou que todos os tipos de tormentos acontecem através do ego? Ele não o pode tornar abençoado; ele pode somente torná-lo infeliz.
O ego é o inferno.
Sempre que você estiver sofrendo, tente simplesmente observar e analisar, e você descobrirá que, em algum lugar, o ego é a causa do sofrimento. E o ego continua encontrando motivos para sofrer.
Uma vez eu estava hospedado na casa de Mulla Nasrudin. A esposa estava dizendo coisas muito desagradáveis a respeito de Mulla Nasrudin, com muita raiva, aspereza, agressividade, muito violenta, a ponto de explodir. E Mulla Nasrudin estava apenas sentado em silêncio, ouvindo. Então, de repente, ela se voltou para ele e disse: "Então, mais uma vez você está discutindo comigo!" Mulla disse: "Mas eu não disse uma única palavra!"
A esposa replicou: "Sei disso - mas você está ouvindo muito agressivamente." Você é um egoísta, como todos são. Alguns são muito grosseiros, evidentes, e estes não são tão difíceis. Outros são muito sutis, profundos, e estes são os verdadeiros problemas.
O ego entra em conflito com outros continuamente porque cada ego está extremamente inseguro de si mesmo. Tem que estar - ele é uma coisa falsa. Quando você nada tem nas mãos, mas acredita ter algo, então haverá um problema. Se alguém disser: "Não há nada", imediatamente começa a briga porque você também sente que não há nada. O outro o torna consciente desse fato. O ego é falso, ele não é nada.
E você também sabe isso.
Como você pode deixar de saber isso? É impossível! Um ser consciente - como pode ele deixar de saber que o ego é simplesmente falso? E então os outros dizem que não existe nada - e sempre que os outros dizem que não existe nada, eles batem numa ferida, eles dizem uma verdade - e nada fere tanto quanto a verdade. Você tem que se defender, porque se você não se defende, se não se torna defensivo, onde estará você?
Você estará perdido. A identidade estará rompida.
Assim, você tem que se defender e lutar - este é o conflito. Um homem que alcança o eu nunca se encontra em conflito algum. Outros podem vir e entrar em choque com ele, mas ele nunca está em conflito com ninguém.
Aconteceu de um mestre Zen estar passando por uma rua. Um homem veio correndo e o golpeou duramente. O mestre caiu. Logo se levantou e voltou a caminhar na mesma direção na qual estava indo antes, sem nem ao menos olhar para trás. Um discípulo estava com o mestre. Ele ficou simplesmente chocado. Ele disse:
"Quem é esse homem? O que significa isso? Se a gente vive desta maneira, qualquer um pode vir e nos matar. E você nem ao menos olhou para aquela pessoa, quem é ela, e por que ela fez isso?"
O mestre disse: "Isso é problema dela, não meu."
Você pode entrar em choque com um iluminado, mas esse é seu problema, não dele. E se você fica ferido nesse choque, isso também é problema seu. Ele não o pode ferir. É como bater contra uma parede - você ficará machucado, mas a parede não o machucou.
O ego sempre está procurando por algum problema. Por quê?
Porque se ninguém lhe dá atenção o ego sente fome. Ele vive de atenção.
Assim, mesmo se alguém estiver brigando e com raiva de você, mesmo isso é bom, pois pelo menos você está recebendo atenção. Se alguém o ama, isso está bem. Se alguém não o está amando, então até mesmo a raiva servirá. Pelo menos a atenção chega até você. Mas se ninguém estiver lhe dando qualquer atenção, se ninguém pensa que você é alguém importante, digno de nota, então como você vai alimentar o seu ego?
A atenção dos outros é necessária.
Você atrai a atenção dos outros de milhões de maneiras; veste-se de um certo jeito, tenta parecer bonito, comporta-se bem, torna-se muito educado, transforma-se. Quando você sente o tipo de situação que está ocorrendo, você imediatamente se transforma para que as pessoas lhe dêem atenção. Esta é uma forma profunda de mendicância. Um verdadeiro mendigo é aquele que pede e exige atenção. Um verdadeiro imperador é aquele que vive em sua interioridade; ele tem um centro próprio, não depende de mais ninguém.
Buda sentado sob sua árvore Bodhi... Se o mundo inteiro de repente vier a desaparecer, isso fará alguma diferença para Buda? - nenhuma. Não fará diferença alguma, absolutamente. Se o mundo inteiro desaparecer, não fará diferença alguma porque ele atingiu o centro.
Mas você, se sua esposa foge, se ela pede divórcio, se ela o deixa por outro, você fica totalmente em pedaços - porque ela lhe dava atenção, carinho, amor, estava sempre à sua volta, ajudando-o a sentir-se alguém. Todo o seu império está perdido, você está simplesmente despedaçado. Você começa a pensar em suicídio. Por quê? Por que, se a esposa o deixa, você deveria cometer suicídio? Por que, se o marido a deixa, você deveria cometer suicídio? Porque você não tem um centro próprio. A esposa estava lhe dando o centro; o marido estava lhe dando o centro.
É assim que as pessoas existem. É assim que as pessoas se tornam dependentes umas das outras. É uma profunda escravidão. O ego tem que ser um escravo. Ele depende dos outros. E somente uma pessoa que não tenha ego é, pela primeira vez, um mestre; ela deixa de ser uma escrava. Tente entender isso. E comece a procurar o ego - não nos outros, isso não é da sua conta, mas em você. Toda vez que se sentir infeliz, imediatamente feche os olhos e tente descobrir de onde a infelicidade está vindo, e você sempre descobrirá que é o falso centro que entrou em choque com alguém.
Você esperava algo e isso não aconteceu. Você esperava algo e justamente o contrário aconteceu - seu ego fica estremecido, você fica infeliz. Simplesmente olhe, sempre que estiver infeliz, tente descobrir a razão.
As causas não estão fora de você.
A causa básica está dentro de você - mas você sempre olha para fora, você sempre pergunta:
Quem está me tornando infeliz?

Quem está causando minha raiva?
Quem está causando minha angústia?
E se olhar para fora, você não perceberá. Simplesmente feche os olhos e olhe para dentro. A origem de toda a infelicidade, a raiva, a angústia, está oculta dentro de você; é o seu ego.
E se você encontrar a origem, será fácil ir além dela. Se você puder ver que é o seu próprio ego que lhe causa problemas, você vai preferir abandoná-lo - porque ninguém é capaz de carregar a origem da infelicidade, uma vez que a tenha entendido.
E lembre-se, não há necessidade de abandonar o ego.
Você não o pode abandonar.
Se você o tentar abandonar, estará apenas conseguindo um outro ego mais sutil, que diz: "Tornei-me humilde".
Não tente ser humilde. Isso é o ego novamente; às escondidas, mas não morto.
Não tente ser humilde.
Ninguém pode tentar ser humilde e ninguém pode criar a humildade através do próprio esforço - não. Quando o ego já não existe, uma humildade vem até você. Ela não é uma criação. É uma sombra do seu verdadeiro centro.
E um homem realmente humilde não é nem humilde nem egoísta. Ele é simplesmente simples.
Ele nem ao menos se dá conta de que é humilde. Se você se dá conta de que é humilde, o ego continua existindo. Olhe para as pessoas humildes... Existem milhões que acreditam ser muito humildes. Eles se curvam com facilidade, mas observe-as - elas são os egoístas mais sutis. Agora a humildade é a sua fonte de alimento. Elas dizem: "Eu sou humilde", e olham para você esperando que você as valorize. Gostariam que você dissesse: "Você é realmente humilde, na verdade, você é o homem mais humilde do mundo; ninguém é tão humilde quanto você." E então observe o sorriso que surge em seus rostos.
O que é o ego? O ego é uma hierarquia que diz: "Ninguém se compara a mim." Ele pode se alimentar da humildade - "Ninguém se compara a mim, sou o homem mais humilde".
Aconteceu certa vez:
Um faquir - um mendigo - estava orando em uma mesquita, de madrugada, enquanto ainda estava escuro. Era um dia religioso qualquer para os muçulmanos, e ele estava orando e dizendo: 

"Eu não sou ninguém, eu sou o mais pobre dos pobres, o maior pecador entre os pecadores."
De repente havia mais uma pessoa orando. Era o imperador daquele país, e ele não havia percebido que havia mais alguém ali orando - estava escuro e o imperador também estava dizendo:
"Eu não sou ninguém. Eu não sou nada. Eu sou apenas um vazio, um mendigo à sua porta."

Quando ouviu que mais alguém estava dizendo a mesma coisa, o imperador disse:
"Pare! Quem está tentando me superar? Quem é você? Como ousa dizer, diante do imperador, que você não é ninguém, quando ele está dizendo que não é ninguém?"
É assim que o ego funciona. Ele é tão sutil! Suas maneiras são tão sutis e astutas; você deve estar muito, muito alerta, somente então você o perceberá. Não tente ser humilde. Apenas tente ver que todo o tormento, toda a angústia vem através dele.
Apenas observe! Não há necessidade de o abandonar. Você não o pode abandonar. Quem o abandonará? Então o abandonador se tornará o ego. Ele sempre volta. Faça o que fizer, fique de fora, olhe, e observe. Qualquer coisa que você faça - modéstia, humildade, simplicidade - nada vai ajudar. Somente uma coisa é possível, e esta é simplesmente observar e ver que o ego é a origem de toda a infelicidade. Não diga isso. Não repita isso.
Observe.
Porque se eu disser que ele é a origem de toda a infelicidade e você repetir isso, então será inútil. Você tem que chegar a esse entendimento. Sempre que você estiver infeliz, apenas feche os olhos e não tente encontrar alguma causa externa. Tente perceber de onde está vindo essa miséria. Ela está vindo do seu próprio ego.
Se você continuamente percebe e compreende, e a compreensão de que o ego é a causa chega a se tornar profundamente enraizada, um dia você repentinamente verá que ele desapareceu. Ninguém o abandona - ninguém o pode abandonar. Você simplesmente vê; ele simplesmente desapareceu, porque a própria compreensão de que o ego é a causa de toda a infelicidade, se torna o abandonar. A própria compreensão significa o desaparecimento do ego. E você é tão brilhante em perceber o ego nos outros. Qualquer um pode ver o ego do outro. Mas quando se trata do seu, surge o problema - porque você não conhece o território, você nunca viajou por ele. Todo o caminho em direção ao divino, ao supremo, tem que passar através desse território do ego. O falso tem que ser entendido como falso. A origem da miséria tem que ser entendida como a origem da miséria - então ela simplesmente desaparece.
Quando você sabe que ele é o veneno, ele desaparece.
Quando você sabe que ele é o fogo, ele desaparece.
Quando você sabe que este é o inferno, ele desaparece.
E então você nunca diz: "Eu abandonei o ego." Então você simplesmente ri de toda esta história, dessa piada, pois você era o criador de toda a infelicidade.
Eu estava olhando alguns desenhos de Charlie Brown. Em uma cena ele está brincando com blocos, construindo uma casa com blocos de brinquedo. Ele está sentado no meio dos blocos, levantando as paredes. Chega um momento em que ele está cercado: ele levantou paredes em toda a volta. E ele começa a gritar:
"Socorro, socorro!"
Ela fez a coisa toda! Agora ele está cercado, preso. Isso é infantil, mas é justamente o que você fez. Você fez uma casa em toda a sua volta, e agora você está gritando: "Socorro, socorro!" E o tormento se torna um milhão de vezes maior - porque há os que socorrem, estando eles próprios no mesmo barco.
Aconteceu de uma mulher muito atraente ir ao psiquiatra pela primeira vez. O psiquiatra disse:
"Aproxime-se, por favor."
Quando ela chegou mais perto, ele simplesmente deu um salto, abraçou e beijou a mulher.
Ela ficou chocada.
Então ele disse:

"Agora sente-se. Isso resolve o meu problema, agora, qual é o seu?".
O problema se multiplica, porque há pessoas que querem ajudar, estando no mesmo barco. E elas gostariam de ajudar, porque quando você ajuda alguém, o ego se sente muito bem, porque você é um grande salvador, um grande guru, um mestre; você está ajudando tantas pessoas! Quanto maior a multidão de seus seguidores, melhor você se sente.
Mas você está no mesmo barco - você não pode ajudar.
Pelo contrário, você prejudicará.
Pessoas que ainda têm os seus próprios problemas não podem ser de muita ajuda. Somente alguém que não tenha problemas próprios o pode ajudar. Somente então existe a clareza para ver, para ver através de você. Uma mente que não tem problemas próprios pode vê-lo, você se torna transparente. Uma mente que não tem problemas próprios pode ver através de si mesma; por isso ela torna-se capaz de ver através dos outros.
No ocidente existem muitas escolas de psicanálise, muitas escolas, e nenhuma ajuda está chegando às pessoas, mas em vez disso, causam danos. Porque as pessoas que estão ajudando as outras, ou tentando ajudar, ou pretendendo ser de ajuda, encontram-se no mesmo barco.
É difícil ver o próprio ego.
É muito fácil ver o ego dos outros. Mas esse não é o ponto, você não os pode ajudar.
Tente ver o seu próprio ego. Simplesmente observe.
Não tenha pressa de o abandonar, simplesmente observe. Quanto mais você observa, mais capaz você se torna. De repente, um dia, você simplesmente percebe que ele desapareceu. E quando ele desaparece por si mesmo, somente então ele realmente desaparece. Não existe outra maneira. Você não o pode abandonar prematuramente.
Ele cai exatamente como uma folha seca.
A árvore não está fazendo nada - apenas uma brisa, uma situação, e a folha seca simplesmente cai. A árvore nem mesmo percebe que a folha seca caiu. Ela não faz qualquer barulho, ela não faz qualquer anúncio - nada. A folha seca simplesmente cai e se despedaça no chão, apenas isso. Quando você tiver amadurecido através da compreensão, da consciência, e tiver sentido com totalidade que o ego é a causa de toda a sua infelicidade, um dia você simplesmente vê a folha seca caindo. Ela pousa no chão e morre por si mesma. Você não fez nada, portanto você não pode afirmar que você a deixou cair. Você vê que ela simplesmente desapareceu, e então o verdadeiro centro surge.
E este centro verdadeiro é a alma, o eu, o deus, a verdade, ou como o quiser chamar.
Ele é inominável, assim todos os nomes são bons.
Você pode lhe dar qualquer nome, aquele que preferir.
Extraído do livro "Além das Fronteiras da Mente"
Referência: Biografia de Osho;  

MORRER ANTES QUE VOCÊ MORRA

Uma das mais poderosas práticas espirituais é meditar profundamente sobre a mortalidade das formas físicas, inclusive da sua. Isso se chama: morrer antes que você morra. Vá fundo nisso. A sua forma física está se dissolvendo, é nada. Então surge um momento quando todas as formas mentais ou pensamentos também morrem. Mas, você ainda está lá – a presença divina que você é: radiante, completamente consciente. Nada que é real morre de verdade, somente os nomes, as formas e as ilusões. Nesse nível profundo, a compaixão se torna um remédio no sentido mais amplo. Nesse estado, a sua influência curativa se baseia não no fazer, mas no ser. Todas as pessoas com quem você mantiver contato serão tocadas pela sua presença e afetadas pela paz que você emana, quer elas estejam ou não conscientes disso. Quando estiver inteiramente presente e as pessoas à sua volta tiverem um comportamento inconsciente, você não vai sentir necessidade de reagir. A sua paz será tão grande e profunda que tudo que não for paz desaparecerá nela, como se nunca tivesse existido. Isso quebra o ciclo cármico de ação e reação. Os animais, as árvores, as flores vão sentir a sua paz e reagir a ela. Você ensinará através do ser, através da demonstração da paz de Deus. Você passará a ser a “luz do mundo”, uma emanação da pura consciência, e assim eliminará a causa do sofrimento. Você eliminará a inconsciência do mundo.

Por Eckhart Tolle

SÁBIO
Onde você vê um obstáculo,
Alguém vê o término da viagem.
E o outro vê uma chance de crescer.

Onde você vê um motivo pra se irritar,
Alguém vê a tragédia total
E o outro vê uma prova para sua paciência.

Onde você vê a morte,
Alguém vê o fim
E o outro vê o começo de uma nova etapa.

Onde você vê a fortuna,
Alguém vê a riqueza material
E o outro pode encontrar por trás de tudo, a dor e a miséria total.

Onde você vê a teimosia,
Alguém vê a ignorância,
Um outro compreende as limitações do companheiro, percebendo que cada qual caminha em seu próprio passo e que é inútil querer apressar o
passo do outro, a não ser que ele deseje isso.

Cada qual vê o que quer, pode ou consegue enxergar.
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura.

Por Fernando Pessoa 

O FIM DE UM CICLO

Vejamos o caso dos ciclos da vida. O que acontece quando acaba a noite? Surge o dia. E o que acontece quando se finaliza a época das chuvas? se inicia a época da estiagem. Dessa forma, pode se perceber que estamos sempre conectados aos ciclos da natureza? Quem não entende bem isso corre o risco de sofrer sem necessidade e de deixar ciclos abertos - não permitindo assim, que novos ciclos se abram.

Ciclo é um fenômeno em que vários acontecimentos se sucedem, em uma ordem determinada, podendo ser evolutivo ou involutivo, dependendo de como fechamos o ciclo anterior.
Na vida os ciclos têm começo, meio e fim, e precisam ser abertos pelos motivos certos e fechados quando já se esgotaram. Caso contrário, só haverá dor! 

Diz o ditado popular que "enquanto não se fecha uma porta a outra não se abre" - eis aqui um grave problema! Quantas vezes nós ficamos presos num ciclo que já acabou, insistindo em ignorar?

Quantas vezes uma relação termina de forma horrível simplesmente porque não percebemos que o ciclo acabou. Se deixarmos um ciclo encerrar naturalmente, um novo ciclo irá se abrir, podendo até ser com a mesma pessoa, porém, num nível mais elevado!

Tem ciclos que duram dias, meses, anos ou a vida toda. Pois em cada ciclo há uma bem-aventurança diferente.   

Fonte Linguagem psicológica do kyan-pô

PERGUNTA: O EGO É A FONTE DOS NOSSOS PENSAMENTOS, OU OS PENSAMENTOS SÃO GERADOS EM OUTRO LUGAR E ATRAVESSAM O EGO?
Eckhart: Não existe um ego separado dos pensamentos. A identificação com o pensamento é o ego. Mas os pensamentos que passam pela sua cabeça estão, é claro, ligado à mente coletiva da cultura em que você vive da humanidade como um todo, então eles não são pensamentos seus propriamente, mas você os capta do coletivo, a maior parte deles. Então você se identifica com o pensamento e a identificação com o pensamento se torna o ego.

O que significa simplesmente que você acredita em cada pensamento que surge, e você deriva o seu senso de quem você é, do que a sua mente está dizendo. Opiniões, ponto de vista, “isto sou eu”… Algumas pessoas falam consigo mesmas: “Ah você é tão bom! Por que o mundo não te reconhece?”, ou então a mente diz: “Você é mau”… é a mesma coisa. “Você é ruim, você fracassa em tudo, não é ?” E então você acredita nisso! E você passa a ter uma ideia ruim de si mesmo.

Por que você se subestima? Por que você acreditou nos seus pensamentos? E por que você está pensando esses pensamentos? Provavelmente você os coletou, talvez durante a infância… Talvez a sua mãe estivesse tão estressada que ela dizia: “Você é mau!” Então você coleta certos pensamentos e eles ficam presos na sua cabeça! Pensamentos que você ouve na infância, eles são pequenas formas de energia, como entidades, e eles ficam presos na sua cabeça e se recusam a ir embora! E quanto mais você acredita neles, mais profundamente eles vão se alojando em sua mente. E então algumas pessoas estão presas com entidades muito hostis, eu estou dizendo “entidade” não como uma assombração, mas que cada pensamento é uma energia, e como tal, você poderia chamá-lo de entidade.

Existem muitas pessoas neste mundo que estão presas com entidades hostis, negadoras da vida, criticando e atacando continuamente, o que elas carregam na cabeça. E elas acreditam que isso é quem elas são. E elas estão continuamente atacando a si mesmas, e se elas não estão atacando a si mesmas, estão atacando as pessoas em volta delas. “Vou te dizer que você é!” É claro que o que elas estão dizendo, na verdade, é: “Vou te dizer quem eu sou”. Elas projetam… Vocês conhecem o famoso ditado: “Nós não vemos as coisas como elas são, nós vemos as coisas como NÓS somos.” O que significa: você olha para a realidade através do crivo do seu pensamento, e dos seus julgamentos, que são condicionados pelo passado.

O presente horrendo em que vivemos, é um presente horrendo para se viver! É como uma persiana, pior que uma persiana! Você olha pra realidade através de véus muito pesados. “Uh! Está tão escuro aqui!” “Aquilo é um ser humano, ou…?”

Então essa identificação com o pensamento, acreditar nos seus pensamentos, não ter nenhum espaço fora do movimento do pensamento, mais uma vez chegamos ao ponto vital: falta de espaço interno. Essa é a condição inconsciente, espiritualmente, completamente inconsciente. Então você é sobrecarregado como um ego pesado, você “é” o ego, que não é uma entidade separada do pensamento. Ele é formado de pensamentos com os quais você se identificou. E o primeiro momento de liberdade vem quando você percebe que certos pensamentos estão na sua cabeça há anos, talvez, e eles são apenas pensamentos. E você não é o pensamento. Você é a consciência.

No meu caso, eu me conscientizei de que eu tinha um pensamento, por exemplo, que tinha começado na infância, um de muitos pensamentos que eu tinha, “Coisas ruins acontecem comigo.” Quando eu via as pessoas à minha volta, eu pensava: “Eles tem todas essas coisas boas”, e havia sempre coisas ruins acontecendo comigo. É claro que a sua percepção se torna seletiva. Quando você tem um pensamento como esse, você percebe muito mais as coisas ruins… Porque na vida diária de qualquer pessoa certas coisas dão errado: você perde o ônibus, você fica preso no trânsito, ou você perde algum dinheiro, e isso é normal, mas se você tem o pensamento: “as coisas ruins sempre acontecem comigo”, você está extremamente atento a esse tipo de coisa, e elas confirmam pra você que o pensamento está correto. E essa é a percepção correta da realidade através do crivo da mente. Então a realidade irá confirmar pra você, e não somente isso! Esse pensamento ou qualquer pensamento desse tipo na verdade atraem coisas ruins, coisas negativas.

Ou se você acredita que as pessoas são basicamente más, e essa é uma crença profundamente estabelecida e você não percebe que é apenas um pensamento na sua cabeça, uma crença, não apenas você irá destacar os comportamentos antiéticos ou negativos quando você os encontrar-nos outros. Não apenas isso, mas também é muito mais provável que você encontre pessoas que manifestem esse tipo de comportamento, porque você será atraído. Então, é incrível como as pessoas criam os seus mundos através disso.

A liberdade vem de sair disso, encontrar antes de tudo um pouco de espaço dentro de você, presença! E a partir daí você percebe que certos pensamentos são repetitivos, e que são só pensamentos.

Então tornar-se livre do ego, significa tornar-se livre do pensamento, da identificação com o pensamento. Esse é o fim do ego. Ele pode ocasionalmente se reafirmar, de tempos em tempos, mas pelo menos este é o despertar. E os seus pensamentos? Os pensamentos habituais?

Algumas pessoas têm medo de não obter sucesso nas coisas que fazem, porque suas autoimagens, que são derivadas do pensamento, iriam sofrer! “Se eu falhar em alguma coisa, minha autoimagem será ferida”, portanto eu não vou nem tentar. E novamente isso tem haver com derivar a sua identidade do pensamento. E mesmo o pensamento “eu falhei” é uma mentira. Eu sou uma falha é uma mentira maior ainda. Você não falhou você pode simplesmente reinterpretar: “Eu aprendi algo aqui. Isso não é para mim”, por exemplo. Então por que acreditar nas mentiras que sua mente produz? Então, como você sabe, muitas pessoas vivem com uma mente muito hostil. Porém a motivação dessas pessoas para sair de suas mentes é muito grande, eu imagino. Mas primeiro elas precisam perceber que seus problemas são autogerados. Gerados pela mente. E não gerados pelo mundo.

Por Eckhart Tolle
NORMOSE

O sujeito "normal" é magro, alegre, belo, sociável e bem-sucedido. Quem não se "normaliza" acaba adoecendo. A angústia de não ser o que os outros esperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico e outras manifestações de não enquadramento.

A pergunta a ser feita é: quem espera o que de nós? Quem são esses ditadores de comportamento a quem estamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas? Eles não existem. Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado. Quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha "presença" através de modelos de comportamento amplamente divulgados. Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, seja lá quem for todos. Melhor se preocupar em ser você mesmo.

A normose não é brincadeira. Ela estimula a inveja, a auto-depreciação e a ânsia de querer o que não se precisa. Você precisa de quantos pares de sapato? Comparecer em quantas festas por mês? Pesar quantos quilos até o verão chegar? Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias. Um pouco de auto-estima basta.

Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras bovinamente, e sim, aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo. Criaram o seu "normal" e jogaram fora a fórmula, não patentearam, não passaram adiante. O normal de cada um tem que ser original. Não adianta querer tomar para si as ilusões e desejos dos outros. É fraude. E uma vida fraudulenta faz sofrer demais. Eu não sou filiado, seguidor fiel, ou discípulo de nenhuma religião ou crença, mas simpatizo cada vez mais com quem nos ajuda a remover obstáculos mentais e emocionais e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera.

Por isso divulgo o alerta: a normose está doutrinando erradamente muitos homens e mulheres que poderiam, se quisessem, ser bem mais autênticos e felizes.


Por Professor Hermógenes